BRENDA LEE

A luta e representatividade das mulheres trans no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21057/10.21057/repamv15n1.2021.37524

Palavras-chave:

Contribuição social, Marginalização, Visibilidade, Decolonialidade

Resumo

Pretendemos, com essa pesquisa de cunho ensaístico e de opção decolonial, abordar a história de Brenda Lee, bem como sua representatividade e relevância social para as mulheres trans, dentre elas travestis, transexuais entre outros. Ela é um marco para a causa trans, uma vez que o Estado é ineficiente em amparo e políticas públicas para esse grupo frequentemente marginalizado. Logo, identificando a problemática da marginalidade e a epidemia de HIV, será refletido sobre a significância do amparo da Brenda Lee às mulheres trans vulneráveis. A metodologia utilizada será quali-quantitativa, sendo utilizada análise por meio dedutivo, empregando a revisão bibliográfica e instrumento de coleta de dados para a seleção da bibliografia e aprofundada com uma perspectiva contextual histórica, destacando, a ineficácia estatal em assistência as mulheres trans vulneráveis, transferindo sua responsabilidade de proteção e amparo as casas de apoio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Renato de Oliveira Dering, Centro Universitário de Goiás - UNIGOIÁS

Professor Adjunto no Centro Universitário de Goiás – UNIGOIÁS. Doutor em Letras e Linguística pela Universidade Federal de Goiás (UFG), Mestre em Letras pela Universidade Federal de Viçosa (UFV) e Licenciado em Letras – Língua Portuguesa pela UFG. Coordenador do Projeto de Iniciação Científica (PIC) “Estudos decoloniais da linguagem, educação e do direito: letramentos e práticas interculturais” e Líder-pesquisador do grupo FORPROLL/CNPq/UFVJM.

Cassira Lourdes de Alcântara Dias Ramos Jubé, Centro Universitário de Goiás - UNIGOIÁS

Professora Assistente no Centro Universitário de Goiás – UNIGOIÁS. Mestra em Direitos Humanos pela Universidade Federal de Goiás (UFG), Especialista em Docência Universitária pela Universidade Estadual de Goiás (UEG) e em Direitos Humanos, pela Academia da Polícia Militar de Goiás (APMGO), Bacharela em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUCGOIÁS). Coordenadora do Projeto de Iniciação Científica (PIC) “Minorias e Representatividade”.

Brendaly Santos de Freitas Januário, Centro Universitário de Goiás – UNIGOIÁS

Acadêmica do Curso de Direito do Centro Universitário de Goiás – UNIGOIÁS. Participante do Projeto de Iniciação Científica: “Minorias e Representatividade”.

Referências

ALMEIDA, Eliene Amorin de; SILVA, Janssen Felipe da. Abya Yala Como Território Epistêmico: Pensamento Decolonial Como Perspectiva Teórica. Interritórios - Revista de Educação Universidade Federal de Pernambuco Caruaru, Brasil, v.1, n.1, 2015, p. 42-64.

BENEVIDES, Bruna; NOGUEIRA, Sayonara. BOLETIM Nº 04/2020 - 01 de janeiro a 31 de agosto de 2020 -Assassinatos Contra Travestis e Transexuais Brasileiras em 2020. Rio de Janeiro, n. 04, jan., 2020. Disponível em: https://antrabrasil.files.wordpress.com/2020/09/boletim-4-2020-assassinatos-antra-1.pdf. Acesso em: 29 ago. 2020.

______. Dossiê dos assassinatos e da violência contra travestis e transexuais brasileiras em 2019. São Paulo. Disponível em: https://antrabrasil.files.wordpress.com/2020/01/dossic3aa-dos-assassinatos-e-da-violc3aancia-contra-pessoas-trans-em-2019.pdf. Acesso em: 29 de agosto 2020.

BENTO, Berenice Alves de Melo. O que é transexualidade. 2 ed. São Paulo: Brasiliense, 2008.

BRASIL. Lei 11.340, de 7 de Agosto de 2006. Brasília, DF: Presidência da República, [2006].Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm. Acesso em: 02 dez. 2020.

______. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [1988]. Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em 02 dez. 2020.

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade; tradução Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2003.

CAMARGO, Ana Maria Faccioli de. Historia de vida: a AIDS e a sociedade contemporanea. 1991. 2v. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, SP. Disponível em: http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/252965. Acesso em: 08 dez. 2020.

FINK, Bruce. O sujeito lacaniano. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 1998.

FEITAS, Jones de (Trad.). Princípios de yogyakarta: princípios sobre a aplicação da legislação internacional de direitos humanos em relação à orientação sexual e identidade de gênero. jul. 2007. Disponível em: http://www.dhnet.org.br/direitos/sos/gays/principios_de_yogyakarta.pdf. Acesso em 15 ago. 2020.

GALVÃO, Jane. As respostas das organizações não governamentais brasileiras frente à epidemia de HIV/AIDS. Em: Parker R, ed. Políticas, instituições e Aids: enfrentando a epidemia no Brasil. Rio de Janeiro: Zahar/ABIA, 1998. p. 92.

HABERMAS, Jürgen. A inclusão do outro: estudos de teoria política/ Jürgen Habermas; traduzido por Denilson Luís Werle. – São Paulo: Editora Unesp, 2018.

REZENDE, Tânia Ferreira; SILVA, Daniel Marra da. Desobediência linguística: por uma epistemologia liminar que rasure a normatividade da língua portuguesa. Revista Porto das Letras, v. 04, n. 01. 2018b, pp. 174-202.

RIBEIRO, Djamila. O que é: lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento: Justificando, 2017.

Downloads

Publicado

2021-11-09

Como Citar

de Oliveira Dering, R., Lourdes de Alcântara Dias Ramos Jubé, C., & Santos de Freitas Januário, B. (2021). BRENDA LEE: A luta e representatividade das mulheres trans no Brasil. Revista De Estudos E Pesquisas Sobre As Américas, 15(1), 128–142. https://doi.org/10.21057/10.21057/repamv15n1.2021.37524