A A MEDIDA DE SEGURANÇA NO DIREITO PENAL BRASILEIRO: CONSTITUIÇÃO, FORMA E CRÍTICA

CONSTITUTION, CONDITION AND CRITICS

Autores

  • Sara Assis Aquino Universidade de Brasília
  • Rogério Bontempo Cândido Gontijo Universidade de Brasília

Palavras-chave:

Medida de segurança, Histórico. Premissas teóricas. Repercussões práticas.

Resumo

A medida de segurança, enquanto forma de aprisionamento sui generis, permanece em descompasso com relação aos direitos e garantias previstas pela Constituição Federal de 1988 e com as novas diretrizes desinstitucionalizantes propostas pela Lei n. 10.216/2001 (Lei da Reforma Psiquiátrica). Por isso, é preciso entender a concepção de tal instituto, sua evolução e os problemas enfrentados, hoje, para que haja uma implementação que respeite minimamente os direitos do paciente com sofrimento mental. Assim, o presente artigo propõe um debate sobre a história das ideias criminológicas e da dogmática que culminaram com as medidas de segurança disciplinadas pelo Código Penal  e pela Lei de Execução Penal, de modo a propiciar a identificação das fragilidades e a proposição de críticas a essa modalidade de sanção. Com isso, após a apresentação da evolução epistemológica, apresenta-se os componentes controversos e se propõe reflexão sobre os aspectos de legitimação e funcionalidade das medidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ANDRADE, Vera Regina Pereira. Flagrando a ambiguidade da dogmática penal com a lupa criminológica: que garantismo é possível do compasso criminologia ”“ penalismo crítico?. In. Revista Sequência, nº 59, p. 161-192, dez. 2009.

BARROS-BRISSET, Fernanda Otoni de. Genealogia do conceito de periculosidade. Responsabilidades: Revista Interdisciplinar do Programa de Atenção Integral ao Paciente Judiciário ”“ PAI-PJ. Belo Horizonte, p. 37-52, 2011.

BARATTA, Alessandro. Criminologia Crítica e Crítica do Direito Penal: introdução à sociologia do direito penal. 6ª ed., Rio de Janeiro: Editora Revan: Instituto Carioca de Criminologia, 2011.

BECCARIA, Cesare. Dos delitos e das penas. São Paulo: Editora Martin Claret, 2000.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. 1988.

________. Decreto-Lei nº 2.848. “Código Penal”. 1940.

________. Decreto-Lei nº 3.689. “Código de Processo Penal”. 1941.

________. Lei nº 10.216. “Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental”. 2001.

________. Superior Tribunal de Justiça. Recurso em Habeas Corpus (RHC) nº 3323. Relator Ministro Flaquer Scartezzini, julgado em 07.03.1994.

________. Supremo Tribunal Federal. Habeas Corpus (HC) nº 84219. Relator Ministro Marco Aurélio, julgado em 16.08.2005.

BITENCOURT, Cezar Roberto. Tratado de direito penal: parte geral 1. 23 ed. rev., ampl. e atual. São Paulo: Saraiva, 2017.

CAETANO, Haroldo. Loucura e direito penal: pistas para a extinção dos manicômios judiciários. Tese (doutorado). Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2018.

CARVALHO, Salo de. Penas e medidas de segurança no direito penal brasileiro: fundamentos e aplicação judicial. São Paulo: Saraiva, 2015.

CARVALHO NETTO. Menelick de. A hermenêutica constitucional sob o paradigma do estado democrático de direito. In: OLIVEIRA, Marcelo Andrade Cattoni de (coord.). Jurisdição e hermenêutica constitucional no estado democrático de direito. Belo Horizonte: Mandamentos, 2004.

CONSELHO NACIONAL DE POLÃTICA CRIMINAL E PENITENCIÁRIA. Resolução n. 4, de 30 de julho de 2010. Dispõe sobre as Diretrizes Nacionais de Atenção aos Pacientes Judiciários e Execução da Medida de Segurança. D.O.U. Brasília, 2 ago. 2010.

FERRARI, Eduardo Reale. Medidas de Segurança e Direito Penal no Estado Democrático de Direito. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2001.

FOUCAULT, Michel. Loucura, literatura e psicologia. In: MOTTA, Manoel Barbosa (Org.). Problematização do sujeito: psicologia, psiquiatria e psicanálise. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

GARGARELLA, Roberto. Difi cultad, inutilidad y necesidad de la reforma constitucional. In. GARGARELLA, Roberto (coord). Teoría y

Crítica del Derecho, tomo I, p. 521-530. Ed. Abeledo-Perrot, Buenos Aires, 2009.

HASSEMER, Winfried. Direito penal libertário. Belo Horizonte: Del Rey, 2007.

JACOBINA, Paulo Vasconcelos. Direito penal da loucura e reforma psiquiátrica. Brasília: ESMPU, 2008.

OLIVÉ, Juan Carlos Ferré et al. Direito penal brasileiro: parte geral: princípios fundamentais e sistema. 2ª edição. São Paulo: Saraiva, 2017

PRADO, Alessandra Mascarenhas; SCHINDLER, Danilo. A medida de segurança na contramão da Lei de Reforma Psiquiátrica: sobre a dificuldade de garantia do direito à liberdade a pacientes judiciários. Revista Direito GV, São Paulo, v. 13, n. 2, p. 628-652, Agosto,

PRANDO, Camila Cardoso de Mello. O saber dos juristas e o controle penal: o debate doutrinário na Revista de Direito Penal (1933-1940) e a construção da legitimidade pela defesa social. Tese de doutorado. Universidade Federal de Santa Catarina ”“ UFSC. Programa de Pós-Graduação em Direito. Florianópolis: UFSC, 2012.

ROXIN, Claus. Problemas fundamentais de direito penal. 2ª edição. Lisboa: Vega, 1993.

SHECAIRA, Sérgio Salomão. Criminologia. 8 ed., rev., atual. e ampl. São Paulo: Thomson Reuters Brasil, 2020.

TAVARES, Juarez. Culpabilidade e individualização. In: BATISTA, Nilo; NASCIMENTO, André. (Orgs.). Cem anos de reprovação: Uma contribuição transdisciplinar para a crise da culpabilidade. Rio de Janeiro: Revan, p. 121-151, 2011.

ZAFFARONI, E. Raúl; BATISTA, Nilo et al. Direito penal brasileiro, volume 2, tomo 2. 1 ed. Rio de Janeiro: Revan, 2017.

Downloads

Publicado

20-11-2020

Como Citar

AQUINO, S. A.; BONTEMPO CÂNDIDO GONTIJO, R. . A A MEDIDA DE SEGURANÇA NO DIREITO PENAL BRASILEIRO: CONSTITUIÇÃO, FORMA E CRÍTICA: CONSTITUTION, CONDITION AND CRITICS. Revista dos Estudantes de Direito da Universidade de Brasília, [S. l.], v. 1, n. 18, 2020. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/redunb/article/view/30767. Acesso em: 27 mar. 2023.