O processo de definição de sociofísica e econofísica como campos de estudo

Autores

  • Leonardo Luiz e Castro Universidade de Brasília
  • Fábio Luís de Oliveira Paula Universidade de Brasília - UnB

DOI:

https://doi.org/10.26512/rpf.v4i3.29813

Palavras-chave:

Econofísica. Sociofísica. Sistemas complexos.

Resumo

A adaptação de metodologias das ciências físicas ao estudo de fenômenos sociais e econômicos deu
origem à ideia de sociofísica e econofísica como campos de estudo. A ideia do estudo do sociedade
como uma “física social” já estava presente no ideário de precursores do sociologia como Comte e
Quéletet, mas essa abordagem é considerada superada ou mesmo perigosa por grande parte dos
cientistas sociais, o que influencia sua opinião sobre a sociofísica, embora esta também possa ser
considerada como um fenômeno distinto das ideias originais de física social. Outras objeções
comuns à sociofísica relacionam-se à maior complexidade dos fenômenos sociais em relação aos
fenômenos físicos e ao fato de que o próprio observador seja parte do objeto estudo nos estudos
sociais. É uma ideia recorrente que a complexidade do ser humano impossibilita a abordagem
por meio de equações matemáticas. Essa ideia não nos parece totalmente justificada porque, nos
estudos de sociofísica e econofísica que analisamos, os modelos matemáticos não aparecem como
as únicas ferramentas utilizadas, mas como recursos adicionais de análise, havendo referências a
observações e dados vindos de estudos sociológicos, psicológicos e econômicos. Não é razoável que o
estudo de sistemas mais complexos seja prejudicado pela inclusão de mais recursos e possibilidades
metodológicas. Objeções semelhantes também são feitas à econofísica, que também pode ser
entendida como uma ciência social, mas o maior conflito entre econofísicos e economistas refere-se
ao fato de que esses profissionais frequentemente usam os mesmos conceitos e metodologias,
de modo que seja difícil definir fronteiras entre seus campos de atuação. De forma geral, a
abordagem da econofísica não é estranha aos economistas, que estão mais habituados a análises
estatísticas e modelos matemáticos. A maioria dos estudos de econofísica e sociofísica poderia ser
também classificada em outros campos de estudo: economia financeira, sociologia matemática,
sistemas dinâmicos, dinâmica de sistemas, teoria dos jogos, teoria da complexidade etc. A teoria
da complexidade, sob a denominação “sistemas complexos”, tem sido citada como uma área
destacadamente multidisciplinar, oferecendo uma oportunidade de maior interação de econofísicos
e sociofísicos com profissionais de outras áreas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ABBAGNANO, N.Dicionário de Filosofia.Trad. 1. ed. bras. coord. e rev. por Alfredo Bosi; rev.da trad. e trad. dos novos textos por Ivone Castilho Benedetti. 2. ed. São Paulo: MartinsFontes, 2000. 42

ANTWEILER, C.Our Common Denominator. [S.l.]: Berghahn Books, 2016. 364 p. 45

APLICADA, I. de Matemática Pura e.Sistemas Dinâmicos e Teoria Ergódica. 2020. Disponívelem: <https://impa.br/pesquisa/sistemas-dinamicos-e-teoria-ergodica/>. Acesso em: 3mar. 2020. 47

AUSLOOS, M.; JOVANOVIC, F.; SCHINCKUS, C. On the ’usual’ misunderstandings betweeneconophysics and finance: Some clarifications on modelling approaches and efficient markethypothesis. 2018. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.3294551>. Acesso em: 20mar. 2020. 40

BEAMAN, A. L. et al. Fifteen years of foot-in-the door: A meta-analysis.Personality andSocial Psychology Bulletin, v. 9, n. 2, p. 181”“196. 46

BROWN, D.Human Universals. [S.l.]: McGraw Hill, 1991. 220 p. 45

CHAKRABARTI, B. K.; CHAKRABORTI, A.; CHATTERJEE, A.Econophysics and Sociophysics:Trends and perspectives. [S.l.]: Wiley-VCH Verlag GmbH & Co. KGaA, 2006. 33, 34, 38

CIALDINI, R. B.Influence. [S.l.]: HarperCollins e-books, 2009. 334 p. 46

COMTE, A. Considérations philosophiques sur les sciences et les savants.Producteur, p.289”“305, 348”“374, 450”“469, 1825. 32

COMTE, A.Social Physics: from the positive philosophy. New York: Calvin Blanchard, 1856.31

COMTE, A.La science sociale. Paris: Éditions Gallimard, 1972. 306 p. Coletânea de artigos deAuguste Comte publicados entre 1819 e 1822. 39

D’ORSOGNA, M. R.; PERC, M. Statistical physics of crime: A review.Physicsof Life Reviews, v. 12, p. 1 ”“ 21, 2015. ISSN 1571-0645. Disponível em: <http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1571064514001730>. 48

DUROZOI, G.; ROUSSEL, A.Dicionário de Filosofia.Tradução de Marina Appenzeller.Campinas: Papiros, 1993. 42

