Interseccionalidade de violências, discriminações e resistências

as trabalhadoras terceirizadas da limpeza e conservação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.2648089

Palavras-chave:

interseccionalidade; trabalhadoras, terceirização; raça; gênero; classe

Resumo

Resumo: É abordada a perspectiva interseccional das categorias gênero, raça e classe neste artigo, a partir do aprofundamento do seu debate teórico transdisciplinar e epistêmico. Recupera-se suas origens, sua elaboração por intelectuais latino-americanas e seu emprego em análise a respeito da presença majoritária de mulheres negras pobres na função terceirizada de limpeza e conservação no setor público e privado, tendo como estudo de caso, a Universidade de Brasília (UnB), no período de 2011 a 2013. O resultado da articulação entre vários sistemas de poder e da integralidade dos marcadores identitários gera o desvendamento de uma dinâmica de inomináveis e invisibilizadas violências e discriminações, as quais complexificam as desigualdades das nossas relações sociais e questionam paradigmas modernos vigentes na teoria social e nas políticas de intervenção. Por fim, remarca-se a dimensão positiva da interseccionalidade, uma vez que formas inesperadas de resistência e enfrentamento emergem no mesmo movimento de opressão e exploração no meio desse grupo de mulheres.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2018-11-14

Como Citar

Almeida, T. M. C. de. (2018). Interseccionalidade de violências, discriminações e resistências: as trabalhadoras terceirizadas da limpeza e conservação. Revista Do CEAM, 4(1), 73-95. https://doi.org/10.5281/zenodo.2648089