ARQUEOLOGIA FORENSE E SEUS DIÁLOGOS COM A ANTROPOLOGIA SOCIAL NO ESTUDO DO COMPORTAMENTO CRIMINOSO NO MÉXICO DA GUERRA ÀS DROGAS

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Alejandro Arteaga Saucedo

Resumo

No México da guerra contra as drogas, a arqueologia juntou-se à tarefa de colaborar com o sistema judiciário e os coletivos de parentes de pessoas desaparecidas, mas suas contribuições foram, em sua maior parte, mais metodológicas do que explicativas. Se voltarmos ao princípio de que a arqueologia convencional estuda o comportamento das sociedades humanas do passado e as aplica no campo forense, poderíamos ampliar as possibilidades de investigação ou intervenção de contextos de interesse forense.


No artigo, as contribuições da arqueologia na localização de pessoas desaparecidas e a participação dos grupos de parentes que desempenham as mesmas tarefas e como ambos podem contribuir na investigação criminal são retomadas. O objetivo é discutir e propor a aplicação dos fundamentos teórico-interpretativos da antropologia para a implementação de uma arqueologia colaborativa que contribua para a busca da verdade e da justiça em contextos contemporâneos de conflito. Por fim, são retomadas as contribuições do Grupo de Pesquisa em Antropologia Social e Forense para a co-construção de conhecimentos e políticas públicas que atendam às expectativas dos grupos de familiares de pessoas desaparecidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Saucedo, Alejandro. 2019. ARQUEOLOGIA FORENSE E SEUS DIÁLOGOS COM A ANTROPOLOGIA SOCIAL NO ESTUDO DO COMPORTAMENTO CRIMINOSO NO MÉXICO DA GUERRA ÀS DROGAS. Abya-Yala: Revista Sobre Acesso à Justiça E Direitos Nas Américas 3 (2), 73-93. https://doi.org/10.26512/abya-yala.v3i1.24573.
Seção
Dossiê