Colonos, imigrantes, estrangeiros, refugiados e portadores de visto humanitário: os fluxos migratórios em direção ao Brasil no período republicano a partir das categorizações jurídicas

Autores

  • Aline Passuelo

Palavras-chave:

Estado brasileiro., Legislação migratória., Categorizações jurídicas., Imigrantes., Refugiados.

Resumo

Este artigo é parte de uma pesquisa doutoral cujo argumento é centrado
em como o Estado, através de suas legislações, políticas, posicionamentos
públicos e interação com as populações nacionais e migrantes, constrói
os indivíduos em deslocamento internacional. O objetivo deste artigo foi
reconstituir as legislações produzidas no período republicano brasileiro
com vistas a categorizar juridicamente os imigrantes que ingressaram no
território nacional em diferentes contextos. O recorte temporal analisado
inicia com a Proclamação da República (1889) até o início da vigência da
Lei 13.445/2017. Foi realizada uma análise das legislações sobre o tema
que vigoraram no período, além da utilização de pesquisas históricas. As
categorizações jurídicas imputadas pelas legislações vigentes cumpriram o
papel de reafirmar o posicionamento do Estado: a regularização com vistas a
etiquetar e controlar as populações em deslocamento internacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Apostovla, Raia (2015a). Of refugees and migrants: stigma, politics, and

boundary work at the borders of Europe. American Sociological Association

Newsletter, 14. Disponível em: https://asaculturesection.org/2015/09/14/of-

refugees-and-migrants-stigma-politics-and-boundary-workat-the-borders-

of-europe/. Acesso em: 20 out 2018.

Apostovla, Raia (2015b). Economic vs. political: violent abstractions in Europe’s

refugee crisis. Focaal Blog, 10. Disponível em: https://www.focaalblog.

com/2015/12/10/raia-apostolova-economic-vs-political-violent-abstractions-

in-europes-refugee-crisis. Acesso em: out. 2018.

Baeninger, Rosana e Peres, Roberta (2017). Migração de crise: a migração

haitiana para o Brasil. Revista Brasileira de Estudos de População. Belo

Horizonte, 34(1). 119-143. DOI:https://doi.org/10.20947/S0102-3098a0017.

Barroso, Márcia Regina Castro (2016). Ações e representações institucionais:

imigrantes no Brasil na década de 50. Em 40o Encontro da ANPOCS, GT 14.

Caxambu. Disponível em: https://www.anpocs.com/index.php/papers-40-

encontro-2/gt-30/gt16-26/10746-acoes-e-representacoes-institucionais-

imigrantes-no-brasil-na-decada-de-1950/file. Acesso em: nov. 2018.

Bonfá, Rogério Luis Giampietro (2008). As expulsões de estrangeiros e o conflito

entre o executivo e o judiciário na Primeira República. Dissertação (Mestrado em

História). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Universidade Estadual de

Campinas. Campinas.

Brasil. Decreto n. 58-A, de 14 de dezembro de 1889. Providencia sobre a

naturalização de estrangeiros residentes na República. Disponível em: http://

www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1851-1899/D0058A.htm. Acesso em:

fev. 2017.

Brasil. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil de 24 de fev. 1891. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/

Constituicao91.htm. Acesso em: 2 fev. 2017.

Brasil. Decreto n. 4.247 de 6 de janeiro de 1921. Regula a entrada de

estrangeiros em território nacional. Disponível em: https://www2.camara.

leg.br/legin/fed/decret/1920-1929/decreto-4247-6-janeiro-1921-568826-

publicacaooriginal-92146-pl.html. Acesso em: 2 fev. 2017.

Brasil. Decreto n. 16.761 de 31 de dezembro de 1924. Proíbe a entrada no

território nacional de imigrantes (passageiros de 2a e 3a classe) nos casos e

condições previstos nos arts. 1o e 2o da lei n. 4.247, de 6 de janeiro de 1921.

Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1920-1929/

decreto-16761-31-dezembro-1924-503902-republicacao-88581-pe.html

Acesso em: 2 fev. 2017.

Brasil. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil de 16 de julho

de 1934. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/

Constituicao34.htm. Acesso em: 2 fev. 2017.

Brasil. Decreto-Lei n. 406 de 4 de maio de 1938. Dispõe sobre a entrada de

estrangeiros no território nacional. Disponível em: https://www2.camara.

leg.br/legin/fed/declei/1930-1939/decreto-lei-406-4-maio-1938-348724-

publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 2 fev. 2017.

