Patrimônio digital e suas implicações na documentação museológica

Autores

Palavras-chave:

Documentação, Patrimônio digital, produção orgânica, musealização, biografia cultural, curadoria de conteúdo, indexação social, folksonomia

Resumo

A organização da informação e do conhecimento demandam aos profissionais um constante exercício de classificação, análise e pesquisa que tomam outras proporções quando se referem ao Patrimônio Digital. O objetivo aqui é conhecer as principais implicações presentes no tratamento e sistematização documental, tais como tipologias patrimoniais e suas especificidades no processo de musealização, produção orgânica, biografia cultural e curadoria de conteúdo.  Por meio de pesquisa exploratória e atualização bibliográfica, o presente artigo reúne estratégias que ressaltam elementos que se complementam na produção científica documental dos museus. A investigação revela caminhos recentes em que a construção, atualização, usos e funções da documentação figura-se como potencial dfonte de reflexão para o campo museológico, uma vez que colabora para as diferentes estratégias de comunicação dos museus e abre caminhos de diálogo com os diversos agentes sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rubens Ramos , PPG-PMUS UNIRIO/MAST

Doutorando em Museologia e Patrimônio pelo Programa de Pós-Graduação em Museologia e Patrimônio da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro / Museu de Astronomia e Ciências Afins (PPG-PMUS UNIRIO/MAST), tem como tema de pesquisa a Curadoria de Conteúdo em Museus Virtuais Conversão Digital.

Inês Nogueira, Museu da Vida/Fundação Oswaldo Cruz

Graduada em História pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais pela mesma universidade e Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Museologia e Patrimônio pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Atua com temas relacionados patrimônio histórico da ciência com ênfase em história dos museus, musealização e biografia cultural.

Luísa Maria Rocha , Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)

Graduação em Museologia na Universidade Estácio de Sá. Mestrado e Doutorado em Ciência da Informação pelo IBICT-UFRJ e IBICT- UFF. Docente no Programa de Pós-Graduação em Museologia e Patrimônio UNIRIO/MAST (PPGPMUS) e nos Programas de Mestrado em Divulgação da Ciência, Tecnologia e Saúde do Museu da Vida/Casa de Oswaldo Cruz/ Fiocruz. Atuação nas áreas de Museologia, Ciência da Informação e Divulgação Científica. 

Referências

ALBERTI, Samuel. Objects and the museum. Isis, v. 4, p. 559-571, 2005.

BARBUY, Heloísa. Documentação museológica e pesquisa em museus. Documentação em Museus. Rio de Janeiro: MAST, p.33-44, 2008.

BARAÇAL, Anaildo B. Objeto da Museologia: a via conceitual aberta por Zbynek Zbyslav Stránský. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, 2008.

BELTRÃO, Jane Felipe. 2003. Coleções Etnográficas: chave de muitas histórias. DataGramaZero - Revista de Ciência da Informação, v. 4, 2003. Disponível em: http://www.dgz.org.br/jun03/Art_01.htm.

BOTTALLO, Marilucia. Diretrizes em documentação Museológica. In: Documentação e Conservação de Acervos Museológicos. São Paulo: Brodowski. Governo do Estado de São Paulo - ACAM Portinari, 2010.

BRASCHER, Marisa.; CAFÉ, Lígia. Organização da Informação ou Organização do Conhecimento? In: Temas de pesquisa em Ciência da Informação no Brasil. São Paulo: Escola de Comunicações e Artes/USP, 2010.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. 31. ed. São Paulo: Saraiva, 2003. Art. 216.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. 31. ed. São Paulo: Saraiva, 2003. Art. 216.

BRIET, Suzanne. Quest-ce que la documentation? Paris: Editions Documentaires, Industrielles et Techniques, 1951.

BUCKLAND, Michael. What is a document? Journal of the American Society of Information Science, v. 42, 1997. Disponível em: http://people.ischool.berkeley.edu/~buckland/whatdoc.html.

BUCKLAND, Michael. Information as thing. Journal of the American Society of Information Science, v. 48, 1991. Disponível em: http://people.ischool.berkeley.edu/~buckland/thing.html.

