Chamada SER Social nr. 41

Se há uma abordagem conservadora da questão racial, que com uma visão limitada da problemática pregoa apenas a igualdade de oportunidades, também existe uma  versão crítica da problemática, que defendemos, na qual o Estado desenvolve uma  intervenção ativa para provocar/estimular a mudança social, econômica e cultura.

"Se é possível dizer que o marxismo permite uma compreensão científica da questão racial, também se pode afirmar que a análise do fenômeno racial abre as portas para

que o marxismo cumpra sua vocação de tornar inteligíveis as relações sociais históricas  em suas determinações sociais mais concretas." (Almeida, Silvio Luiz, dossiê Marxismo  e questão racial, Margem Esquerda, Revista da Boitempo, segundo semestre de 2016, https://blogdaboitempo.com.br/2016/12/14/marxismo-e-a-questao-racial/ ).

 

Considera-se que não é possível uma compreensão das classes sociais no Brasil  independentemente da abordagem racial, pois o país foi construído na base da escravidão  de quatro séculos, com forte impacto no conteúdo da luta de classes. A construção  de  alternativas concretas, tendo como horizonte as lutas sociais anticapitalistas e a  construção de uma sociabilidade radicalmente livre e verdadeiramente emancipada, não podem prescindir da análise da questão étnico-racial.

 

Nesse sentido, a Revista SER Social pretende reunir contribuições de autores (as) e pesquisadores (as) das diversas áreas das ciências humanas e sociais na abordagem do tema proposto.

 

Com isso, a Revista SER Social convida pesquisadores (as) interessados (as)

em publicar artigos relacionados ao tema a submeterem seus textos até 30/09/2017

 

Os (as) interessados (as) devem submeter os artigos na plataforma da Revista

SER Social, com base nas orientações e diretrizes para autores (as). Disponível em http://periodicos.unb.br/index.php/SER_Social/about/submissions#authorGuidelines

 

Comissão Editorial

 

SER Social

http://periodicos.unb.br/index.php/SER_Social