Sobre gramáticas emocionais e violência sexual. Notas a partir de dois casos de interrupção legal de gestação realizados por mulheres com deficiência intelectual.

  • Julian Simões UNICAMP/PPGCS
Palavras-chave: deficiência intelectual, violência sexual, interrupção legal de gestação, direitos sexuais e reprodutivos

Resumo

Neste artigo buscarei explicitar como as estratégias de acesso aos direitos sexuais e reprodutivas de mulheres com deficiência intelectual em situação de violência sexual são elaboradas por um idioma moral articulando dor, sofrimento e vitimização. A partir de uma pesquisa empírica realizada no Ambulatório de Violência Sexual em uma cidade do interior de SP, apresentarei dois casos de interrupção legal de gravidez. Um deles é realizado por uma garota de 13 anos e o outro por uma mulher de 27 anos, ambas com deficiência intelectual. O intuito é colocar em análise as técnicas de regulação e controle social operadas no entrecruzamento da prática médica e da prática jurídica. Também é objetivo refletir as ambiguidades e os paradoxos do reconhecimento de pessoas com deficiência intelectual como sujeitos de direitos sexuais e reprodutivos. Por fim, intentarei indicar que a vitimização expõe um processo ambivalente de garantia de direitos e de impossibilidade do exercício desses mesmos direitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. 2015. Lei Brasileira de Inclusão (Estatuto da Pessoa com Deficiência) nº 13.146. Brasília: Diário Oficial.

COELHO, Maria Cláudia. 2010. Narrativas da violência: a dimensão micropolítica das emoções. Mana, Rio de Janeiro, v. 16, n. 2, p. 265-285.

CORRÊA, Sonia. 2006. Cruzando a linha vermelha: questões não resolvidas no debate sobre direitos sexuais. Horizontes Antropológicos, Rio de Janeiro, v. 12, n. 26, p. 101-121.

DINIZ, Débora & MEDEIROS, Marcelo & PENALVA, Janaína. 2010. O Benefício de Prestação Continuada no Supremo Tribunal Federal. Sociedade e Estado, v. 25, n. 1, p. 53-70.

FASSIN, Didier. 2012. Humanitarian Reason: a moral history of the present. California: University of California Press.FASSIN, Didier. 2014. Compaixão e Repressão: a economia moral das Políticas de Imigração na França. Ponto Urbe, São Paulo, n. 15, p. 1-26.

FONSECA, Claudia & MARICATO, Glaucia. Criando Comunidades: emoção, reconhecimento e depoimento de sofrimento. Interseções: Revista de Estudos Interdisciplinares, ano 15, n. 2, 2013.

FRACOLLI, Lislaine Aparecida et al. 2011. Conceito e prática da integralidade na Atenção Básica: a percepção das enfermeiras. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 45, n. 5, p. 1135-1141.

LOPES, Pedro. 2014. Negociando deficiências: identidades e subjetividades entre pessoas com “deficiência intelectual”. Dissertação [Mestrado em Antropologia Social]. IFCH/UNICAMP, Campinas.MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS). 2007. A declaração de óbito: documento necessário e importante. Bra-sília: Ministério da Saúde.

NADAI, Larissa. 2018. Entre pedaços, corpos, técnicas e vestígios: O Instituto Médico Legal e suas tramas. Tese [Doutorado em Ciências Sociais]. IFCH/UNICAMP, Campinas.

OSIS, Maria José Martins Duarte. 1994. Atenção Integral à Saúde da Mulher, o Conceito e o Programa: História de uma Intervenção. Dissertação [Mestrado em Antropologia Social]. IFCH/UNICAMP, Campinas.

SARTI, Cynthia. 2009. Corpo, violência e saúde: a produção da vítima. Sexualidad, Salud y Sociedad - Revista Latinoamericana, v. 1, p. 89-103.

SARTI, Cynthia. 2011. A vítima como figura contemporânea. Cadernos do CRH. Salvador, v. 24, p. 51-61.

SARTI, Cynthia. 2014. A construção de figuras da violência: a vítima, a testemunha. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 20, n. 2 . p. 77-105.

SIMÕES, Julian. 2014. Assexuados, Libidinosos ou um Paradoxo Sexual? Gênero e sexualidade em pessoas com deficiência intelectual. Dissertação [Mestrado em Antropologia Social]. IFCH/UNICAMP, Campinas.

SIMÕES, Julian. 2019. Dos sujeitos de direitos, das políticas públicas e das gramáticas emocionais em situações de violência sexual contra mulheres com Deficiência Intelectual. Tese [Doutorado em Ciências Sociais]. IFCH/UNICAMP, Campinas.

STRATHERN, Marilyn. 2014. O efeito etnográfico e outros ensaios. São Paulo: Cosacnaif.

Como Citar
Simões, J. (1). Sobre gramáticas emocionais e violência sexual. Notas a partir de dois casos de interrupção legal de gestação realizados por mulheres com deficiência intelectual. Anuário Antropológico, 44(1). https://doi.org/10.4000/aa.3496