Bakhtin e ecolinguística: diálogos possíveis

Autores

  • Marta Maria Covezzi Universidade Federal de Mato Grosso
  • Márcia de Moura Gonçalves Universidade Federal de Mato Grosso
  • Simone de Jesus Padilha Universidade Federal de Mato Grosso

Palavras-chave:

Estudos Bakhtinianos. Ecolinguística. Língua Francesa. LSF e Libras.

Resumo

Este texto apresenta parcialmente pesquisa doutoral que investiga a influência da língua francesa oralizada e da Língua Francesa de Sinais (LFS) na Língua Brasileira de Sinais. As análises do corpus serão fundamentadas nos conceitos dos estudos bakhtinianos buscando correlacioná-los a conceitos da Ecolinguística. Partindo da interação verbal, noção comum e basilar a ambas as teorias, apontamos a possibilidade de diálogo entre seus conceitos essenciais e complementares. Pretendemos, neste trabalho, demonstrar que esse encontro nos dará argumentos consistentes para as discussões sobre o trajeto sócio-histórico dos empréstimos linguísticos de origem francesa e esclarecimentos à constituição da Libras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marta Maria Covezzi, Universidade Federal de Mato Grosso

Possui graduação em Letras Português-Inglês pela Universidade Federal de Mato Grosso (1986), graduação em Letras Português-Francês pela Universidade Federal de Mato Grosso (1990) e Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso (2003). É Professora Adjunto IV da Universidade Federal de Mato Grosso . Tem experiência na área de Letras, com ênfase no ensino de Língua Francesa e Estágio Supervisionado de Língua Francesa. Atualmente, é doutoranda em Estudos de Linguagens no PPGEL - UFMT, tem desenvolvido pesquisa doutoral visando desvelar o trajeto sócio-histórico dos empréstimos linguísticos de origem francesa na Libras. Faz parte do grupo de pesquisa REBAK/UFMT/CNPQ (Relendo Bakhtin) para aprofundamento do conhecimento das teorias bakhtinianas.

Márcia de Moura Gonçalves, Universidade Federal de Mato Grosso

Professora da Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT, Curso de Letras - Inglês. Doutoranda em Estudos Linguísticos pelo Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagem(PPGEL) da UFMT, estuda propostas teórico-metodológicas para o ensino de inglês em sala de aula mista, com alunos ouvintes e surdos. Tem experiência em formação de professores de línguas estrangeiras, tendo feito mestrado e especialização em Linguística Aplicada no PPGEL, UFMT, e tendo obtido , também, certificação em TESOL - Teaching English as a Second Language - pela Universidade da California, EUA. Atualmente tem interesse nos seguintes temas: estudos bakhtinianos, propostas curriculares para ensino de línguas estrangeiras, surdez e sala de aula inclusiva. Membro dos Grupos de Pesquisa CAPEs / CNPq : Rebak Sentidos (dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/4365366763627420) e Relendo Bakhtin (dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/6592717590954597).

Simone de Jesus Padilha, Universidade Federal de Mato Grosso

Possui graduação em Letras Licenciatura Plena Português/Inglês pela Universidade Federal de Mato Grosso (1988), mestrado em Educação Pública na Área de Linguagem pela Universidade Federal de Mato Grosso (1997) e doutorado em Lingüística Aplicada aos Estudos da Linguagem pela Pontifícia Universidade Católica (2005). Atualmente é parecerista da Revista Polifonia (UFMT), da Revista Bakhtiniana e da Revista RevLEt, e Professora Associada da Universidade Federal de Mato Grosso, Departamento de Letras e Programa de Pós-graduação em Estudos de Linguagem. Tem experiência na área de Lingüística, com ênfase em Lingüística Aplicada, atuando principalmente nos seguintes temas: estudos bakhtinianos, avaliação de livros didáticos, ensino-aprendizagem de língua materna, professor de língua portuguesa, gênero do discurso e gêneros poéticos, olimpíada de língua portuguesa. É lider do Grupo "Relendo Bakhtin" - REBAK

Referências

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovitch. (1952-1953). Os gêneros do discurso. In: Estética da Criação Verbal. Trad. Paulo Bezerra. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011. 476 p.
_____; VOLOCHINOV, Valentin Nikolaievich. [1929]. Marxismo e Filosofia da Linguagem. Trad. Michel Lahud &Yara Frateschi Vieira. 16. ed. São Paulo: Hucitec, 2014. 203 p.
COUTO, E. K. N. N. Ecolinguística: um diálogo com Hildo Honório do Couto. Coleção Linguagem & Sociedade. V. 4, Campinas, SP :Pontes Editores, 2013. 155.
COUTO, Hildo H. Contatos entre francês e português ou influências do primeiro no segundo. Synergies Brésil. nº spécial 12, 2010, p. 107 – 116.
____, Hildo H. Ecolinguística: estudo das relações entre línguas e meio ambiente. Brasília:Thesaurus, 2007.
____, Hildo H. Linguística, ecologia e ecolinguística: contato de línguas. São Paulo: Contexto, 2009.187 p.
____, Hildo H. O que vem a ser ecolinguística, afinal? Cadernos de Linguagem & Sociedade, v. 14, n. 1, 2013, p. 275- 313.
____, Hildo H. et al. (Org.) O paradigma ecológico para as ciências da linguagem: ensaios ecolinguísticos clássicos e contemporâneos. Goiânia: Ed. UFG, 2016.
DELAPORTE, Yves. Dictionnaire étymologique et historique de la langue des signes française : origine et évolution de 1200 signes. Les Essarts-le-Roi : Éditions du Fox, 2007.
DESCOURS, Pauline. L'histoire de la langue des signes française et de la langue des signes brésilienne: quelles influences pour les populations sourdes?. Linguistics. 2011.
DUARTE, A. S. Ensino de libras para ouvintes numa abordagem dialógica: contribuições da teoria bakhtiniana para a elaboração de material didático. 2011. 327 p. Dissertação (Mestrado em Estudos de Linguagens)-Instituto de Linguagens, Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, MT, 2011.
______. Alteridade: o sujeito na educação contemporânea forjado com os fragmentos medievais. In: Silva, S. S. O. (Org.) Políticas educacionais e formação de professores: experiências e práticas pedagógicas. Curitiba: Appris, 2016. p. 247-261.
SOFIATO, C. G.; REILY, L. Justaposições: O primeiro dicionário brasileiro de língua de sinais e a obra francesa que serviu de matriz. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 18, p. 569-586, 2012.
SOUZA, Geraldo Tadeu. Introdução à teoria do enunciado concreto do círculo Bakhtin/Volochinov/Medvedev. São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP, 2002.
VOLOCHÍNOV, Valentin Nikolaievich. Que é a linguagem. In A construção da Enunciação e Outros ensaios. São Carlos: Pedro & João Editores, 2013. p.131-156.

Publicado

2017-02-10

Como Citar

Covezzi, M. M., Gonçalves, M. de M., & Padilha, S. de J. (2017). Bakhtin e ecolinguística: diálogos possíveis. Ecolinguística: Revista Brasileira De Ecologia E Linguagem (ECO-REBEL), 3(1), 160-171. Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/erbel/article/view/10745

Edição

Seção

Artigos