Por uma dimensão política do sentido nas investigações do turismo

uma conversa entre Paul Ricoeur e Boaventura de Sousa Santos

DOI:

https://doi.org/10.26512/revistacenario.v9i1.34994

Resumo

Este texto expõe uma reflexão preliminar, apoiada na tríplice mimese, de Paul Ricoeur e o processo de tradução, de Boaventura Sousa Santos, como uma proposta teórico-metodológica para as investigações de produção de sentido. Sendo o turismo um fenômeno complexo e em constante transformação, seguimos pelo campo da hermenêutica, entendendo que o discurso revela o conhecimento que o sujeito tem do mundo, em um ato narrativo compreendido pela prefiguração, configuração e refiguração. Combinamos ao tempo de refiguração o processo de tradução, sendo este um procedimento interpretativo, que visa identificar as aporias, as aproximações e distanciamentos das práticas de modo a identificar as possibilidades e os limites de articulação para a criação de zonas de contato entre os diferentes discursos e saberes. Dessa forma, por meio do arco hermenêutico, buscamos demonstrar como as experiências produzidas no turismo podem ser ampliadas se nos comprometermos em uma reconfiguração por meio da lógica da tradução.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Almeida, Frederico Soares. (2013). A passagem da fenomenologia para a hermenêutica filosófica no pensamento de Paul Ricoeur. Pensar - Revista Eletrônica da FAJE, 4(2), 157-187. Recuperado de https://faje.edu.br/periodicos/index.php/pensar/article/view/2556

Araújo, Raniery Silva Guedes de & Godoy, Karla Estelita. (2016). O Turismo como fenômeno sociocultural: reflexões para além da atividade econômica. Anais do Seminário da Associação Nacional de Pós-Graduação em Turismo, São Paulo, SP, Brasil, 13. Recuperado de https://www.anptur.org.br/anais/anais/files/13/472.pdf

Barbosa, Marinalva. (2006). O filósofo do sentido e a comunicação. Conexão ”“ Comunicação e Cultura, 5(9), 139-149. Recuperado de http://www.ucs.br/etc/revistas/index.php/conexao/article/viewFile/209/200

Barretto, Margarita. (2003). O imprescindível aporte das ciências sociais para o planejamento e a compreensão do turismo. Horizonte Antropológico, 9(20), 15-29. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-71832003000200002

Bourdieu, Pierre. (1989). O poder simbólico. Lisboa: Bertrand.

Castañeda, A. E. A. (2015). La experiencia existencial como modo de interpretación del turismo. Revista Hospitalidade, 12(2), 586-599. Recuperado de https://www.revhosp.org/hospitalidade/article/view/598/677

Enne, Ana Lúcia S. (2004). Memória, identidade e imprensa em uma perspectiva relacional. Revista Fronteiras ”“ estudos midiáticos, 6(2), 101-116. Recuperado de http://revistas.unisinos.br/index.php/fronteiras/article/view/6594

Gaxiola, Napoleón Conde. (2008). ¿Es posible una teoria hermeneútica dialéctica em el estudio del turismo? Teoría y Praxis, 5, 197-211. Recuperado de http://www.teoriaypraxis.uqroo.mx/doctos/Numero5/Conde.pdf

Halbwachs, Maurice. (1990). A memória coletiva. São Paulo: Vértice.

Krenak, Ailton. (2019). Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras.

Foucault, Michel. (2014). A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970 (24a ed). São Paulo: Edições Loyola.

Lohmann, Guilherme & Panosso, Alexandre Netto. (2012). Teoria do turismo: Modelos, conceitos e sistemas (2a ed). São Paulo: Aleph.

Oliveira, Ohana Boy. (2015). “O QUE O MUNDO SEPARA, O ESQUENTA! JUNTA?”: como representações e mediações ambivalentes configuram múltiplos territórios. (Dissertação de mestrado). Universidade Federal Fluminense ”“ UFF, Niterói, RJ, Brasil. Recuperado de https://130207df-6276-4373-bab9-9a84a3620549.filesusr.com/ugd/bba3f8_9731e350d5b64421a95b60ff8efd8655.pdf

Panosso, Alexandre Netto & Nechar, Marcelino Castillo. (2014). Epistemologia do turismo: escolas teóricas e proposta crítica. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 8(1), 120-144. Recuperado de https://rbtur.org.br/rbtur/article/view/719

Pollak, Michael. (1989). Memória, Esquecimento e Silêncio. Estudos Históricos, 2(3), 3-15. Recuperado de http://www.uel.br/cch/cdph/arqtxt/Memoria_esquecimento_silencio.pdf

Pollak, Michael. (1992). Memória e Identidade Social. Estudos Históricos, 5(10), 200-212. Recuperado de http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/1941/108

Ricoeur, Paul. (1994). Tempo e narrativa (tomo 1). Campinas: Papirus.

Santos, Boaventura de Sousa. (2002). Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. Revista Crítica de Ciências Sociais, 63, 237-280. Recuperado de https://journals.openedition.org/rccs/1285#quotation

Souza, Carolina & Moraes, Francilaine. (2019). Tríplice mimese de Ricoeur: modelo metodológico aplicado em narrativas sobre peregrinações. Anais do Congresso Ibero-Americano de Investigação Qualitativa, Lisboa, Portugal, 3. Recuperado de https://proceedings.ciaiq.org/index.php/CIAIQ2019/article/view/1986

Velho, Gilberto. (1994). Memória, identidade e projeto. In: Velho, Gilberto. Projeto e metamorfose: Antropologia das sociedades complexas. (pp. 97-105). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editores, 1994.

Downloads

Publicado

2021-01-29

Como Citar

Por uma dimensão política do sentido nas investigações do turismo: uma conversa entre Paul Ricoeur e Boaventura de Sousa Santos. (2021). Cenário: Revista Interdisciplinar Em Turismo E Território, 9(1), 56–67. https://doi.org/10.26512/revistacenario.v9i1.34994

Edição

Seção

Artigos