Brasil. Decreto-Lei n. 7.967 de 18 de setembro de 1945. Dispõe sobre a

Imigração e Colonização, e dá outras providências. Disponível em: http://

www.planalto.gov.br/ccivil_03/Decreto-Lei/1937-1946/Del7967.htm. Acesso

em: 2 fev. 2017.

Brasil. Lei n. 2.163 de 05 de janeiro de 1954. Cria o Instituto Nacional de

Imigração e Colonização e dá outras providências. Disponível em: http://

www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/1950-1969/L2163.htm. Acesso em: 2 fev.

Brasil. Decreto-lei n. 417 de 10 de janeiro de 1969(a). Dispõe sobre a

expulsão de estrangeiros. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/

legin/fed/declei/1960-1969/decreto-lei-417-10-janeiro-1969-378081-

publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 2 fev. 2017.

Brasil. Ato Institucional n. 13 de 5 de setembro de 1969(b). Institui a pena

de banimento do Território Nacional para o brasileiro que se tornar

inconveniente, nocivo ou perigoso à Segurança Nacional e dá outras

providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br//CCIVIL_03/AIT/ait-

-69.htm. Acesso em: 2 fev. 2017.

Brasil. Decreto-lei n. 941 de 13 de outubro de 1969(c). Define a situação

jurídica do estrangeiro no Brasil, e dá outras providências. Disponível em:

https://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1960-1969/decreto-lei-941-13-outubro-1969-375371-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 2 de fev.

Brasil. Decreto n. 66.689 de 11 de junho de 1970. Regulamenta o Decreto-lei n.

, de 13 de outubro de 1969, que define a situação jurídica do estrangeiro

no Brasil, e dá outras providências. Disponível em: https://www2.camara.

leg.br/legin/fed/decret/1970-1979/decreto-66689-11-junho-1970-408279-

publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 2 fev. 2017.

Brasil. Lei n. 6.815 de 19 de agosto de 1980. Define a situação jurídica do

estrangeiro no Brasil, cria o Conselho Nacional de Imigração. Disponível

em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6815.htm. Acesso em: 10 mar.

Brasil. Decreto 86.715 de 10 de dezembro de 1981. Regulamenta a Lei n.

815, de 19 de agosto de 1980, que define a situação jurídica do estrangeiro

no Brasil, cria o Conselho Nacional de Imigração e dá outras providências.

Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/Antigos/

D86715.htm. Acesso em: 2 fev. 2017.

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil de 22 de setembro

de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/

constituicao.htm. Acesso em: 2 fev. 2017.

Brasil. Lei n. 9.474 de 22 de julho de 1997. Define mecanismos para a

implementação do Estatuto dos Refugiados de 1951, e determina outras

providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9474.

htm. Acesso em: 10 mar. 2014.

Brasil. Decreto n. 5.015 de 12 de março de 2004. Promulga a Convenção

das Nações Unidas contra o Crime Organizado Transnacional. Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5015.

htm. Acesso em: 20 jun. 2019.

Brasil. Decreto n. 5.016 de 12 de março de 2004. Promulga o Protocolo

Adicional à Convenção das Nações Unidas contra o Crime Organizado

Transnacional, relativo ao Combate ao Tráfico de Migrantes por Via Terrestre,

Marítima e Aérea. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_

Ato2004-2006/2004/Decreto/D5016.htm. Acesso em: 20 jun. 2019.

Brasil. Decreto n. 5.017 de 12 de março de 2004. Promulga o Protocolo

Adicional à Convenção das Nações Unidas contra o Crime Organizado

Transnacional Relativo à Prevenção, Repressão e Punição do Tráfico de

Pessoas, em especial Mulheres e Crianças. Disponível em: http://www.

planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2004/Decreto/D5017.htm. Acesso

em: 20 jun. 2019.

Brasil. Lei n. 11.961 de 2 de julho de 2009. Dispõe sobre a residência provisória

para o estrangeiro em situação irregular no território nacional e dá outras

providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-

/2009/Lei/L11961.htm. Acesso em: 10 mar. 2014.

Brasil. Decreto no 6.975 de 7 de outubro de 2009. Promulga o Acordo sobre

Residência para Nacionais dos Estados Partes do Mercado Comum do Sul –

Mercosul, Bolívia e Chile, assinado por ocasião da XXIII Reunião do Conselho

do Mercado Comum, realizada em Brasília nos dias 5 e 6 de dezembro de 2002.

Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/

decreto/d6975.htm. Acesso em: 10 mar. 2014.

Brasil. Lei n. 12.527, de 18 de novembro de 2011. Regula o acesso a informações

previsto no inciso XXXIII do art. 5o, no inciso II do § 3o do art. 37 e no § 2o do

art. 216 da Constituição Federal; altera a Lei no 8.112, de 11 de dezembro

de 1990; revoga a Lei no 11.111, de 5 de maio de 2005, e dispositivos da Lei

no 8.159, de 8 de janeiro de 1991; e dá outras providências. Diário Oficial

da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 18 de novembro de 2011.

Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/

l12527.htm. Acesso em 2 fev. 2017.

Brasil. Portaria n. 36 da Secretaria-Geral da Presidência da República, de

de novembro de 2014. Institui o ambiente virtual de participação social

Participa.br. Disponível em: http://www.in.gov.br/web/dou/-/portaria-n-36-

de-11-de-novembro-de-2014-30166668. Acesso em: 9 fev. 2017.

Brasil. Lei n. 13.445 de 24 de maio de 2017. Institui a Lei de Migração.

Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/

l13445.htm. Acesso em: jan. 2018.

Brasil. Comitê Nacional para Refugiados. Resolução Normativa n. 13 de 23

de março de 2007. Disponível em: https://www.justica.gov.br/seus-direitos/

refugio/anexos/resolucao-normativa-n-13-do-conare-revogada-pela-

resolucao-normativa-n-18.pdf. Acesso em: mar. 2015.

Brasil. Comitê Nacional para Refugiados. Resolução Normativa n. 18 de 30

de abril de 2014. Disponível em: https://www.justica.gov.br/seus-direitos/

refugio/anexos/rn-18-atualizada-com-22-23-26-e-28.pdf. Acesso em: 13 mar.

Brasil. Conselho Nacional de Imigração. Resolução Normativa n. 97, de 12

de janeiro de 2012. Dispõe sobre a concessão de visto permanente previsto

no art. 16 da Lei n. 6815, de 19 de agosto de 1980, a nacionais do Haiti.

Disponível em: http://trabalho.gov.br/mais-informacoes/cni/2016-02-16-20-

-45/itemlist/category/632-cnig-resolucoes-normativas. Acesso em: 10 jul.

Carneiro, Maria Luiza Tucci (2018). Imigrantes indesejáveis. A ideologia do

etiquetamento durante a Era Vargas. Revista USP, (119). 115-130. DOI: https://

doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i119p115-130.

Crawhely, Heaven e Skleparis, Dimitri (2018). Refugees, migrants, neither,

both: categorical fetishism and the politics of bounding in Europe’s ‘migration

crisis’. Journal of Ethnic and Migration Studies, 44(1). 48-64. DOI: https://doi.

org/10.1080/1369183X.2017.1348224.

Crenshaw, Kimberlé (2002). Documento para o encontro de especialistas

em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos feministas,

(1). 17.

Das, Veena e Poole, Deborah (Eds.). (2004) Anthropology in the margins of

the state. Santa Fe, United States: School of American Research Advanced

Seminar.

EEUU. Johnson-Reed Act. The Immigration act of 1924. Disponível em: https://

immigration.procon.org/sourcefiles/1924Johnson-ReedImmigrationAct.pdf.

Acesso em: 15 fev. 2017.

Fausto, Boris (1999). História concisa do Brasil. São Paulo, Brasil: Edusp.

Fernandes, Florestan (1978). A integração do negro na sociedade de classes.

São Paulo, Brasil: Ática.

Fernandes, Pádua (2012). Migrações na ditadura militar brasileira: desejados

e indesejados perante a doutrina de segurança nacional. Em América Latina y

el Derecho Internacional - herencia y perspectivas. Anais Segundo Congreso de

La Sociedad Latinoamericana para el Derecho Internacional. Rio de Janeiro,

-25 de agosto.

Geraldo, Endrica (2007). O “perigo alienígena”: política imigratória e pensamento

racial no governo Vargas (1930-1945). Tese (Doutorado em História),

Departamento de História, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas,

Universidade Estadual de Campinas.

Geraldo, Endrica (2009a). A “lei de cotas” de 1934: controle de estrangeiros

no Brasil. Cadernos AEL, 15( 27). 172-209.

