QUANDO FICAR EM CASA NÃO É SEGURO um retrato do trabalho escravo doméstico em tempos de pandemia

Main Article Content

Gabriela Neves Delgado
Lívia Mendes Moreira Miraglia
Luisa Nunes de Castro Anabuki

Resumo

Este artigo enquadra a discussão sobre o trabalho escravo contemporâneo na crise social e sanitária provocada pela pandemia de COVID-19, com foco no trabalho doméstico e suas interseccionalidades. Aponta-se que as vulnerabilidades sociais para o trabalho escravo são especialmente afetadas pela crise atual, em que a interação entre o vírus e fatores sociais torna o enfretamento da doença, em suas múltiplas dimensões, um grande desafio.    


Palavras Chave: Trabalho escravo doméstico; interseccionalidades; pandemia da COVID-19.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Article Details

Como Citar
Neves Delgado, Gabriela, Lívia Mendes Moreira Miraglia, e Luisa Nunes de Castro Anabuki. 2021. “QUANDO FICAR EM CASA NÃO É SEGURO: Um Retrato Do Trabalho Escravo doméstico Em Tempos De Pandemia”. Abya-Yala: Revista Sobre Acesso à Justiça E Direitos Nas Américas 5 (2):07 a 33. https://doi.org/10.26512/abyayala.v5i2.35920.
Seção
Dossiê
Biografia do Autor

Gabriela Neves Delgado, Universidade de Brasília

Doutora em Direito

Universidade de Brasília

gnevesdelgado@gmail.com

Brasil

Orcid: 0000-0002-9400-4293

Lívia Mendes Moreira Miraglia, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutora em Direito

Universidade Federal de Minas Gerais

liviamiraglia@gmail.com

Brasil

Orcid: 0000-0001-9418-7889

Luisa Nunes de Castro Anabuki, Universidade de Brasília

Mestranda em Direito

Universidade de Brasília

luanabuki@gmail.com

Brasil

Orcid:0000-0002-7377-7246

Referências

AIRES, Monique Oliveira; MESQUITA, Valena Jacob Chaves. Trabalho em condições degradantes: uma análise da jurisprudência do Tribunal Regional do Trabalho 8o região. Revista Publicum, vol. 1, no. 4, p. 209”“272, 2017.

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. São Paulo: Pólen, 2019.

ALBERTO, Maria de Fátima Pereira; SANTOS, Denise Pereira dos; LEITE, Fernanda Moreira; LIMA, José Wilson de. O trabalho infantil doméstico e o processo de escolarização. Psicologia e Sociedade, vol. 23, no. 2, p. 293”“302, 2011.

ALVES, Raíssa Roussenq. A Herança do Racismo. Escravidão Contemporânea. São Paulo: Contexto, 2020.

ANTUNES, Ricardo. Coronavírus: O trabalho sob fogo cruzado. São Paulo: Boitempo, 2020.

BRASIL. Ministério da Economia. Inspeção do Trabalho já resgatou 55 mil trabalhadores de condições análogas à s de escravo. Brasília, 20 de julho de 2020. Disponível em https://www.gov.br/economia/pt-br/assuntos/noticias/2020/trabalho/julho/inspecao-do-trabalho-ja-resgatou-55-mil-trabalhadores-de-condicoes-analogas-as-de-escravo. Último acesso em 11.10.2020.

BRASIL. Ministério Público do Trabalho. Observatório da Erradicação do Trabalho Escravo e do Tráfico de Pessoas. Disponível em https://smartlabbr.org/trabalhoescravo. Último acesso em 11.10.2020.

BRASIL. Ministério Público do Trabalho. Doméstica é resgatada em situação análoga a de escravo em bairro de elite em São Paulo. Disponível em < https://mpt.mp.br/pgt/noticias/domestica-e-resgatada-em-situacao-analoga-a-de-escravo-em-bairro-de-elite-em-sao-paulo >. Último acesso em 15.10.2020.

BRITO FILHO, José Claudio Monteiro de; CARDOSO, Yasmin Sales Silva; LITAIFF, Ana Rebecca Manito. TRABALHO EM CONDIÇÕES DEGRADANTES ”“ CARACTERIZAÇÃO: análise da jurisprudência do TRT/8a Região e do TRF/1a Região. Revista Direitos, trabalho e política social, Cuiabá, p. 40”“67, 2017.

BUENO, Marina de Araújo; OLIVEIRA, Rita Magalhães. Trabalho Escravo Contemporâneo: conceituação, desafios e perspectivas. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2018.

CARNEIRO, Aparecida Sueli. Racismo, sexismo e desigualdade no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2011.

CASTILLO, R. Aída Hernández. Resistencias penitenciarias: investigación activista en espacios de reclusión. México: Juan Pablos Editor, 2017.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas, vol. 10, no. 1, p. 171”“188, 2005.

