Matizes políticas e culturais na criação do Museu Wanderley Pinho (Recôncavo Baiano ”“ 1968-1971)

Autores

  • Mariana Cerqueira Rodriguez
  • Suely Moraes Cerávolo UFBA

DOI:

https://doi.org/10.26512/museologia.v8i16.24621

Palavras-chave:

Museu do Recôncavo Wanderley Pinho, Patrimônio Cultural, Museu Rural

Resumo

O presente artigo trata criação do Museu Wanderley Pinho (1968-1971), caso específico ao campo museológico na Bahia. A problematização geral versa sobre a centralização da salvaguarda como prática pública pondo em jogo temas mais abrangentes do que a simples conservação física de bens materiais do passado, portanto, em campo político de efeitos sobre o cultural. A materialidade que caracteriza o espaço Engenho/Museu é o fio condutor da análise, pautada em diversas fontes documentais, confluindo a linha teórico-metodológica que advoga as instituições museus como campos discursivos, espaços de interpretação e arenas políticas incidindo sobre as práticas patrimoniais. Observamos as articulações entre instituições, estratégias, agentes, discursos, procedimentos e o nível da ação em condições determinadas. Conclui-se que, a narrativa museográfica trilhou decisões e seleções de modo que o uso do passado manteve a tradição ideológica de um grupo, reunindo, através da figura de José Wanderley de Araújo Pinho, o museu rememorativo de uma camada particular da sociedade baiana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ABREU, Regina. A Fabricação do Imortal: Memória, História e Estratégias de consagração no Brasil. Rio de Janeiro: Rocco, 1996.

AZEVEDO, Esterzilda Berenstein de. Engenhos do Recôncavo Baiano ”“ Brasília, DF: IPHAN/ Programa Monumenta, 2009. Disponível < http://portal.iphan.gov.br
/uploads/publicaca o/ColRotPat7_EngenhosReco ncavoBaiano_m.pdf.>. Acesso 11.01.2018

BAHIA. Secretaria da Cultura e Turismo; Fundação Cultural do Estado da Bahia. Inventário Sumário do acervo José Wanderley de Araújo Pinho. Salvador: A Fundação, 1998.

BOAVENTURA, Edivaldo Machado (org.). Homenagem a Luiz Viana Filho. Brasília: Centro
gráfico do Senado Federal, 1991. Disponível <http://www2.senado.leg.br/bdsf/bi
tstream/handle/id/91479/homenagem%20a%20Luiz%20Viana%20Filho.pdf.>. Acesso 09.03.2018.


CERÁVOLO, Suely Moraes. Inspetoria Estadual de Monumentos Nacionais. In 90 Anos do Museu Histórico Nacional em debate (1922-2012). (org. Aline Montenegro Magalhães, Rafael Z. Bezerra), Rio de Janeiro, 2014: 122-156. Disponível < http://docvirt.com/docreader.net/DocReader.aspx?bib=mhn&pagfis=62110>. Acesso 30.05.2018

CHAGAS, Mario. A imaginação Museal: Museu, Memória e Poder em Gustavo Barroso, Gilberto Freyre e Darcy Ribeiro. Rio de Janeiro: MINC/IBRAM, 2009.

CHUVA, Márcia. Fundando a nação: a representação de um Brasil barroco, moderno e civilizado TOPOI, v. 4, n. 7, jul.-dez. 2003, pp. 313-333. Disponível <http://www.scielo.br/pdf/topoi/v4n7/2237-101X-topoi-4-07-00313.pdf.>. Acesso 30.05.2018

CORRÊA, Sandra Rafaela Magalhães. O Programa de Cidades Históricas (PCH). In: REZENDE, Maria Beatriz; GRIECO, Bettina; TEIXEIRA, Luciano; THOMPSON, Analucia (Orgs). Dicionário IPHAN de Patrimônio Cultural. 1. ed. Rio de Janeiro, Brasília: IPHAN/DAF/Copedoc, 2015.

CUNHA, João Fernandes. Genealogia vida e obra Wanderley Pinho. Revista do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia. Vol. 19, 1973, p.11-46.