CAMARGO-MORO, Fernanda de. Museu: aquisição/documentação. Rio de Janeiro: Eça, 1986. 309 p.

CAMPOS, M. L. A.; GOMES, Hagar, E. Metodologia de Elaboração de Tesauro Conceitual: a categorização como princípio norteador. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 11, n. 3, 2006. Disponível em: <http://www.eci.ufmg.br/pcionline/viewarticle.php?id=491&layout=abstract>. Acesso em: Acesso em: 2 Mai 2021.

CERAVOLO, Suely e Maria de Fátima Tálamo. Os museus e a representação do conhecimento: uma retrospectiva sobre a documentação do museu e o processamento da informação. VIII Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação, Salvador, Bahia, 2007.

CIDOC-ICOM. Declaração de princípios de documentação em museus e Diretrizes internacionais de informação sobre objetos de museus: categorias de informação do Comitê Internacional de Documentação. São Paulo: Secretaria de Estado de Cultura de São Paulo; Pinacoteca do Estado de São Paulo, 2014.

CINTRA, A.M.M. et al. Para entender as linguagens documentárias. 2 ed. São Paulo: Polis, 2002.

COUZINET, Viviane. Complexidade e Documento: a hibridação das mediações nas áreas em ruptura. RECIIS – Revista Eletrônica de Comunicação Informação e Inovação em Saúde, v. 3, nº 3, p. 10-16, 2009.

COUZINET, Viviane. 2004. Le document: leçon d’histoire, leçon de méthode. Communication et langages, v. 140, p. 19-29, 2004. Disponível em: http://www.persee.fr/web/revues/home/prescript/article/colan_0336-1500_2004_num_140_1_3264

DAHLBERG, Ingetraut. Knowledge organization: a new science? Knowledge Organization, v. 33, n. 4, p.11-19, 2006.

DELEUZE, Gilles. Diferença e repetição. Tradução: Roberto Machado e Luiz Orlandi. Rio de Janeiro: Graal, p.339-341, 1988.

DELEUZE, Gilles, e Felix Guattari. O que é Filosofia? Rio de Janeiro: Editora 34, 1992.

DÉOTTE, J.L. Le musée, l’origine de l’esthétique. Paris: L’Harmattan, 1993.

DESVALLÉES, André; MAIRESSE, François. Conceitos-chave de Museologia. São Paulo: Comitê Brasileiro do Conselho Internacional de Museus: Pinacoteca do Estado de São Paulo: Secretaria de Estado da Cultura, 2013.

DODEBEI, Vera Lúcia Doyle. O sentido e o significado de documento para a memória social. Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1997.

ESCARPIT, Robert. Théorie générale de l’ Information et de la communication. Paris: Hachette, 1976.

FERREIRA, Rubens Ramos; SOUZA, C. M. D. Multimedia Collection Management. In: Proceedings of the 10th International Conference on Preservation of Digital Objects. Lisboa: Biblioteca Nacional de Portugal, p.345-347, 2013.

FERREIRA, Rubens Ramos. Exposição de longa duração do Museu do Futebol: Rotinas de Manutenção Tecnológica. 2014. 102f. Trabalho de conclusão de curso (Graduação) – Centro de Artes, Humanidades e Letras, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, 2014. Disponível em: < http://200.128.85.17/handle/123456789/2140>. Acesso em: 2 maio 2021.

FERREIRA, Rubens Ramos. Plano Museológico do Museu da Imagem e do Som de São Paulo. São Paulo: Museu da Imagem e do Som de São Paulo, 2014. 115p.

FERREIRA, Rubens Ramos. A Musealização do Patrimônio Digital no Museu da Pessoa. 2017. 169f. Dissertação (Mestrado em Museologia e Patrimônio) – Programa de Pós-Graduação em Museologia e Patrimônio, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST), Rio de Janeiro, 2017. Disponível em: https://figshare.com/articles/thesis/Disserta_o_Rubens_Ramos_Ferreira__A_Musealização_do_Patrimônio_Digital_no_Museu_da_Pessoa /12575939. Acesso em: 2 maio 2021.

