Heidegger, Leitor de Lutero: A Busca por uma Vida Cristã Originária e o Problema do Pecado

Palavras-chave: Heidegger. Lutero. Vida Cristã Originária. Pecado.

Resumo

A influência da Teologia sobre o pensamento inicial de Heidegger é fato comprovado. Na verdade, Heidegger começou sua vida estudantil na Teologia Católica, migrando para a Teologia Protestante, usando-a como auxílio importante no início do seu pensamento filosófico. Vários fatores levaram Heidegger a migrar não somente no campo intelectual como no campo da práxis religiosa, um desses fatores, por exemplo, foi o seu descontentamento com a postura extremamente dogmatista do pensamento Neo-Escolástico. Foi o Reformador Martinho Lutero uma das figuras importantes nessa transição. Por meio dos estudos de seu pensamento, Heidegger procurou responder a algumas questões importantes da problemática teológica. Neste trabalho, além de uma breve exposição da migração de Heidegger do Catolicismo para o Protestantismo, analisaremos como ele trata de duas dessas questões: primeira, acerca da Vida Cristã Originária, e a segunda referindo-se a Lutero e o problema do pecado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eric Ewans Mendes, Universidade Federal de Mato Grosso, UFMT

Formado em Teologia pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (2013), mestre em Filosofia Social pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) (2018). Atua nas áreas de Filosofia e Teologia, trabalhando a relação entre ambas e suas influências. Na Teologia, atua nas áreas de exegese bíblica gramático-histórico e crítico-histórico, estudos das línguas bíblicas (grego e hebraico) e interesse na teologia alemã, especialmente Rudolf Bultmann. Na filosofia, especializando no filósofo alemão Martin Heidegger, participante do grupo de pesquisa - Questões do Renascimento e com profundo interesse na Metafísica, Antropologia Filosófica, Ética, História da Filosofia, Fenomenologia e Filosofia da Religião, Estética, Filosofia do Direito, Filosofia da Biologia, Filosofia e Física, Analítica do Dasein (Martin Heidegger), tradição filosófica (especialmente alemã) e em outros assuntos ligados à filosofia.

Referências

BUREN, John Van. “Martin Heidegger, Martin Luther”. In: KISIEL, Theodore; BUREN, John van (Ed.). Reading Heidegger from the start: Essays in His Earliest Thought. Albany: State University of New York Press, 1994, pp. 159-174.

CAPELLE, Philippe. Philosophie & Théologie dans la pensée de Martin Heidegger. Paris: Cerfe, 2012.

CAPUTO, John. “Heidegger e a Teologia”. In: GUIGNON, Charles B. Poliedro Heidegger. Tradução: João Carlos Silva. Lisboa: Instituto Piaget, 2010.

DRAWIN, Carlos Roberto. “Ontologia e fenomenologia da vida religiosa no pensamento do jovem Heidegger”. In: II CONGRESSO BRASILEIRO DE FILOSOFIA DA RELIGIÃO. Belo Horizonte, PUC Minas/FAJE, 2007, pp. 1-11.

FABRIS, Adriano. “Martin Heidegger: O “ateísmo de princípio” da filosofia, a proveniência da fé em “Cristo, o Deus crucificado”, e a permanência de instâncias teológicas na espera do “último deus”. In: ZUCAL, Silvano (org.) Cristo na Filosofia Contemporânea Vol. II. São Paulo: Paulus, 2006, pp. 501-526.

FRANZ, Helmut. “Das Denken Heideggers und die Theologie”. In: POGELLER, Otto (Org.). Heidegger: Perspektiven zur Deutung seines Werks. Koln: Kiepenheuer e Witsch, 1970.

GADAMER, Hans-Georg. Hegel – Husserl – Heidegger. Tradução: Marco Antônio Casanova. Petrópolis: Vozes, 2012.

HEIDEGGER, Martin & BULTMANN, Rudolf. Martin Heidegger/ Rudolf Bultmann– Correspondência (1925-1975). GROMANN, Andreas; LANDMESSER, Christof (Editores). Tradução de Raúl Gabás. Barcelona: Herder Editorial, 2012.

HEIDEGGER, Martin. “The problem of sin in Luther”. In: Martin Heidegger: Supplements – From the Earliest Essays to Being and Time Beyond. BUREN, John Van (trad.). New York: State University Of New York Press, 2002, pp. 105-110.

HEIDEGGER, Martin. Fenomelogia da Vida Religiosa. Tradução: Enio Paulo Giachini, Jairo Ferradin e Renato Kirchner. Petrópolis e Bragança Paulista: Vozes e Editora Universitária São Francisco, 2010.

HEIDEGGER, Martin. Ontologia: Hermenêutica da Facticidade. Tradução: Renato Kirchner. Petrópolis: Vozes, 2012.

HEIDEGGER, Martin. Que é isto – A filosofia? Identidade e Diferença. Tradução de Ernildo Stein. São Paulo/Petrópolis: Vozes/Duas Cidades. 2006.

HEIDEGGER, Martin. Ser e Tempo. Bilíngue Alemão-Português. Tradução: Fausto Castilho. Petrópolis/Campinas: Vozes/Unicamp. 2012.

LEHMANN, Karl. “Christliche Geschichtserfahrung und ontologische Frage beim jungen Heidegger”. In: POGGELER, Otto (Org.). Heidegger: Perspektiven zur Deutung seines Werks. Koln: Kiepenheuer e Witsch, 1970.

LUTERO, Martinho. Obras Selecionadas, Vol. I: Os Primórdios. Escritos de 1517 a 1519. Tradução: Annemarie Höhn; Ilson Kayser; Luís M. Sander; Martinho L. Hasse e Walter O. Schlupp. São Leopoldo e Porto Alegre: Sinodal e Concórdia Editora LTDA, 1987.

MACDOWELL, João A. “Martin Heidegger e o pensamento oriental: confrontos”. In: Heidegger e o pensamento oriental. NETO, A.F. & GIACOIA, O. (org.). Uberlândia: EDUFU, 2012, pp. 125-147.

OTT, Hugo. Martin Heidegger – En caminho hacia su biografia. Tradução de Helena Cortés Gabaudan. Madrid: Alianza Editorial. 1993.

PÖGGELER, Otto. “Martin Heidegger”. In: FLEISCHER, Margot (Org.). Filósofos do século XX. São Leopoldo: Ed. Unisinos, 2000, pp. 154-177.

SOLARI, Enzo. “Aproximación al problema de Dios en el pensamiento de Heidegger”. In: II CONGRESO INTERNACIONAL DE FILOSOFIA XAVIER ZUBIRI, UCA, San Salvador, 2005, pp. 1-100.

WOLFE, Judith. Heidegger and Theology. London: Bloomsbury Academic, 2014.

Publicado
2019-05-13
Como Citar
MENDES, E. Heidegger, Leitor de Lutero: A Busca por uma Vida Cristã Originária e o Problema do Pecado. Revista de Filosofia Moderna e Contemporânea, v. 7, n. 1, p. 309-326, 13 maio 2019.