DIAS, Maria da Graça Andrade. Memórias e Existências [manuscrito]: identidades e valores
na representação social do patrimônio no Recôncavo da Bahia. 2 v. Tese (Doutorado) ”“Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Arquitetura, 2015. Disponível < http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/handle/1843/BUBD-A6QP6H>. Acesso 03.05.2018

DÓCIO, Vanessa de Almeida. Sob O Signo da Pedra e Cal: Trajetória da Política de Preservação do Patrimônio Histórico e Arquitetônico No Estado Da Bahia (1927 ”“ 1967). (dissertação) Programa de Pós- Graduação em História Social, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador/Bahia 2014. Disponível < https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/17625>. Acesso 09.03.2018.

FONSECA, Maria Cecília Londres. O patrimônio em processo: trajetória da política federal de preservação no Brasil. Rio de Janeiro: UFRJ, IPHAN, 1997.

GOMES, Eduardo. Engenho e Arquitetura. FUNDAJ. Ed Massangana, 2006.
IPAC (INSTITUTO DO PATRIMONIO ARTISTICO E CULTURAL DA BAHIA). Inventário de Proteção do Acervo Cultural ”“ Monumentos e Sítios do Recôncavo. SECRETARIA DE INDÚSTRIA E COMÉRCIO: Bahia, 1978, v.II, p. 29-32.
IPAC (INSTITUTO DO PATRIMONIO ARTISTICO E CULTURAL DA BAHIA). 10 Anos de Fundação. Salvador : Secretaria da Educação e Cultura, 1979.
IPAC (INSTITUTO DO PATRIMONIO ARTISTICO E CULTURAL DA BAHIA). Anteprojeto para implantação do Parque Engenho Freguesia ”“ Museu do Recôncavo:Wanderley Pinho. Salvador, Bahia, 2011. Disponível < http://ftp.setur.ba.gov.br/prodetur/
documentosbahiabid/Amostra%20Repreentativa/Museu%20Wanderley%20Pinho%20-
%20Candeias/Anteprojeto%20para%20Implanta%C3%A7%C3%A3o%20do%20Parque
%20do%20Engenho%20Freguesia.pdf.>. Acesso 06.06.2018.
IPAC (INSTITUTO DO PATRIMONIO ARTISTICO E CULTURAL DA BAHIA). Termo de referencia: Urbanização do Parque do Engenho Freguesia ”“ Museu do Recôncavo Wanderley Pinho e Projetos Complementares do conjunto de edificações. Salvador,Outubro de 2011.

IPHAN (INSTITUTO DO PATRIMONIO HISTÒRICO NACIONAL). Compromisso de Brasília, abril de 1970. Disponível < http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinde arquivos/Comprom isso%20de%20Brasi lia%201970.pdf.>. Acesso 11.02.2018.

IPHAN (INSTITUTO DO PATRIMONIO HISTÒRICO NACIONAL). As Missões da Unesco no Brasil: Michel Parent. Rio de Janeiro: IPHAN, CODEDOC, 2008. Disponível < http://portal.iphan.gov.br/uploads/publicacao/SerPesDoc3_MichelParent_m.pdf>. Acesso 09.03.2018

MENESES, Ulpiano T. Bezerra de. Memória e cultura material: Documentos pessoais no espaço Público. Revista Estudos Históricos. Rio de Janeiro: Ed. FGV. Vol.11, n. 21, p.89-103, 1998. Disponível < http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/2067 >.

MENESES, Ulpiano T. Bezerra de. O Campo do Patrimônio Cultural: uma revisão de premissas. Fórum Nacional Do Patrimônio Cultural,1. Anais... Ouro Preto, v.1, 2009. Disponível em http://portal.iphan.gov.br/portal /baixaFcdAnexo.do?id=1653.> Acesso 02/02/ 2018

NASCIMENTO, Anna Amélia Vieira. Wanderley Pinho Historiador. Revista do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia. Volume 87, 1987, p.227-238.

ORMINDO, Paulo. Patrimônio Cultural e Natural como fator de desenvolvimento: a revolução silenciosa de Renato Soeiro, 1967-1979 . Revista do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Nº35, 2017, p. 45-64. Disponível < http://portal.iphan.gov.br/uploads/publicacao/revpat_35.pdf>. Acesso 06.06.2018.