DELGADO, Gabriela Neves; DUTRA, Renata Queiroz; SANTANA, Raquel. Racismo institucional: o que é essencial em tempos de pandemia? Necessidade de união de esforços para a garantia do direito ao exercício de qualquer trabalho em condições de dignidade. Jota, 2020. Disponível em < https://www.jota.info/paywall?redirect_to=//www.jota.info/opiniao-e-analise/artigos/racismo-institucional-o-que-e-essencial-em-tempos-de-pandemia-18062020#_ftn6 >. Último acesso em 21.10.2020.

DELGADO, Mauricío Godinho; DELGADO, Gabriela Neves. O novo manual do trabalho doméstico. São Paulo: LTr, 2016.

DELTA87. The Impact of COVID-19 on Modern Slavery. Disponível em < https://delta87.org/2020/03/impact-covid-19-modern-slavery/> Último acesso em 15.10.2020.

DIEESE. Departamento Intersidnical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos. Quem cuida das cuidadoras: trabalho doméstico remunerado em tempos de coronavírus, nº 96, 2020.

GOMES, Isabella Filgueiras. Trabalho Escravo doméstico no Brasil contemporâneo: contornos, características e formas de enfrentamento. In: Direitos Humanos no Trabalho pela perspectiva da Mulher. Belo Horizonte: RTM, 2019.

GONZALES, Lélia. Cultura, Etnicidade e Trabalho: efeitos linguísticos e políticos da exploração da mulher, Annual Meeting of the Latin American Studies Association, Pittsburgh, 1979. Disponível em < https://coletivomariasbaderna.files.wordpress.com/2012/09/cultura_etnicidade_e_trabalho.pdf> Último acesso em 15.10.2020.

HADDAD, Carlos H. B; MIRAGLIA, Lívia M.M. Trabalho Escravo: entre os achados da fiscalização. Florianópolis: Tribo da Ilha, 2018.

HIRATA, Helena. Gênero, Patriarcado, Trabalho E Classe. Revista Trabalho Necessário, vol. 16, no. 29, p. 14”“27, 2018.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE apoiando o combate à COVID-19, Disponível em < Último acesso em 11.10.2020>. Último acesso em 20.10.2020.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE divulga as Estimativas de População dos municípios para 2018. Disponível em < https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/22374-ibge-divulga-as-estimativas-de-populacao-dos-municipios-para-2018> . Último acesso em 16.10.2020.

ILO, Internacional Labour Office. COVID-19 and the world of work: Impact and policy responses. Geneva: Internacional Labour Office, 2020. . Disponível em <https://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/---dgreports/---dcomm/documents/briefingnote/wcms_738753.pdf >. Último acesso em 13.10.2020.

ILO, Internacional Labour Office. Global Estimates of Modern Slavery. Geneva: Internacional Labour Office, 2017. Disponível em: <http://ilo.org/wcmsp5/groups/public/---dgreports/---dcomm/documents/publication/wcms_575479.pdf>. Último acesso em 15.10.2020.

IPEA, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Os Desafios do Passado no Trabalho Doméstico do Século XXI: reflexões para o caso brasileiro a partir dos dados da PNAD Contínua. 2019. Disponível em < http://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/9538> Último acesso em 15.10.2020.

IPEA, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Mercado de Trabalho e Pandemia da Covid-19: Ampliação de Desigualdades já Existentes?, 2020b. Disponível em < Disponível em <http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/10186/1/bmt_69_mercdetrabalho.pdf>. Último acesso em 13.10.2020.

KARA, Siddhart. Modern Slavery: A Global Perspective. Columbia University Press, 2017.

KASSOUF, Ana Lúcia. O que conhecemos sobre o trabalho infantil? Nova Economia, vol. 17, no. 2, p. 323”“350, 2007.

KUHN, Daniela Isabel; QUELUZ, Gilson Leandro. “Mulher aguenta tudo”: catadoras, cuidado da família e trabalho precário. In: O cuidado em cena. Desafios políticos, teóricos e práticos. Florianópolis: Editora UDESC, 2018. p. 251”“278.

LUGONES, María. Colonialidad y Género. Tabula Rasa, no. 9, p. 73”“101, 2008.

MELO, Karine. Brasil teve mais de mil pessoas resgatadas do trabalho222 escravo em 2019. Agência Brasil, Brasília, 28 de janeiro de 2020. Disponível em https://agenciabrasil.ebc.com.br/direitos-humanos/noticia/2020-01/brasil-teve-mais-de-mil-pessoas-resgatadas-do-trabalho-escravo-em Último acesso em 11.10.2020

MENDES, Conrado Hubner; OLIVEIRA, Vanessa Elias; ARANTES, Rogério Bastos e outros. Ações Coletivas no Brasil: temas, atores e desafios da tutela coletiva - “JUSTIÇA PESQUISA” Relatório Analítico Propositivo. 2017.

MIRAGLIA, Lívia Mendes Moreira. Trabalho escravo contemporâneo : conceituação à luz do princípio da dignidade da pessoa humana. 2. ed. São Paulo : LTr, 2015.

MIRAGLIA, Lívia Mendes Moreira; OLIVEIRA, Rayhanna Fernandes de Souza. Trabalho Escravo Contemporâneo: conceituação, desafios e perspectivas. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2018.

OLIVEIRA, João Batista Araujo e; GOMES, Matheus; BARCELLOS, Thais. A Covid-19 e a volta à s aulas: ouvindo as evidências. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, vol. 28, no. 108, p. 555”“578, 2020.

PAMPLONA, Mário Sérgio Beltrão. Uma concepção sobre trabalho degradante em condição análoga a de escravo. Revista Jurídica da Presidência, p. 119, 2016, Disponível em: https://revistajuridica.presidencia.gov.br/index.php/saj/article/viewFile/1389/1174. Último acesso em 15.10.2020.

PENHA, Daniela. Negros são 82% dos resgatados do trabalho escravo no Brasil. Repórter Brasil. São Paulo, 20 de novembro de 2019.

QUEIROZ, Jane Bernardes da Silva Franco de. Adoção de má fé e trabalho escravo: Abandono por esperança, adoção de má fé e trabalho escravo na relação familiar com filhos de criação. Disponível em< http://www. cpgls.ucg.br/7mostra/Artigos/SOCIAIS%20APLICADAS/ ADO%C3%87%C3%83O%20DE%20M%C3%81%20 F%C3%89%20E%20TRABALHO%20ESCRAVO[1].pdf> Último acesso em 11.10.2020.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do Poder, Eurocentrismo e América Latina. A colonialidade do saber: Eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino- americanas. Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales - CLACSO, 2005. p. 227”“278.

REDE DE PESQUISA SOLIDÁRIA, Covid-19: Políticas Públicas e as Respostas da Sociedade. Boletim 14. Políticas Públicas e Sociedade. 2020. Disponível em < https://jornal.usp.br/wp-content/uploads/2020/07/BoletimPPS_14_3julho.pdf> . Último acesso em 11.10.2020.

SANTANA, Raquel Leite da Silva. O TRABALHO DE CUIDADO REMUNERADO EM DOMICÃLIO COMO ESPÉCIE JURÃDICA DO TRABALHO DOMÉSTICO NO BRASIL: uma abordagem justrabalhista à luz da trilogia literária de Carolina Maria de Jesus. 2020. Universidade de Brasília - UnB, 2020.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A Cruel Pedagogia do Vírus. Coimbra: Almedina, 2020. SILVA, Christiane Leolina Lara; ARAÚJO, José Newton Garcia de; MOREIRA, Maria Ignez Costa; BARROS, Vanessa Andrade. O trabalho de empregada doméstica e seus impactos na subjetividade. Psicologia em Revista, Belo Horizonte, vol. 23, no. 1, p. 454”“470, Jan. 2017.

SORRATO, Lúcia Helena. Quando o trabalho é na casa do outro: um estudo sobre empregadas domésticas. 2006. 331 f. Universidade de Brasília - UnB, 2006. Disponível em: <https://repositorio.unb.br/handle/10482/6679>. Último acesso em 15.10.2020.

SUZUKI, Natália Suzuki ; PLASSAT, Xavier. O perfil dos sobreviventes. Escravidão Contemporânea. São Paulo: Contexto, 2020.

SUZUKI, Natália Suzuki. Trabalho escravo e gênero: Quem são as trabalhadoras escravizadas no Brasil? Equipe ‘Escravo, nem pensar’. ”“ São Paulo, 2020.

THÉRY, Hervé; MELLO, Neli Aparecida de; HATO, Julio; GIRARDI, Eduardo Paulon. Atlas do Trabalho Escravo no Brasil. São Paulo: Amigos da Terra, 2009. Disponível em: https://www.amazonia.org.br/wp-content/uploads/2012/05/Atlas-do-Trabalho-Escravo.pdf. Último acesso em 12.10.2020.

NICOLI, Pedro Augusto Gravatá Nicoli; VIREIA, Regina Stela Correa. Cuidado em surto: da crise à ética. Cult, maio, p. 75”“77, 2020.

WALK FREE FOUNDATION, Protecting People in a Pandemic: urgent collaboration in needed to protect vulnerable workers and prevent exploitation. 2020. Disponível em <https://cdn.minderoo.org/content/uploads/2020/04/30211819/Walk-Free-Foundation-COVID-19-Report.pdf>. Último acesso em 13.10.2020.

WALK FREE FOUNDATION. Global Slavery Index. 2018. Disponível em < https://www.globalslaveryindex.org/2018/findings/highlights/ > Último acesso em 13.10.2020.