FERREZ, Helena D. Documentação museológica: teoria para uma boa prática. Estudos Museológicos. Rio de Janeiro: IPHAN, p. 65-74, 1994. Disponível em: http://pt.scribd.com/doc/38689114/Documentacao-Museologica-Helena-Dodd-Ferrez. Acesso em: 2 maio 2021.

GUEDES, Roger Miranda; DIAS, Eduardo José Wense. Indexação Social: Abordagem Conceitual. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v.15, n.1, p.39-53, 2010.

GOSDEN, Chris; MARSHALL, Yvonne. The Cultural Biography of Objects. World Archaeology, v. 31, no. 2, out, 1999.

HOSKINS, Janet. Agency, biography and objects. Handbook of Material Culture. 2006.

ICOM. Como gerir um museu: manual prático. Conselho Internacional de Museus–ICOM. Paris, 2004.

KOPYTOFF, Igor. A biografia cultural das coisas: a mercantilização como processo. In: A vida social das coisas. Niterói: EDUFF, 2008.

LADKIN, Nicola. Gestão de Acervos. In: Como gerir um museu: manual prático. França: Conselho Internacional De Museus-ICOM, p.17-32, 2004. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0018/001847/184713por.pdf . Acesso em: 2 maio 2021.

LE GOFF, Jacques. Documento/monumento. In: História e Memória. 5.ª ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 2003.

LÉVY, Pierre. O que é Virtual? São Paulo: Editora 34. 1998. 157p.

LIMA, Diana Farjalla; ARRÍBADA, Bernardo de Barros. Museologia e Linguagem de Especialidade. Discutindo Documentação, Catalogação, Inventário, Indexação. In: Workshop ICOFOM LAM 2008 - Museologia como Campo Disciplinar, 2008, Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: UNIRIO, PPG-PMUS UNIRIO/MAST, 2008.

LIMA, Diana Farjalla Correia. O que se pode designar como Museu Virtual segundo os museus que assim se apresentam... In: ENANCIB (10) - Encontro Nacional de Pesquisa e Pós- Graduação em Ciência da Informação. Responsabilidade Social da Ciência da Informação. 25 a 28 outubro 2009. João Pessoa: UFPB, ANCIB. 2009.

LÓPEZ YEPEZ, José. “Reflexiones sobre El concepto de documento ante La revolución de La informacion: um nuevo profesional del documento?” Scire, v. 3, nº 1, p. 11-29, 1997.

LOUREIRO, Maria Lucia N. M. Preservação in situ X ex situ: reflexões sobre um falso dilema. 3.º Seminário Iberoamericano de Museologia, Madrid, España. Disponível em: http://www.siam2011.eu/wp-content/uploads/2011/10/Maria-Lucia-de-Niemeyer-ponencia-Draft.pdf

LUND, Niels W. Document Theory. ARIST, v. 43, nº1, p. 1-55, 2009.

MAROEVIC, Ivo. The museum message: between the document and the information. In: Museum, media, message, ed. E. Hooper-Greenhill. London: Routledge, 2004.

MAROEVIC, Ivo. Introduction to Museology: The European Approach. München: Verlag, 1998.

MEIHY, J. C. S. B.; HOLANDA, F. História oral: como fazer, como pensar. São Paulo: Editora Contexto, 2007.

MENESES, Ulpiano Bezerra de. Memória e cultura material: documentos pessoais no espaço público. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 11, nº 21, p. 89-104, 1998.

MENESES, Ulpiano T. Bezerra. de. Do teatro da memória ao laboratório da história: a exposição museológica e o conhecimento histórico. Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material (Nova série, v.2 - Jan./Dez. 1994). São Paulo: Museu Paulista da USP, 1994.

MENESES, Ulpiano Bezerra de. A exposição museológica: reflexões sobre pontos críticos na prática contemporânea. Ciências em Museus, v. 4, p. 103-120, 1992.

MENSCH, Peter van. Towards a methodology of museology. PhD Thesis, University of Zagreb, 1992.

