O ESTUDO DE PRECESSÃO DA ÓRBITA DE MERCÚRIO NO ENSINO MÉDIO

Autores

  • Ricardo Fagundes Freitas Cunha Colégio Pedro II, Campus Realengo II, Rio de Janeiro
  • Alexandre Carlos Tort Instituto de Física, Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.26512/rpf.v1i2.7069

Palavras-chave:

Ensino de Física;, Gravitação newtoniana;, Precessão de órbitas planetárias;, Precessão de Mercúrio;, Tecnologias no ensino de física

Resumo

A lei da gravitação universal de Newton é a base da nossa compreensão da dinâmica do Sistema Solar e sob certas condições, de uma boa parte do universo observável. No nível do ensino médio, as órbitas dos planetas são apresentadas como sendo elípticas, com o Sol ocupando um dos focos. Isto é verdadeiro se considerarmos apenas a interação gravitacional entre o Sol e o planeta. Mas um o planeta não sofre apenas a força gravitacional exercida pelo Sol, outros planetas também exercem força gravitacionais, outros efeitos devem ser levados em conta, por exemplo a oblaticidade do Sol ou os efeitos previstos pela versão relativística da gravitação newtoniana, a teoria geral da relatividade. O resultado final é que as órbitas planetárias não são fechadas, isto é: as órbitas precessam. É possível introduzir este tema no ensino médio? Os autores acreditam que a resposta é afirmativa e que o fenômeno da precesssão das órbitas dos planetas pode ser estudado com o auxílio de softwares modernos muitos deles gratuitos e da fácil aprendizagem. Neste trabalho, discutiremos o fenômeno da precessão, em particular, o efeito relativístico na precessão de Mercúrio e sugerimos sua implementação em sala de aula por meio do software educacional Modellus.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Ricardo Fagundes Freitas Cunha, Colégio Pedro II, Campus Realengo II, Rio de Janeiro

Aluno de doutorado do Programa de Pós Graduação em Ciência, Tecnologia e Educação do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, Unidade Maracanã, RJ, Brasil. E-mail: 

Referências

D'Inverno, R. Introducing Einstein's Relativity, Clarendon Press Oxford 1992.

Baum, R., Sheehan, W. In Search of Planet Vulcan: The Ghost in Newton's Clockwork Universe, Plenum, NY 1997.

Goldstein, H., Poole, C., Safko, J. Classical Mechanics, 3a ed. Addison-Wesley, New York 2002.

Gregory, D. R. Classical Mechanics, Cambridge University Press, Cambridge 2006.

Chin, S. A. A truly elementary proof of Bertrand's theorem, Am. J. Phys., 83 (4) 320--323 2014.

Santos, F. C., Soares, V., Tort A. C. Uma tradução da demonstração original do teorema de Bertrand, Revista Brasileira de História da Ciência, 4 n.1 92-97 (2011).

http://www.if.ufrgs.br/computador-ensino-fisica/modellus/modellus-Introducao.htm Acessado em 02/08/2017.

Cunha, R. A Gravitação e a Precessão de Mercúrio: um texto para professores do Ensino Médio. Rio de Janeiro. 133p. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física, Instituto de Física, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 2017.

Asimov. I. The planet that wasn't, disponível em http://geobeck.tripod.com/frontier/planet.htm. Acessado em 06/09/2017.

Tort A.; Farina, C., Medeiros, O. Perturbed Isotropic Harmonic Oscilator, Eur. J. Phys 10 220--223 1989.

Downloads

Publicado

2017-12-21

Como Citar

CUNHA, R. F. F.; TORT, A. C. O ESTUDO DE PRECESSÃO DA ÓRBITA DE MERCÚRIO NO ENSINO MÉDIO. Revista do Professor de Física, [S. l.], v. 1, n. 2, p. 13–24, 2017. DOI: 10.26512/rpf.v1i2.7069. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/rpf/article/view/7069. Acesso em: 30 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos