Primeiro Amor

ah quanta ironia e genialidade - sonoridades reacendidas

Autores

Palavras-chave:

Samuel Beckett, Primeiro Amor, Conto, Sonoridades, Voz

Resumo

O conto Primeiro Amor de Samuel Beckett é marcado por um estranhamento derrisório e sarcástico. Propõe-se um estudo crítico literário, a associar o fascínio irresistível da escrita beckettiana ao das sonoridades reacendidas. A pesquisa envolve o estudo dos significantes sonoros da construção vocal-corporal atravessados por uma linguagem arrebatadora e, por vezes, hostil, como a evidenciada no conto em questão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Domingos Sávio Ferreira de Oliveira, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO, Rio de Janeiro/RJ, Brasil

Possui graduação em Artes Cênicas pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (1982), graduação em Fonoaudiologia pelo Instituto Brasileiro de Medicina de Reabilitação (1988), especialização em Metodologia do Ensino Superior pela Universidade Federal Fluminense (1989), especialização em Voz pelo Conselho Federal de Fonoaudiologia (título concedido por mérito - 1999), mestrado em Teatro (Estética Vocal) pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (1997) e doutorado em Letras (Estudos Linguísticos / Fonética Experimental) pela Universidade Federal Fluminense (2004). Atualmente, é docente associado IV lotado no Departamento de Interpretação do Bacharelado em Atuação Cênica da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). É professor pesquisador e orientador no Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas (PPGAC/UNIRIO), desenvolvendo estudos de voz na cena teatral.

Referências

BARTHES, Roland. O Rumor da língua. São Paulo: Brasiliense, 1988.

BECKETT, Samuel. Primeiro Amor. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

BERGSON, Henri. O Riso. Ensaio sobre a significação do cômico. Rio de Janeiro: Guanabara, 1987.

BRYDEN, Mary. An interview with Luciano Berio. In: Samuel Beckett and music. Edited by Mary Bryden. USA: Clarendon Press Oxford, 1998.

BROOK, Peter. O Teatro e Seu Espaço. Petrópolis: Vozes, 1970.

CAVARERO, Adriana. Vozes Plurais. Filosofia da expressão vocal. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

CHAUÃ, Marilena. Experiência do pensamento. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

DELEUZE, Gilles. Crítica e Clínica. São Paulo: Editora 34, 1997.

KAHN, François. O Jardim. Relatos e reflexões sobre o trabalho parateatral de Jerzy Grotowski de 1973 a 1985. São Paulo: É Realizações Editora, Livraria e Distribuidora LTDA, 2019.

MARFUZ, Luiz. Beckett e a implosão da cena. Poética teatral e estratégias de encenação. São Paulo: Perspectiva, 2013.

NOVARINA, Valère. Diante da Palavra. Rio de Janeiro: 7Letras, 2003.

PIETROFORTE, Antonio Vincente Seraphim; LOPES, Ivã Carlos. A Semântica Lexical. In: FIORIN, José Luiz. Introdução à Linguística. II. Princípios de análise. São Paulo: Contexto, 2017, pp. 111-135.

ZUMTHOR, Paul. Introdução à poesia oral. São Paulo: Hucitec, 1997.

Downloads

Publicado

29-06-2020

Como Citar

Oliveira, D. S. F. de. (2020). Primeiro Amor: ah quanta ironia e genialidade - sonoridades reacendidas. Voz E Cena, 1(01), 76–86. Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/vozecena/article/view/31478

Edição

Seção

Artigos - Fluxo Contínuo