Análise de prescrições de psicofármacos em uma unidade básica de saúde do Distrito Federal

Autores

  • Débora Santos Lula Barros Secretaria de Saúde do Distrito Federal
  • Hylane Luiz Damascena
  • Amanda Rodrigues Gomes
  • Tarcísio Antônio Rodrigues Alencar

DOI:

https://doi.org/10.26512/gs.v14i1.37428

Palavras-chave:

Uso de Medicamentos;, Atenção Primária à Saúde;, Prescrições de Medicamentos;, Psicotrópicos;

Resumo

A atenção primária à saúde é a responsável pela coordenação do cuidado dos usuários e deve estar preparada para solucionar grande parte dos problemas de saúde prevalentes no território. Nesse contexto, este estudo objetivou analisar as prescrições de psicofármacos em uma unidade básica de saúde do Distrito Federal, Brasil. Trata-se de um estudo descritivo, transversal, de coleta de dados secundários oriundos das segundas vias das prescrições dispensadas no mês de novembro de 2019. Foram avaliadas 256 prescrições de psicofármacos, onde 85% são fármacos pertecem à lista C1 da Portaria nº 344/1998 e 15% dos medicamentos fazem parte da lista B1. A forma farmacêutica sólida prevaleceu nas prescrições. É verificada a prescrição frequente dos seguintes medicamentos: fluoxetina, amitriptilina, carbamazepina, ácido valpróico, clonazepam e fenobarbital. Somente uma prescrição continha o nome comercial do medicamento que não fazia parte da relação de medicamentos essenciais do Distrito Federal. O levantamento das informações desse artigo contribui para a compreensão do cenário pela gestão local, assim como colabora para a produção do conhecimento na área de farmacoepidemiologia no âmbito da atenção primária à saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Goularte JF, Serafim SD, Colombo R, Hogg B, Caldieraro MA, Rosa AR. COVID-19 and mental health in Brazil: Psychiatric symptoms in the general population. J Psychiatr Res. 2021 Jan;132:32-37.

Lopes CS, Gomes NL, Junger WL, Menezes PR. Trend in the prevalence of depressive symptoms in Brazil: results from the Brazilian National Health Survey 2013 and 2019. Cad Saude Publica. 2022;38Suppl 1(Suppl 1):e00123421.

Feter N, Caputo EL, Doring IR, et al. Sharp increase in depression and anxiety among Brazilian adults during the COVID-19 pandemic: findings from the PAMPA cohort. Public Health. 2021;190:101-107.

Abi-Ackel MM, Lima-Costa MF, Castro-Costa E, Loyola Filho AID. Uso de psicofármacos entre idosos residentes em comunidade: prevalência e fatores associados. Rev Bras Epidemiol. 2017; 20:57-69.

Costa CMFN, Silveira MR, Acurcio FDA, Guerra Junior AA, Guibu IA, Costa KS et al. Utilização de medicamento pelos usuários da atenção primária do Sistema Único de Saúde. Rev Saúde Pública.2017; 51 (supl. 2):18s.

Pande MNR, Amarante PDC, Baptista TWF. Este ilustre desconhecido: considerações sobre a prescrição de psicofármacos na primeira infância. Ciênc Saúde Coletiva. 2020; 25(6):2305-14.

Lucca JM, Vamsi A, Kurian SJ, Ebi S. A prospective observational study on psychotropic drug use in non psychiatric wards. Indian J Psychiatry. 2019; 61(5):503-507.

Barros DSL, Silva DLM, Leite SN. Serviços farmacêuticos clínicos na atenção primária à saúde do Brasil. Trab Educ Saúde. 2020;18(1):e0024071.

Moreira TA, Alvares-Teodoro J, Barbosa MM, Guerra-Júnior AA, Acurcio FA. Uso de medicamentos por adultos na atenção primária: inquérito em serviços de saúde de Minas Gerais, Brasil. Rev Bras Epidem. 2020; 23: e200025.

Wanderley TC, Cavalcanti AL, Santos S. Práticas de Saúde na atenção primária e uso de psicotrópicos: uma revisão sistemática da literatura. Rev Ciênc Méd Biol. 2013;12(1):121-6.

Secretaria de Saúde do Distrito Federal. Relação de Medicamentos Essenciais do Distrito Federal (REME-DF). 2023. Disponível em: https://www.saude.df.gov.br/reme-df Acesso em: 16 maio 2023.

Molck BV, Barbosa GC, Domingos TS. Psicotrópicos e atenção primária à saúde: a subordinação da produção de cuidado à medicalização no contexto da saúde da família. Interface (Botucatu) 2021; 25:e200129.

16. Silva SN, Lima MG, Ruas CM. Uso de medicamentos nos Centros de Atenção

Psicossocial: análise das prescrições e perfil dos usuários em diferentes modalidades do

serviço. Ciênc Saúde Coletiva. 2020; 25(7):2871-2882.

14. Oliveira JRF, Varallo FR, Jirón M, Ferreira IML, Siani-Morello MR, Lopes VD et al. Descrição do consumo de psicofármacos na atenção primária à saúde de Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública. 2021; 37(1): e00060520.

Barros DSL. Gestão da qualidade em hospitais na pandemia do novo coronavírus. Rev Gestão Saúde. 2021; 12(02):131-43.

Lima MG, Álvares J, Guerra Junior AA, Costa EA, Guibu IA, Soeiro OM et al. Indicadores relacionados ao uso racional de medicamentos e seus fatores associados. Rev Saúde Pública. 2017; 51(Suppl 2):23s.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Denominações Comuns Brasileiras. 2023. Disponível em: https://www.gov.br/anvisa/pt-br/assuntos/farmacopeia/dcb. Acesso em: 16 maio 2023.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 344, de 12 de maio de 1998. Aprova o Regulamento Técnico sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial. 1998. Diário oficial da União, Brasília, 15 mai.1998. Seção 1, p3-27.

Costa CMFN, Silveira MR, Acurcio FDA, Guerra Junior AA, Guibu IA, Costa KS et al. Utilização de medicamento pelos usuários da atenção primária do Sistema Único de Saúde. Rev Saúde Pública.2017; 51 (supl. 2):18s.

12. Bozz GF, Souza IF, Gomes ACM, Kato LC, Silva AP. Análise dos dispositivos legais de prescrições de psicotrópicos em uma drogaria do interior do Paraná. Artigos@. 2021; 26: e5994.

Downloads

Publicado

11-09-2023

Como Citar

1.
Santos Lula Barros D, Luiz Damascena H, Rodrigues Gomes A, Antônio Rodrigues Alencar T. Análise de prescrições de psicofármacos em uma unidade básica de saúde do Distrito Federal. Rev. G&S [Internet]. 11º de setembro de 2023 [citado 24º de setembro de 2023];14(1):37-50. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/rgs/article/view/37428

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa