MARECIDADE

o Museu da Maré e a memória das favelas cariocas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18830/issn.1679-0944.n33.2022.02

Palavras-chave:

museu da Maré, memória, resistência social, práticas museais

Resumo

As representações negativas associadas às favelas trouxeram evidentemente questionamentos quanto à reflexão histórica sobre esses lugares e, pior, silenciou a memória de seus moradores. O presente artigo pretende analisar a formação do Museu da Maré. Para além de guardar memórias, esse Museu busca ressignificá-las, estimulando o olhar crítico dos próprios moradores e de visitantes. O termo marecidade expressa a noção que os resíduos de memória levantados pelo Museu da Maré trazem um novo projeto de cidade, rompendo dicotomias e oposições no intuito de tecer novas utopias urbanas. Através de entrevistas com seis lideranças, o artigo analisa, em primeiro lugar, a formação de uma política de memória através da consolidação da museologia social, em seguida, o processo de formação de museus em favelas e, finalmente, o projeto Museal do Museu da Maré e seus desdobramentos políticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Carlos Augusto Baptista, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Centro de Ciências Sociais e Departamento de Serviço Social

Bacharelado em Serviço Social (UNESA) e mestre em Serviço Social (Puc-Rio). Colaborador do Laboratório de Estudos Urbanos e Socioambientais (LEUS-Puc-Rio). Ganhador do Prêmio FUNARTE de arte negra (2013) e do Prêmio Palmares de comunicação Minc/Fundação Palmares/Unb-2005.  Cantor, compositor e produtor musical com seis álbuns lançados. Fundador da banda Caixa Preta de Jongo contemporâneo, compõe e participa da banda Black Rio e é produtor musical do projeto infantil Trans-mídia “A Turma de Nana e Nilo”.  

Rafael Soares Gonçalves, Pontifícia Universidade Católica-Rio, Centro de Ciências Sociais e Departamento de Serviço Social

Advogado e historiador. Doutor em História e Civilização pela Université de Paris Diderot. Pós-doutor em Antropologia pela École des Hautes Études en Sciences Sociales. Professor associado do Departamento de Serviço Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Pesquisador de produtividade do CNPq (1D) e Cientista do Nosso Estado da FAPERJ. Coordenador do Laboratório de Estudos Urbanos e Socioambientais (LEUS) e editor científico da revista O Social em Questão.

Referências

ABREU, Regina. Vozes dissonantes da cidade-espelho da nação: o Rio de janeiro ressignificado sob as lentes da favela no século XXI. In COSTA, Frederico Lustosa e ZAMOT, Fuad (org). Rio de Janeiro: uma cidade, muitas capitais. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010. p.121-142

ARAÚJO, Helena Maria Marques. “Museu da Maré: entre educação, memórias e identidades”, Boletim do Museu Paranaense Emílio Goeldi, v. 12, nº 3, 2017, p.939-949.

BAPTISTA, Carlos Augusto. Resistência e memória contra-hegemônica: um estudo sobre a luta de permanência do Museu da Maré, dissertação de mestrado em Serviço Social, Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2020.

BRUM, Mario, “Irregular, ilegal e anormais”: O estigma como política de Estado e a remoção de favelas no Rio de Janeiro pela CHISAM (1968-1973)”, Revista do Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, n.4, 2010, p.97-107.

CARDOSO, Joaquim. Arquitetura popular no Brasil, Revista Módulo Brasil Arquitetura, nº5, 1956, p.20-23.

CHAGAS, Mário de Souza. “A radiosa aventura dos museus”. In Vera Dodebei e Regina Abreu (orgs.), E o patrimônio? Rio de Janeiro: Contra Capa / Programa de Pós-Graduação em Memória Social da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. 2008. p.113-123.

CHAGAS, Mario e ABREU, Regina. “Museu da Maré: memórias e narrativas a favor da dignidade social”, Revista Musas, nº3, 2007, p.130-152

CHAGAS, Mario; ASSUNÇÃO, Paula e GLAS, Tamara. “Museologia social em movimento”, Cadernos do CEOM, nº41, 2014, p.429-436.

CHAGAS, Mario; PRIMO, Judith; ASSUNÇÃO, Paula e STORINO, Claudia. “A museologia e a construção de sua dimensão social: olhares e caminhos”, Cadernos de Sociomuseologia, vol.55, nº11, 2018, p.73-102.

FREIRE-MEDEIROS, Bianca. “Favela como patrimônio da cidade? Reflexões e polêmicas acerca de dois museus”, Estudos Históricos, nº 38, 2006, p.49-66.

DODEBEI, Vera. “Digital virtual: o patrimônio no século XXI” in DODEBEI, Vera e ABREU, Regina (Orgs). E o Patrimônio?, Rio de Janeiro: Contra Capa/ Programa de Pós-graduação em Memória Social Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, 2008.

GONÇALVES, Rafael Soares. Favelas de Rio de Janeiro: Historia y Derecho. Bogotá: Ediciones Javeriana, 2018.

GONÇALVES, Rafael Soares. Desafio de arquivar documentos sobre os bairros informais: as favelas cariocas e seus arquivos in Kouamé, Nathalie, Meyer, Éric P. e Viguier, Anne, Encyclopédiedes Historiographies : Afriques, Amériques, Asies, Paris: Presses de l” INALCO, 2020, p. 436-439.

GONÇALVES, Rafael Soares; AMOROSO, Mauro e BRUM, Mário. “Serviço Social, habitação e direito à cidade: favelas, subúrbios, periferias e assentamentos informais”, Libertas, vol. 15, no 2, 2015, p. 1 4.

GONÇALVES, Rafael Soares e MACIEL, Glaucio Glei. Covid 19 e as formas de resistência social nas favelas cariocas. In MAGALHÃES, Alex Ferreira; CORRÊA, Claudio Franco; VALIM, Morgana Paiva e RASGA, Mariana de Freitas. Cidades: Dilemas, desafios e perspectivas. Rio de Janeiro: Universidade Veiga de Almeida, 2020.

GOUVEIA, Inês e PEREIRA, Marcelle. “A emergência da Museologia Social”, Políticas Culturais em Revista, v. 9, nº2, 2016, p.726-745.

HARRINGTON, M. 1963. La Cultura de la pobreza en los Estados Unidos. Fondo de Cultura económica: Mexico.

IDEG (Instituto de Desenvolvimento da Guanabara). A interpenetração das áreas faveladas e áreas industriais no estado da Guanabara. Rio de Janeiro: Ideg, 1968.

LEWIS, Oscar, 1972. La cultura de la pobreza. Barcelona: Editorial Anagrama.

POETS, Desirée. Curating against militarization: the politic soflife in Rio de Janeiro’s Museu da Maré, Critical Military Studies, nº6, 2020, p.397-413.

POGGIESE, Hector. "Urbanização e propriedade da terra nas favelas do projeto Rio", Revista Brasileira de Planejamento, vol. 8, n° 15-16, 1985, p.53-76.

PORTILHO, Aline dos Santos. “Deslizamentos entre campo intelectual e campo político na produção da museologia social como objeto de política de governo no Brasil (2003 – 2009)” in Anais do XXVIII Simpósio Nacional de História, Florianópolis, 2015.

PORTILHO, Aline dos Santos. Das “belezas que emanam dos jardins suspensos de Ipanema e Copacabana”: políticas governamentais, demandas por memória e produção do espaço no Museu de Favela do Pavão-Pavãozinho e Cantagalo, Tese de doutorado em História, Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil da Fundação Getúlio Vargas, 2016.

SANTOS, Caroline Rocha dos. Entre o reconhecimento e a estigmatização da favela: um estudo de caso sobre a regularização fundiária do Morro do Timbau, Dissertação de mestrado em Direito, Programa de Pós-graduação em Direito: UERJ, 2015.

SILVA, Claudia Rose Ribeiro da. Maré: a invenção de um bairro. Dissertação (Mestrado Profissional em Bens Culturais e Projetos Sociais) - FGV - Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 2006.

SILVA, Claudia Rose Ribeiro da e PEREGRINO, Miriane da Costa, “Experiências de ações educativo-comunitárias no Museu da Maré”, Revista História Hoje, vol. 3, nº 6, 2014, p.150-180.

SILVA, Sandra Monarcha Souza e. Espaço e Favela: o projeto Rio e a favela da Maré. Dissertação de Mestrado. IPPUR/UFRJ. Rio de Janeiro. 1984.

VILLAR, O. M.; LAFOY, P. de la P.; URIBE-ECHEVARRÍA, F., La Marginalidad Urbana: Origen, proceso y modo. Resultados de una encuesta en poblaciones marginales del Gran Santiago. Buenos Aires: DESAL, 1970.

Downloads

Publicado

2022-08-26

Como Citar

Baptista, C. A. ., & Gonçalves, R. S. (2022). MARECIDADE: o Museu da Maré e a memória das favelas cariocas. Paranoá, 1(33), 1–17. https://doi.org/10.18830/issn.1679-0944.n33.2022.02

Edição

Seção

Edição Temática Cidades em disputas: histórias, memórias, práticas do/no espaço