EDLING, C. R. Mathematics in sociology.Annual Review of Sociology, v. 28, p. 197”“220, 2002.Disponível em: <https://www.jstor.org/stable/3069240>. Acesso em: 2 mar. 2020. 41

FERNANDO, V. Failed economists are now developing ’econophysics’ as our newsavior.Business Insider, 2010. Disponível em: <https://www.businessinsider.com/failed-economists-concoct-new-econophysics-2010-8>. Acesso em: 20 mar. 2020. 40

FREEDMAN, J. L.; FRASER, S. C. Compliance without pressure: the foot-in-the-doortechnique.Journal of Personality and Social Psychology, v. 4, n. 2, p. 195”“202, 1996. 46

GORARD, S.Quantitative Methods in Social Science Research: The role of numbers made easy.New York: Continuum, 2003. 41

HAMADA, K. A view from an economist on econo-physics. In: TAKAYASU, H. (Ed.).TheApplication of Econophysics (Proceedings of the Second Nikkei Econophysics Symposium). Tóquio:Springer-Verlag, 2002. p. 310”“315. 40

HARTE, J.Consider a Spherical Cow: A course in environmental problem solving. [S.l.]:University Science Books, 1991. 283 p. 43

HARTE, J.Consider a Cylindrical Cow: More adventures in environmental problem solving.[S.l.]: University Science Books, 2001. 198 p. 43

HEISENBERG, W.Física e Filosofia. Brasília: UnB, 1959/1995. 37

FURTADO, B. A.; SAKOWSKI, P. A. M.; TóVOLLI, M. H. (Ed.).Modelagem de sistemascomplexos para políticas públicas. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, Brasília: IPEA,2015. 436 p. 47

JAPIASSÚ, H.; MARCONDES, D.Dicionário Básico de Filosofia. 5. ed. Edição revista eampliada. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2008. 42

KAHNEMAN, D. Maps of bounded rationality: a perspective on intuitive judgment andchoice.Prize Lecture, The Nobel Prize, 2002. Disponível em: <https://www.nobelprize.org/uploads/2018/06/kahnemann-lecture.pdf>. Acesso em: 3 mar. 2020. 46

MANDELBROT, B.; HUDSON, R. L.The (mis)Behavior of Markets: A fractal view of risk, ruin,and reward. New York: Basic Books, 2004. 33

MARTIN, D.; SPINK, M. J.; PEREIRA, P. P. G. Multiple bodies, political ontologies and thelogic of care: an interview with annemarie mol.Interface - Comunicação, Saúde, Educação,Botucatu, v. 22, n. 64, p. 295. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/1807-57622017.0171>.Acesso em: 2 mar 2020. 45

MITCHELL, M.Complexity: a guided tour. [S.l.]: Oxford University Press, 2009. 366 p. 47

MONTEIRO, L. H. A.Sistemas Dinâmicos. 3. ed. São Paulo: Livraria da Física, 2011. 47

MONTEIRO, L. H. A.Sistemas Dinâmicos Complexos. 2. ed. São Paulo: Livraria da Física,2014. 47

PENROSE, R. et al.O grande, o pequeno e a mente humana. São Paulo: Unesp & CambridgeUniversity Press, 1998. 37

PENTLAND, A.Social Physics: How social network can make us smarter. [S.l.]: PenguinBooks, 2016. 320 p. 47

QUÉTELET, A.Du système social et des lois qui le régissent. Paris: Librairie Guillaumin et Cie(1848) / Hachette Livre BNF (2007), 1848. 32

SHANKAR, R.Principles of Quantum Mechanics. New York, London: Springer, 1994/2011.676 p. 49

SHERMAN, L. W. et al.Evidence-based crime prevention. London, New York: Taylor & FrancisGroup, 2002. 454 p. 41

SILVA, M. O. Políticas ontológicas e o problema da interdisciplinaridade entre ciênciassociais e a sociofísica.Physicae Organum, p. 1”“9, 2019. 39, 40, 44

SILVER, N.O sinal e o ruído: Por que tantas previsões falham e outras não. [S.l.]: PenguinGroup, 2012. 534 p. 46

SOCIOPHYSICS: a personal testimony.Physica A: Statistical Mechanics and its Applications,v. 336, n. 1”“2, p. 49”“55, 2004. Versão gratuita: <https://arxiv.org/pdf/physics/0403122.pdf>.Disponível em: <https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0378437104000329>.31

SORNETTE, D.Why Stock Markets Crash: Critical events in complex financial systems. [S.l.]:Princeton University Press, 2017. 448 p. 46

TALACHIAN, S. Between universalism and particularism: Marx’sconception of reformism in his late thought.Krisis - Journal forcomtemporary philsophy, 2016. Disponível em:<https://krisis.eu/between-universalism-and-particularism-marxs-conception-of-reformism-in-his-late-thought/>. Acesso em: 4 mar. 2020. 46

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

LUIZ E CASTRO, Leonardo; DE OLIVEIRA PAULA, Fábio Luís. O processo de definição de sociofísica e econofísica como campos de estudo. Revista do Professor de Física, [S. l.], v. 4, n. 3, p. 30–51, 2020. DOI: 10.26512/rpf.v4i3.29813. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/rpf/article/view/29813. Acesso em: 24 fev. 2024.