Pulsões, capitalismo destrutivo e ecologia

Perspectivas marcusianas.

Autores

  • Gabriel Dias Universidade Federal de Ouro Preto

Palavras-chave:

Marcuse, Pulsões, Capitalismo, Ecologia

Resumo

Herbert Marcuse se debruçou sobre a questão da ecologia e sobre a destruição da natureza especialmente em seus escritos da década de 70. Conforme o frankfurtiano, o problema da crise ecológica estaria diretamente ligado a sua leitura da subjetividade que corresponde, em grande parte, ao roteiro da metapsicologia freudiana, principalmente a teoria das pulsões. A hipótese de Marcuse é que na sociedade moderna, sobretudo em sua forma industrial avançada, há um predomínio em seus membros de uma estrutura de caráter destrutiva, ou seja, as forças de Thanatos estariam se sobrepondo às forças de Eros e sendo exteriorizadas, por exemplo, no processo de destruição do meio ambiente. Diante deste contexto, a argumentação marcusiana vai novamente na direção da necessidade de uma politização da energia erótica que, por conseguinte, contribuiria para com o cuidado e a proteção dos seres e das coisas vivas. O movimento ecológico, por sua vez, revelando-se como um movimento político e psicológico, é tido como um indício dessa politização capaz de provocar poderosas revoltas existenciais contra a realidade estabelecida e de projetar uma mudança radical na sociedade. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

BARONI, Vivian; SANTA, Fernando; CENCI, Angelo. Educação ambiental crítica: apontamentos a partir de Herbert Marcuse. In: CALGARO, Cleide; SANGALLI, Idalgo (orgs.) Ética, direitos humanos e socioambientalismo. Caxias do Sul: Educs, 2018, p.63-78.

FREUD, Sigmund. Formulation regarding the two principles in mental function.” In: Collected Papers IV. London: Hogarth Press, 1950.

______________. O mal-estar na civilização. In: O futuro de uma ilusão, o mal-estar na civilização e outros trabalhos (1927-1931). Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1996, p.73-148.

KANGUSSU, Imaculada. “Marcuse and the symbolic roles of the Father: Someone to watch over me”. In: MORELOCK, Jeremiah (org.). How to critique authoritarian populism: Methodologies of the Frankfurt School. Leiden and Boston: Brill, 2021, p.220-238.

KRENAK, Ailton. “As flechas de Ailton Krenak contra o Capital e Sociedade de Consumo”. Jornalistas Livre. 2021. Disponível em: < https://jornalistaslivres.org/as-flechas-de-ailton-krenak-contra-o-capital-e-a-sociedade-de-consumo/ >. Acesso em: 28/072021.

LAMAS, Andrew; WOLFSON, Todd; FUNKE, Peter (eds.). The great refusal: Herbert Marcuse and contemporary social movements. Philadelphia: Temple University Press, 2017.

LUKES, Timothy. Marcuse and ecology. In: BOKINA, John; LUKES, Timothy (orgs.). Marcuse: From the new left to the next left. Kansas: University Press of Kansas, 1994, p.189-207.

MARCUSE, Herbert. Ecologia e crítica da sociedade moderna. In: LOUREIRO, Isabel (org.). A grande recusa hoje. Petrópolis: Editora Vozes, 1999, p.143-154.

________________. Ecology and revolution. In: KELLNER, Douglas (org.). The new left and the 1960s: Collected papers of Herbert Marcuse, v.3. London and New York: Routledge, 2005, p.173-177.

________________. Eros and civilization: A philosophical inquiry into Freud. Boston: Beacon Press, 1966. (Tradução de Álvaro Cabral. Eros e civilização: Uma crítica filosófica ao pensamento de Freud. Rio de Janeiro: Zahar, 1968.)

________________. One-dimensional Man: studies in the ideology of advanced industrial society. London and New York: Routledge Classics, 2002. (Tradução de Robespierre de Oliveira, Deborah Antunes e Rafael Cordeiro Silva. O homem unidimensional: Estudos da ideologia da sociedade industrial avançada. São Paulo: Edipro, 2015.)

MILES, Malcolm. Eco-aesthetic dimensions: Herbert Marcuse, ecology and art. Cogent Arts & Humanities, 3:1, p.1-17, 2016.

PISANI, Marília. Vida e morte, progresso e utopia em Herbert Marcuse. Revista Dialectus, vol. 8, n.14, p.147-168, 2019.

REITZ, Charles. Ecology and revolution: Herbert Marcuse and the challenge of a new world system today. New York and London: Routledge, 2019.

Downloads

Publicado

2022-02-26

Como Citar

DIAS, G. Pulsões, capitalismo destrutivo e ecologia: Perspectivas marcusianas. Das Questões, [S. l.], v. 14, n. 1, 2022. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/dasquestoes/article/view/40047. Acesso em: 7 jul. 2022.