Memória

Ontologia e Epistemologia Básicas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/rfmc.v8i1.28340

Palavras-chave:

Memória, Memória episódica, Gerativismo

Resumo

O presente trabalho extrai uma consequência epistemológica de uma posição ontológica sobre a memória. A posição ontológica é obtida com base na análise dos usos ordinários do termo memória visando inferir qual deve ser o seu uso legítimo, concluindo, em congruência com Klein, que toda memória é episódica. Dada tal posição ontológica, deriva-se uma posição epistêmica gerativista, concluindo que a memória é uma fonte básica de conhecimento análoga à percepção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

John Lindemann, Universidade Federal de Santa Maria, UFSM

Mestre e graduado em Filosofia pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Atualmente realiza pesquisa de doutorado na mesma instituição. Bolsista da CAPES. 

Referências

AGOSTINHO. As confissões. Tradução de Frederico Ozanam Pessoa de Barros. São Paulo: Edameris, 1964.

AUDI, R. “The sources of knowledge”. In: MOSER, P. (Ed.). Oxford Handbook of Epistemology. Oxford: Oxford University Press, 2002, p. 71-94.

BERNECKER, S; MICHAELIAN, K. (Eds.). The Routledge Handbook of Philosophy of Memory. London: Routledge, 2017.

DESCARTES, R. “As paixões da alma”. In: DESCARTES, R. Descartes: Os pensadores. 5ª Ed. Tradução de J. Guinsburg e Bento Prado Júnior. São Paulo: Nova Cultural, 1991.

FERNÁNDEZ, J. “Epistemic generation in memory”. Philosophy and Phenomenological Research, v.92, n.3, p. 620”“644, 2016.

KLEIN, S. B. “What Memory Is”. Wiley Interdisciplinary Reviews: Cognitive Science, v.6, n.1, p. 1”“38, 2015.

LACKEY, J. “Why memory really is a generative epistemic source: A reply to Senor”. Philosophy and Phenomenological Research, v. 74, p. 209”“19, 2007.

MAHR, J. B.; CSIBRA, G. “Why Do We Remember? The Communicative Function of Episodic Memory”. Behavioral and Brain Sciences, v.41, n.1, jan, 2018.

MARTIN, C.B; DEUTSCHER, M. “Remembering”. Philosophical Review, v. 75, p. 161”“96, 1996.

MICHAELIAN, K; ROBINS, S. K. “Beyond the Causal Theory? Fifty Years after Martin and Deutscher”. In: MICHAELIAN, K; DEBUS, D; PERRIN, D. (Eds.). New Directions in the Philosophy of Memory. London: Routledge. 2018.

McGRATH. “Memory and Epistemic Conservatism”. Synthese, v.157, p. 1-24, 2007.

NICOLELIS, M. Muito além do nosso eu: a nova neurociência que une cérebros e máquinas ”“ e como ela pode mudar nossas vidas. Tradução do autor. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

ROBINS, S. “Misremembering”. Philosophical Psychology, v.29, 2016.

SANT'ANNA, A; MICHAELIAN, K. “Thinkin about Events: A Pragmatist Account of the Objects of Episodic Hypothetical Thought”. Review of Philosophy and Psychology, Fev, 2018.

SCHWITZGEBEL, E. “Introspection”. In: ZALTA, E. N. (Ed.). The Standford Encyclopedia of Philosophy. Winter, 2016. Disponível em: [https://plato.stanford.edu/archives/win2016/entries/introspection/]: acessado [24/11/2019].

SKOTKO, B. G. et al. “H.M.'s personal crosswords puzzles: understanding memory and language”. Memory, v.16, n.2, p. 89-96, 2008.

SQUIRE, L. R. “The Legacy of Patient H.M. to Neuroscience”. Neuron, v.61, n.1, p. 6-9, 2009.

SQUIRES, R. “Memory Unchained”. The Philosophical Review, v.78, p. 178-96, 1969.

TULVING, E. “Episodic Memory: From Mind to Brain”. Annual Review of Psychology, v.53, p. 1-25, 2002.

Downloads

Publicado

2020-09-20

Como Citar

LINDEMANN, J. Memória: Ontologia e Epistemologia Básicas. Revista de Filosofia Moderna e Contemporânea, [S. l.], v. 8, n. 1, p. 401–416, 2020. DOI: 10.26512/rfmc.v8i1.28340. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/fmc/article/view/28340. Acesso em: 17 set. 2021.