Sou consumidor

percepção de consumidores cegos em restaurantes de um shopping de Brasília (DF)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/revistacenario.v8i15.28979

Resumo

O presente artigo pretende demonstrar como as pessoas com deficiência visual enfrentam diversas dificuldades para exercer o seu papel enquanto consumidores, em um sistema que parece desprezar o seu potencial de consumo. A análise da situação é feita sob a luz da Lei Federal 13.146/2015, e das Leis Distritais 3.634/2005 e 4.317/2009. O seu objetivo é analisar a importância da percepção das pessoas cegas quanto ao ambiente de consumo e sobre a qualidade do atendimento oferecido nos restaurantes do shopping Conjunto Nacional, em Brasília. A investigação é de natureza qualitativa, foram realizadas entrevistas com consumidores cegos seguida da análise de discurso. Os resultados mostram a insatisfação dos consumidores com deficiência visual com a falta de preparo dos atendentes e a inadequação dos estabelecimentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Raquel Rodrigues Gonçalves Curado, Instituto Federal de Brasília

Tecnóloga em Eventos (Instituto Federal de Brasília). ORCID https://orcid.org/0000-0001-8462-1661

E-mail: raquelrodriguescurado@gmail.com

André Luiz Mendes Araújo, Instituto Federal de Brasília

Tecnólogo em Eventos (Instituto Federal de Brasília) ORCID Id https://orcid.org/0000-0003-0777-3623. E-mail: luizmendez@gmail.com

Referências

Ad code (2019). Ferramenta AD Code Universidade de Brasília - UNB Edifício do CDT - Sala 36/37- Asa Norte - Brasília-DF. Recuperado de https://www.adcode.com.br/?pag=1000

Almeida, I. B. M. S. S., Lucian, R. & Abreu, N. (2018). Sensorial merchandising: um eTemperimento no varejo de moda para inclusão de consumidores cegos. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 8, n.1, p. 126-148. Recuperado de https://www.regepe.org.br/regepe/article/view/983

Bardin, L. (2011) L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Baker, S., Stephens, D., and Hill, R. (2002), “How can retailers enhance accessibility: giving

consumers with visual impairments a voice in the marketplace”, Journal of Retailing and

Consumer Services, Vol. 9, pp.227-239.

Brasil (2015). Abnt/Nbr 9050. Associação Brasileira de Normas técnicas. Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro.

Brasil (2015). Lei 13.145/2015. Lei brasileira de Inclusão da pessoa com deficiência. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015- 2018/2015/Lei/L13146.htm.

Cavalcante, R. B., Calixto, P., & Pinheiro, M. M. K. (2014). Análise de Conteúdo: considerações gerais, relações com a pergunta de pesquisa, possibilidades e limitações do método. Informação & Sociedade: Estudos, 24 (1), p. 13-18. Recuperado de https://periodicos.ufpb.br/index.php/ies/article/view/10000

Codeplan (2018). Companhia de planejamento do Distrito Federal. Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios - PDAD 2018. Recuperado de http://www.codeplan.df.gov.br/wp-content/uploads/2019/03/PDAD_DF-Grupo-de-Renda-compactado.pdf

Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (2011). Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência: Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência: decreto legislativo nº 186, de 09 de julho de 2008: decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009. -- 4. ed., rev. e atual. ”“ Brasília: Secretaria de Direitos Humanos, Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência.

Distrito Federal (2005). Lei Distrital 3.634/2005. Dispõe sobre a adequação dos cardápios de restaurantes e similares à linguagem braile. Recuperado de http://www.sinj.df.gov.br/sinj/Norma/51561/Lei_3634_28_07_2005.html

Distrito Federal (2005).Lei Distrital 4.317/2009. Institui a Política Distrital para Integração da Pessoa com Deficiência, consolida as normas de proteção e dá outras providências. Recuperado de http://www.sinj.df.gov.br/sinj/Norma/60186/Lei_4317.html

Domingos, A. F. F. (2018). A utilização de equipamentos e sistemas por pessoas com deficiência visual. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Belas Arte, Universidade de Lisboa). Recuperado de https://repositorio.ul.pt/handle/10451/35017

Duarte, D.C. & Pereira, J. C. R. (2017). Acessibilidade para Pessoas com Deficiência Visual: um Levantamento Preliminar nos Setores Hoteleiros Sul e Norte de Brasília. Revista Cenário, Brasília, v.5, n.9, p. 64 ”“ 82.

Faria, M D.& Motta, P. C. (2012) Pessoas com Deficiência Visual: Barreiras para o lazer turístico. Brasil, Revista Turismo em Análise, v. 23, n. 3, p. 691-717.

Faria, M. D., Ferreira da Silva, J. and Brantes Ferreira, J. (2012), "The visually impaired and consumption in restaurants", International Journal of Contemporary Hospitality Management, Vol. 24 No. 5, pp. 721-734. Recuperado de https://doi.org/10.1108/09596111211237264

Jung, T. M. A. (2009). Deficiência visual e o mundo do trabalho: mitos e verdades. São Paulo: Fundação Dorina Nowill para Cegos, p.13-14.

Lima, L.B.B M.; Santos, D. S.; Lima, A. da C.(2016). City tour for visual disabilities in Aracaju, Sergipe, Brazil. Spring Symposium on Challenges in Sustainable Tourism Development, Gran Canaria Island, Spain.

Santos, I. E. dos (2013) Manual de métodos e técnicas de pesquisa científica. Niterói, RJ: Impetus.

Schneider, J., Ramirez, A. R. G. & Célio O, T. (2017). Etiquetas têxteis em braile: uma tecnologia assistiva a serviço da interação dos deficientes visuais com a moda e o vestuário. Revista Estudos em Design, v.25, n. 1, p.68-85. Recuperado de https://estudosemdesign.emnuvens.com.br/design/article/view/435

Silva, I. C. & Leal, S. R. (2011) Acessibilidade: visita técnica a três dos melhores restaurantes de Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. Revista Turismo & Sociedade. Curitiba, v. 4, n. 2, p. 343-362. Recuperado de https://revistas.ufpr.br/turismo/article/viewFile/24767/16605

Downloads

Publicado

2020-10-27

Como Citar

Lima, L., Rodrigues Gonçalves Curado, R. ., & Mendes Araújo, . A. L. . (2020). Sou consumidor: percepção de consumidores cegos em restaurantes de um shopping de Brasília (DF). Cenário: Revista Interdisciplinar Em Turismo E Território, 8(15), 64–77. https://doi.org/10.26512/revistacenario.v8i15.28979

Edição

Seção

Artigos