METZGER, Jean-Paul. L’information-documentation. In: Sciences de l’information et de la communication - Objets, savoirs, discipline, ed. S. Olivesi et al. Grenoble: Presses Universitaires de Grénoble, 2006.

MEYRIAT, Jean. 1981. Document, documentation, documentologie. Schéma et Schématisation, v. 14, p. 51-63, 1981.

MOLES, Abraham. Teoria dos Objetos: Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1981.

MURGUIA, Eduardo. Percepções e aproximações do documento na Historiografia, Documentação e Ciência da Informação. Revista de Ciência da Informação e Documentação, v. 2, nº2, p. 42-53, 2011.

MUSEU DO FUTEBOL. Proposta de Política de Acervo. Organização Social de Cultura IDBrasil Cultura, Educação e Esporte, 2018.

ORTEGA, Cristina D. e Lara M. L. G. A noção de documento: de Otlet aos dias de hoje. IX Congreso ISKO-España, Valencia, 2009.

OTLET, Paul. Traité de Documentation: Le livre sur le livre. Bruxelles: Mundaneum, 1934.

PEARCE, Susan. Collecting reconsidered. In: Interpreting objects and collections. New York, London: Routledge, 1994.

PINTO, Virgínia Bentes. Indexação documentária: uma forma de representação do conhecimento registrado. Perspectiva em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 6, n. 2, p. 223-234, jul./dez. 2001.

RABELLO, Rodrigo. A face oculta do documento: tradição e inovação no limiar da Ciência da Informação. Tese de Doutorado, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, 2009.

ROCHA, Luísa. Musealizar o transitório: O adensamento das relações entre tempos e espaços. Relatório (Pós-doutorado em Ciência da Informação), Instituto Brasileiro de informação em Ciência e Tecnologia, Rio de Janeiro, 2012.

SCHREINER, Klaus. Museology: science or just practical museum work?. Museological Working Papers, v. 1, nº 39, p. 39-41, 1980.

SMIT, Johanna. A Documentação e suas diversas abordagens. In: Documentação em Museus, Rio de Janeiro: Museu de Astronomia e Ciências Afins, 2008.

SPHAN. Decreto-lei no. 25, de 30 de novembro de 1937. Disponível em:

http://portal.iphan.gov.br/pagina/detalhes/226. Acesso em: 2 Mai 2021.

STRÁNSKÝ, Zbynek Z. Symposium Museologie and Museums. ICOFOM Study Series, v. 12, p. 287-298, 1987.

STRÁNSKÝ, Zbynek Z. Originals versus substitutes. ICOFOM Study Series, v. 9, nº 95, p 95-102, 1985.

UNESCO. Carta de Nova Delhi, 1956. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/pagina/detalhes/226. Acesso em: 2 maio 2021.

UNESCO. Convenção para a Proteção do Patrimônio Mundial, Cultural e Natural, 1972. Disponível em:

http://portal.iphan.gov.br/pagina/detalhes/226 . Acesso em: 2 maio 2021.

UNESCO. Recomendação sobre a Salvaguarda e Conservação das Imagens em Movimento, 1980. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/mod/resource/view.php?id=262117 . Acesso em: 2 maio 2021.

UNESCO. Convenção para Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial, 2003. Disponível em: https://ich.unesco.org/doc/src/00009-PT-Portugal-PDF.pdf. Acesso em: 2 maio 2021.

UNESCO. Carta para a Preservação do Patrimônio Digital, 2003. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001331/133171e.pdf#page=80 . Acesso em: 2 maio 2021.

ZOREDA, Luis Caballero. La documentación museologica. Boletim Anabad, v. 38, nº 8, p. 455-495, 1986.

Downloads

Publicado

2022-09-05

Como Citar

Ramos Ferreira, R. ., Santos Nogueira, I., & de Mattos Rocha, L. M. . (2022). Patrimônio digital e suas implicações na documentação museológica. Museologia & Interdisciplinaridade, 11(Especial), 125–146. Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/museologia/article/view/41345

Edição

Seção

Dossiê Perspectivas de Documentação Museológica: Competências, Formações, Experi