Geraldo, Endrica (2009b). O combate contra os “quistos étnicos”: identidade,

assimilação e política imigratória no Estado Novo. Locus: Revista de História,

Juiz de Fora, 15(1). 171-187. DOI: https://doi.org/10.34019/2594-8296.2009.

v15.31799.

Handerson, Joseph (2018). A historicidade da (e)migração internacional

haitiana. O Brasil como novo espaço migratório. Périplos: Revista de Estudos

Sobre Migrações, 1(1). 7-26. Disponível em:http://periodicos.unb.br/index.

php/obmigra_periplos/article/view/5866. Acesso em: 25 jan. 2019.

Hobsbawm, Eric (1995). Era dos extremos: o breve século XX 1914-1991. São Paulo, Brasil: Companhia das Letras.

Iotti, Luiza Horn (2001). Imigração e colonização: legislação de 1747 a 1915.

Porto Alegre: Assembleia Legislativa do Estado do RS. Caxias do Sul, Brasil:

EDUCS.

Jubilut, Liliana Lyra (2007). O direito internacional dos refugiados e sua aplicação

no ordenamento jurídico brasileiro. São Paulo, Brasil: Método.

Koifman, Fábio (2002). Quixote nas trevas: o embaixador Souza Dantas e os

refugiados do nazismo. Rio de Janeiro, Brasil: Record.

Koifman, Fábio (2015). Imigrante ideal: o Ministério da Justiça e a entrada de

estrangeiros no Brasil (1941-1945). Rio de Janeiro, Brasil: Civilização Brasileira.

Koifman, Fábio (2017). O Estado Novo e as restrições à entrada de refugiados.

História e Construção de memória. Acervo, Rio de Janeiro, 30(2). 71-88.

Mendes, José Sacchetta Ramos (2013). O sistema de cotas na

Constituição de 1934 e 1937 e o ideal de integração étnica dos

estrangeiros no Brasil. Em Arruda, José Jobson, Ferlini, Vera Lucia

Amaral, Matos, Maria Izilda Santos de y Sousa, Fernando de. De colonos

a imigrantes, I(E)migração portuguesa para o Brasil, p. 457-464. São Paulo,

Brasil: Editora Alameda.

Ministério da Justiça da Segurança Pública (2019). Refúgio em números 4a

edição. Julho de 2019. Disponível em: https://www.acnur.org/portugues/wp-

content/uploads/2019/07/Refugio-em-nu%CC%81meros_versa%CC%83o-

-de-julho-002.pdf. Acesso em: 14 set. 2019.

Moraes, Ana Luisa Zago de e Silva Filho, José Carlos Moreira da (2016). A

cidadania como dispositivo de segurança: por uma justiça de transição

em matéria de migrações. Direito e Práxis. Rio de Janeiro, 7(4). 96-134. DOI:

12957/dep.2016.19426.

Naçoes Unidas. Convenção de 1951 relativa ao Estatuto dos Refugiados.

Disponível em: http://www.onu-brasil.org.br/doc_refugiados.php. Acesso

em: 25 jun. 2006.

Naçoes Unidas. Protocolo de 1967 relativo ao Estatuto dos Refugiados.

Disponível em: http://www.onu-brasil.org.br/documentos_outros.php.

Acesso em: 24 jun. 2006.

Naçoes Unidas.. Declaração de Cartagena de 1984. Disponível em: http://

www.onu-brasil.org.br/documentos_outros.php. Acesso em: 24 jun. 2006.

Naçoes Unidas. Declaração e Plano de Ação do Brasil de 03 de dezembro

de 2014. Disponível em: https://www.acnur.org/fileadmin/Documentos/BDL/2014/9866.pdf. Acesso em: 30 abr. 2015.

Organização da Unidade Africana. Convenção relativa aos aspectos específicos

dos refugiados africanos – 1969. Disponível em: http://www.cidadevirtual.pt/

acnur/acn_lisboa/e-oua.html. Acesso em: 4 maio 2015.

Oliveira, Aline Passuelo de O. (2020). Estado Brasileiro e os Fluxos Migratórios

Internacionais: produção e circulação de discursos, categorizações jurídicas e

economias morais. Tese (Doutorado em Sociologia). Instituto de Filosofia e

Ciências Humanas. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre.

