A Inclusão e suas práticas

aspectos socioantropológicos da produção de materiais pedagógicos inclusivos para Surdos

  • Victor Mourão UFV
  • Ana Luisa Borba Gediel
  • Isabela Martins Miranda
Palavras-chave: políticas públicas, ensino superior, inclusão social, pessoas Surdas

Resumo

O cenário da expansão de políticas públicas, que ocorreu nas últimas décadas, pressionou por um conjunto de novos arranjos nas instituições educativas tendo em vista a inclusão de pessoas com deficiência. O presente artigo tem o objetivo de descrever o trabalho de elaboração de materiais didáticos para a inclusão de uma pessoa Surda em uma instituição de ensino superior. Nos interessa refletir acerca da reflexividade e dos conflitos envolvendo os pontos de vista dos profissionais das diferentes áreas para o processo de elaboração dos materiais e as ações institucionais que conformam essa conjuntura. Acessamos os agentes envolvidos a partir da metodologia de redes e pontuamos os principais elementos norteadores e transformadores do processo. Entendemos que as políticas públicas são de extrema importância para gerar oportunidades de mudança e observamos a complexidade na delimitação e efetivação de ações para atender à diversidade socialmente existente, e que as transformações que suscitam ultrapassam o âmbito dos seus destinatários explícitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARNES, J. A. 1987. “Redes sociais e processo político”. In: FELDMAN-BIANCO, B. et al. Antropologia das Sociedades Contemporâneas. São Paulo: Global, pp. 159-193.

CALLON, M. 1995. “Technological Conception and Adoption Network: Lessons for the CTA Practitioner”. In: RIP, A.; MISA, T. J., et al. Managing Technology in Society. London, New York: Pinter, pp. 307-330.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. 1996. “O trabalho do antropólogo: olhar, ouvir, escrever”. Revista de Antropologia (USP), 39(1): 13-37.

Da SILVA, Marilda. 2009. Complexidade da formação de professores: saberes teóricos e saberes práticos. São Paulo: Editora UNESP.

DEDECCA, C. S. 2014. “A queda da desigualdade de renda corrente e a participação do 1% de domicílios de maior renda, 2000-201”. Revista de Economia Política, 34(2): 249-265.
FERREIRA-BRITO, Lucinda. 1995. Por uma gramática de línguas de sinais. Rio de Janeiro, RJ: Tempo Brasileiro.
FONSECA, C.; JARDIM, D.; SCHUCH, P. e MACHADO, H. 2016. “Apresentação”. Horizontes Antropológicos, 22(46): 9-34.

FOUCAULT, Michael. 2001. Os Anormais. São Paulo: Martins Fontes.

FRASER, N. 2006. “Da redistribuição ao reconhecimento? Dilemas da justiça numa era ‘pós-socialista’”. Cadernos de Campo, 14/15: 231-239.

FRASER, N.; HONNETH, A. 2003. Redistribution or recognition? A political-philosophical exchange. New York: Verso.

GESSER, A. 2009. LIBRAS? Que língua é essa? Crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola.

GIDDENS, A. 2007. A Constituição da Sociedade. São Paulo: Martins Fontes.

GLAT, Rosana; PLETSH, Márcia D. 2010. “O papel da Universidade no contexto da política de Educação Inclusiva: reflexões sobre a formação de recursos humanos e a produção de conhecimento”. Rev. Edu. Espec. Santa Maria, 23(38): 345 -356.

GOFFMAN, E. 2012. Estigma: Notas sobre a Manipulação da Identidade Deteriorada. 4a edição. Rio de Janeiro: LTC.

IMBERNÓN, Francisco. 2010. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. 7 ed. São Paulo: Cortez.

LATOUR, B. 2000. Ciência em Ação. Como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: Editora Unesp.

Padden & Humphries. 2006. Inside Deaf Culture. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press.

QUADROS, R. M.; KARNOPP, L. B. 2004. Língua de Sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed.

SIMMEL, G. 1983a. “A natureza sociológica do conflito”. In: MORAES FILHO, E. (Org.) Georg Simmel : sociologia. São Paulo: Ática. pp. 122-134.

______. 1983b. “Como as formas sociais se mantêm”. In: MORAES FILHO, E. (Org.) Georg Simmel : sociologia. São Paulo: Ática. pp. 46-58.

______. 1983c. “Conflito e estrutura de grupo”. In: MORAES FILHO, E. (Org.) Georg Simmel : sociologia. São Paulo: Ática. pp. 150-164.

SOUZA, A. L. S. D.; JÚNIOR, J. T. 2016. “O uso de tecnologias (TIC) na produção de material didático bilíngue libras/português na Universidade Federal de Viçosa”. Revista Fórum (INES), 33: 92-109.

TRIVIÑOS, A. N. S. 1987. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.
Publicado
2019-06-28
Como Citar
Mourão, V., Gediel, A. L., & Miranda, I. (2019). A Inclusão e suas práticas. Anuário Antropológico, 44(1). https://doi.org/10.4000/aa.3501