ORTIZ, Renato. A Moderna tradição Brasileira. 3 ed. São Paulo, SP: Brasiliense, 1991.
PEREIRO, Xerardo. Património cultural: O casamento entre Património e Cultura. ADRA.- Revista dos sócios do Museu do Povo Galego, Santiago de Compostela, n.1, p. 23-41, 2006. Disponível < https://formacaompr.files.wordpress.com/2010/03/patrimonio-cultural_xerardo-p.pdf>. Acesso em 31.10.2014
PIRES, Fernando Tasso Fragoso. Antigos Engenhos de açúcar no Brasil. introdução, história dos engenhos e legendas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1994.

REDE, Marcelo. História a partir das coisas: tendências recentes nos estudos de cultura material. Anais do Museu Paulista: São Paulo, v 4, n1, 1996. Disponível < http://www.revistas.usp.br/anaismp/article/view/5343/6873.>. Acesso 19.05.2018.

ROCHA, Carlos Eduardo da. Museu do Recôncavo Wanderley Pinho: O Engenho da Freguesia. Salvador : Editora Itapuã, 1973 (2ª Ed).

RODRIGUES, Fabíola. A Patrimonialização do Cotidiano: Desafio para as Políticas Públicas. Revista Rua, Campinas, n.18, v.2, nov.2012. Disponível < https://www.l abeurb .unicamp. br/rua/na teriores/pages/pdf/18-2/8-18-2.pdf >. Acesso 19.05.2018.

ROQUE, Maria Isabel Rocha. Comunicação no Museu. In BENCHERIT, Sara F.; BEZERRA, R. Zamorano, MAGALHÃES, Aline M. (org). Museus e Comunicação: exposição como objeto de estudo. Rio de Janeiro : Museu Histórico Nacional, 2010:47-68.


SANTOS, Maria de Fátima dos. As Instâncias da Gestão de Museus vinculadas ao Governo da Bahia: uma análise das políticas e das ações socioculturais e educativas de 1967-2013. (Dissertação). PPG Museu, FFCH, Universidade Federal da Bahia, 2016. Disponível < https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/19002>. Acesso 03.06.2018

SPHAN - SERVIÇO DO PATRIMONIO HISTÓRICO A ARTISTICO NACIONAL. PROCESSO DE TOMBAMENTO 322 T-1943, p.2 e 4: Engenho Freguesia. Acervo Digital IPHAN. Disponível < http://acervodigital.iphan.gov.br/xmlui/discover>. Acesso 12.05.2018

TELLES, Marcio Ferreira. Entre a Lei e As Salsichas: Análise dos Antecedentes do Decreto-Lei 25/37. V ENECULT - Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, 2009. Disponível <http://www.cult.ufba.br/enecult2009/19408.pdf.> Acesso 03.06.2018

UCHÔA, Sara. Políticas Culturais na Bahia (1964-1987). Salvador, 2006. Disponível <
http://www.cult.ufba.br/arquivos/politica s_culturais_1964_1987_.pdf.> Acesso 2/01/2018.

VASQUEZ SOTO. Trajetória Histórica do Conselho Estadual de Cultura e as Políticas Culturais Na Bahia. Dissertação (mestrado) -, Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Professor Milton Santos Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2012. Disponível < https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/14951>. Acesso 03.06.2018

VIANA FILHO, Luiz. Petróleo e Industrialização da Bahia 1967-1971. Senado Federal: Brasília, Centro Gráfico, 1984.

VIANA FILHO, Luiz. Centenário de Wanderley Pinho. Bahia, 1990. Disponível <
https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/94268/centenario%20de%20wanderley%2
0pinho.pdf?sequence=5.>. Acesso 26-08-2018

Downloads

Publicado

2019-10-30

Como Citar

Rodriguez, M. C., & Cerávolo, S. . M. (2019). Matizes políticas e culturais na criação do Museu Wanderley Pinho (Recôncavo Baiano ”“ 1968-1971). Museologia &Amp; Interdisciplinaridade, 8(16), 137–159. https://doi.org/10.26512/museologia.v8i16.24621