Organização Internacional das Migrações /OIM (2017). Diagnóstico regional

sobre migração haitiana. Buenos Aires: Oficina Regional de la OIM para

América del Sur/IPPDH.

Peres, Elena Pájaro (1997). “Proverbial hospitalidade”? A Revista de Imigração

e Colonização e o discurso oficial sobre o imigrante (1945-1955). Acervo - A

Revista do Arquivo Nacional, 10(2). 85.98.

Pimentel, Marília e Continguiba, Geraldo (2014). Wout, raketè, fwontyè. Ampil

mizè: reflexões sobre os limites da alteridade em relação à imigração haitiana

para o Brasil. Revista Universitas: Relações Internacionais, 12. 73-86. Disponível

em: https://www.publicacoesacademicas.uniceub.br/relacoesinternacionais/

article/view/2861. Acesso em: 15 mar. 2016.

Redin, Giuliana e Minchola, Luís Augusto Bittencourt (2015). Imigrantes

senegaleses no Brasil: tratamento jurídico e desafios para a garantia de

direitos. Em Herédia, Vania Beatriz Merlotti (org.). Migrações internacionais: o

caso dos senegaleses no sul do Brasil. Caxias do Sul, Brasil: Belas-Letras.

Said, Edward (1990). Orientalismo: o Oriente como invenção do Ocidente. São

Paulo, Brasil: Companhia das Letras.

Sassen, Saskia (2016). Expulsões: brutalidade e complexidade na economia

global. Rio de Janeiro/São Paulo, Brasil: Paz e Terra.

Schupun, Mônica Raisa (2008). Aracy de Carvalho e Margareth Levy, ou a

história de um happy-end transatlântico sob domínio nazista. Em Scarzanella,

Eugenia, Schpun, Mônica Raisa (org.). Sin fronteras: diálogos de mujeres y

hombres entre América Latina y Europa (Siglos XIX y XX). Madrid/Frankfurt am

Main: Iberoamericana/Vervuert.

Scott, James (1998). Seeing like a state: how certain schemes to improve the

human condition have failed. New Haven, United States: Yale University Press.

Seyferth, Giralda (1996). Construindo a nação: hierarquias raciais e o papel

do racismo na política de imigração e colonização. Em Maio, Marcos Chor

e Santos, Ricardo Ventura (org). Raça, Ciência e Sociedade [online]. Rio de Janeiro, Brasil: Editora FIOCRUZ.

Seyferth, Giralda (2008). Imigrantes, estrangeiros: a trajetória de uma categoria

incômoda no campo político. Trabalho apresentado na Mesa Redonda

Imigrantes e Emigrantes: as transformações das relações do Estado Brasileiro

com a Migração. 26a Reunião Brasileira de Antropologia, realizada entre os

dias 01 e 04 de junho de 2008, Porto Seguro, Brasil. Disponível em: http://

www.abant.org.br/conteudo/ANAIS/CD_Virtual_26_RBA/mesas_redondas/

trabalhos/MR%2012/giralda%20seyferth.pdf. Acesso em: 28 abr. 2015.

Seyferth, Giralda (2015). O Estado brasileiro e a imigração. Em Póvoa Neto,

Helion, Santos, Miriam de Oliveira, Petrus, Regina y Gomes, Charles (org.).

Caminhos da migração: memória, integração e conflitos. São Leopoldo, Brasil:

Oikos.

Souza, Vanderlei Sebastião de (2008). Por uma nação eugênica: higiene, raça

e identidade nacional no movimento eugênico brasileiro dos anos 1910 e

Revista Brasileira de História da Ciência. Rio de Janeiro, 1(2). Disponível

em: https://www.sbhc.org.br/arquivo/download?ID_ARQUIVO=74. Acesso

em: 11 jan. 2017.

Stepan, Nancy Leys (2004). Eugenia no Brasil, 1917-1940. Em Hochman,

Gilberto e Armus, Diego (org). Cuidar, controlar, curar: ensaios históricos sobre

saúde e doença na América Latina e Caribe. Rio de Janeiro, Brasil: Editora

FIOCRUZ.

Downloads

Publicado

2022-04-01

Como Citar

Passuelo, A. (2022). Colonos, imigrantes, estrangeiros, refugiados e portadores de visto humanitário: os fluxos migratórios em direção ao Brasil no período republicano a partir das categorizações jurídicas. Périplos: Revista De Estudos Sobre Migrações, 6(1). Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/obmigra_periplos/article/view/42698