Planejamento estratégico

ferramenta indispensável na gestão eficiente de museus

Autores

  • Ednaldo Soares Universidade Federal da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.26512/museologia.v4i8.16919

Palavras-chave:

museu, planejamento estratégico de museu, marketing museal, museólogo, multidisciplinaridade

Resumo

Enquanto conhecimento científico em construção, a Museologia tem se voltado mais à discussão derredor de temas que respeitam sua base ontológica e epistemológica. Embora menos discutidos, o planejamento estratégico e marketing museal têm demandado a atenção de museólogos, especialmente daqueles ligados a instituições socialmente engajadas, empenhadas em instituir estreitos relacionamentos entre o museu e essas ferramentas gestoriais, visando à sustentabilidade institucional. Este ensaio é mais um exemplo dessa preocupação. Demais, levanta a questão acerca da necessária multidisciplinaridade curricular para a formação do museólogo, que precisa de diferentes subsídios práticos e teóricos para atuar mais efetivamente na gestão de museus.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ednaldo Soares, Universidade Federal da Bahia

Mestre e doutor em Administração. Integrante de grupo de pesquisa na EAUFBA e estudante de Museologia.

Referências

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BELLAIGUE, Mathilde. O desafio museológico. In: Fórum de Museologia do Nordeste, 5, 1992, Salvador. 8 p. mimeo.

BORGES, Luiz C. Museu como espaço de interpretação e de disciplinarização de sentidos. Museologia e Patrimônio. Rio de Janeiro: Marcus Granato e Diana Farjalla, v. 4, n. 1, p. 37-62, 2011.

CERÁVULO, Suely Moraes. “Em nome do céu, o que é museologia?” Perspectivas de museologia através de publicações. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia. São Paulo: v. 14, p. 311-343, 2004.

CHAGAS, Mário de Souza. Museus, memórias e movimentos sociais. Cadernos de Sociomuseologia, América do Norte, fev./2012. Disponível em: <http://revistas.ulusofona.pt/index.php/cadernosociomuseologia/article/view/2654/2023>. Acesso em: 30 jun. 2015.

CURY, Marília Xavier. Exposição: concepção, montagem e avaliação. São Paulo: Annablume, 2008.

DUARTE CÂNDIDO, Manuelina Maria. “A gestão e o planejamento institucional nos currículos universitários de Museologia: estudo preliminar”. In: Musear, Revista do Departamento de Museologia da Universidade Federal de Ouro Preto, ano 1, n. 1. Ouro Preto: UFOP, p. 51-60, junho de 2012.

____________________. Cartas de navegação: planejamento museológico em mar revolto. Cadernos de Sociomuseologia. Lisboa: CEIED, v. 48, abril/2014. Disponível em: http://revistas.ulusofona.pt/index.php/cadernosociomuseologia/article/view/4628/3135. Acesso em: 26 maio 2015.

ENCICLOPEDIA ZANICHELLI. Dizionario Enciclopedico di Arti, Scienze, Tecniche, Lettere, Filosofia, Storia, Geografia, Diritto, Economia. Bologna: Edigeo/La Repubblica, 1995.

FRASSON, Ieda. Critérios de Eficiência, Eficácia e Efetividade adotados pelos Avaliadores de Instituições Não-governamentais Financiadoras de Projetos Sociais. Dissertação (Mestrado: Engenharia de Produção). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil, 2001. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/82184. Acesso em: 20 abril 2015.

GUARNIERI, Waldisa Russio Camargo. Conceito de cultura e sua interrelação com o patrimônio cultural e a preservação. Cadernos Museológicos. Brasília: MinC/Ibram, n. 3, p. 7-12, 1990.

IPHAN. Portaria Normativa nº 1, de 5/julho/2006 (DOU 11/07/2006).

ISAIA, Alessandro. Elementi di Marketing Museale. Disponível em: http://www.palazzomadamatorino.it/documenti/isaia_Elementi_di_Marketing_Museale.pdf. Acesso em: 19 abril 2015.

KREITNER, Robert. Management (11th ed.). New York: Houghton Mifflin Harcourt Publishing Company, 2009.

LAROUSSE – DICTIONNAIRES DE FRANÇAIS. Disponível em: www.larousse.fr/dictionnaires/francais/muséologie/53388. Acesso em 04 junho 2015.

LODI, João Bosco. Administração por objetivos. Uma crítica. São Paulo: Pioneira, 1972.

MACIEL, Walery Luci da Silva. Noções Básicas para Elaboração de um Planejamento Estratégico. 2003. Disponível em: https://scholar.google.com.br/scholar?q=o+que+%C3%A9+Planejamento%3F&btnG=&hl=ptBR&as_sdt=0%2C5. Acesso em: 11 maio 2015.

MCCARTHY, E. Jerome; PERREAULT, JR., William D. Basic Marketing – 11th ed. International Student Edition. Boston: IRWIN, 1993.

MAYRINK, Geraldo. Dez casas para serem visitadas. In: Livro de Arte Brasileira. São Paulo: JC Editora, 2001.

MENSCH, Peter van. Towards a Methodology of Museology. PhD Thesis, 1992, Zagreb, University of Zagreb.

MINTZBERG, Henry. Ascensão e Queda do Planejamento Estratégico. São Paulo: Bookman Cia Editora, 2000.

MUSEUM OF MODERN ART, The (MoMA). Disponível em: http://www.moma.org/about/index. Acesso em: 22 jun. 2015.

PESSANHA, José Américo da Motta. O sentido dos museus na cultura. In: O MUSEU em perspectiva. Rio de Janeiro: MinC/Funarte, p. 39-43, 1996. (Série Encontros e Estudos, 2).

PORTO, Cláudio. Uma Introdução ao Planejamento Estratégico. In: Boletim Técnico do SENAC (1998). Disponível em: http://www.senac.br/informativo/bts/242/boltec242a.htm. Acesso: 17 abril 2015.

ROMANO, Marco; CIFELLI, Richard L.; VAI, Gian Battista. Natural History: first museologist’s legacy. Nature, v. 515, p. 311-312, 2014 (Nature online, v. 517, 271, 14 Jan. 2015. Disponível em: http://www.nature.com/nature/journal/v517/n7534/full/517271c.html#access. Acesso em: 27 maio 2015.

SECRETARIA DA CULTURA DA BAHIA (SECULT); INSTITUTO DO PATRIMÔNIO ARTÍSTICO E CULTURAL (IPAC); DIRETORIA DE MUSEUS (DIMUS). Política Setorial de Museus da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia. Salvador, 2012?. Disponível em: < https://dimusbahia.files.wordpress.com/2011/12/publicacao_final-1.pdf>. Acesso em: 03 jun. 2015.

VILLAÇA, Flávio. Dilemas do Plano Diretor. (1998). Disponível em: http://www.ceap.br/material/MAT1706201211. Acesso em: 26 maio 2015.

Publicado

2015-12-09

Como Citar

Soares, E. (2015). Planejamento estratégico: ferramenta indispensável na gestão eficiente de museus. Museologia & Interdisciplinaridade, 4(8), 213 - 222. https://doi.org/10.26512/museologia.v4i8.16919

Edição

Seção

Artigos