DA ESCUTA À ESCRITA: o fazer policial na construção de sujeitos e crimes em inquéritos policiais de violência contra a mulher

Main Article Content

Ana Clara Klink de Melo

Resumo

Através da análise de inquéritos policiais de violência doméstica e da observação participante de uma Delegacia de Defesa da Mulher, buscou-se investigar como as discursividades e moralidades presentes no espaço policial disputam as categorias de vítima, autor e violência, informando o enquadramento de fatos e narrativas legais e deixando marcas no processo penal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Article Details

Como Citar
Klink de Melo, Ana Clara. 2021. “DA ESCUTA À ESCRITA: O Fazer Policial Na construção De Sujeitos E Crimes Em inquéritos Policiais De Violência Contra a Mulher”. Abya-Yala: Revista Sobre Acesso à Justiça E Direitos Nas Américas 4 (2):16 a 36. https://doi.org/10.26512/abyayala.v4i2.34416.
Seção
Dossiê

Referências

ANDRADE, Fabiana de. Fios para trançar, jogos para armar: o fazer policial nos crimes de violência doméstica e familiar contra a mulher. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social. Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. 2012.

___________. Moralidades que se chocam: fronteiras discursivas no cotidiano de uma Delegacia de Defesa da Mulher. b, v. 1, p. 47-62, 2012.

AZEVEDO, Rodrigo Ghiringhelli de. Sistema penal e violência de gênero: análise sociojurídica da Lei 11.340/06. In. Sociedade e Estado, Brasília, v.23, n.1, jan/abr. 2008, p. 113-135.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

___________. Quadros de Guerra: quando a vida é passível de luto?. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

CAMPOS, Carmen Hein de; CARVALHO, Salo de. Tensões atuais entre a criminologia feminista e a criminologia crítica: a experiência brasileira. In: CAMPOS, Carmen Hein de. Lei Maria da Penha: comentada em uma perspectiva jurídico feminista. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2011, pp. 143-169.

CORRÊA, Mariza. Morte em família: representações jurídicas de papéis sexuais. Rio de Janeiro: Graal, 1983.

CUNHA, Olívia Maria Gomes. Tempo Imperfeito: uma etnografia do arquivo. In: Mana, Rio de Janeiro, v.10, n. 2, p. 287-322, 2004.

DAS, Veena; POOLE, Deborah. El estado y sus márgenes. Etnografias comparadas. Cuadernos de Antropología Social, Buenos Aires, n.27, 2008. p.19-52.

DEBERT, Guita Grin. Conflitos Éticos nas Delegacias de Defesa da Mulher. In. Debert, G.; Gregori, M. F.; Piscitelli, A. (orgs.). Gênero e distribuição da justiça: as delegacias da mulher na construção das diferenças. Campinas: Pagu/Unicamp, 2006, p. 12-56.

DEBERT, Guita Grin; GREGORI, Maria Filomena. Violência e gênero: novas propostas, velhos dilemas. Rev. bras. Ci. Soc., São Paulo, v. 23, n. 66, p. 165-185, Feb. 2008.

FAVRET-SAADA, Jeanne. Ser afetado. In Cadernos de Campo, São Paulo, n. 13, 2005, p.155-161. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/viewFile/50263/54376>, acesso em 23 abr. 2018.

LARRAURI, Elena. La mujer ante el derecho penal. IN: TRIBUNAL SUPERIOR DE JUSTICIA DEL DISTRITO FEDERAL. Anales de Jurisprudencia. Tomo 267, Sétima Época, Primeira Etapa, 2004.

LIMA, Roberto Kant de; BAPTISTA, Bárbara Lupetti. Como a Antropologia pode contribuir para a pesquisa jurídica? Um desafio metodológico. Anuário Antropológico, v.39, n.1, 2018. p.9-37.

LINS, Beatriz Accioly. A lei nas entrelinhas: a Lei Maria da Penha e o trabalho policial em duas Delegacias de Defesa da Mulher de São Paulo, 2014. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, USP, São Paulo, 2014.

LUPETTI BAPTISTA, Bárbara. O uso da observação participante em pesquisas realizadas na área do Direito: desafios, limites e possibilidades. MACHADO, Maíra Rocha (Org.). Pesquisar Empiricamente o Direito. São Paulo: Rede de Estudos Empíricos em Direito, 2017. p. 275-320.

MACHADO, Marta Rodriguez de Assis (org.). A violência doméstica fatal: o problema do feminicídio íntimo no Brasil. Brasília: Ministério da Justiça, 2015. (Diálogos sobre Justiça).

NADAI, Larissa. Entre estupros e convenções narrativas: os cartórios policiais e seus papéis em uma Delegacia de Defesa da Mulher (DDM). Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 22, n. 46, p. 65-96, jul./dez, 2016

_____________. Descrever crimes, decifrar convenções narrativas: uma etnografia entre documentos oficiais da Delegacia de Defesa da Mulher de Campinas em casos de estupro e atentado violento ao pudor, 2012. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, 2012.

PORTO, Maria Stela Grossi. Sociologia da violência: do conceito à s representações sociais. Brasília: Editora Francis/Verbena, 2010.

RIFIOTIS, Theophilos. Judiciarização das relações sociais e estratégias de reconhecimento: repensando a “violência conjugal” e a “violência intrafamiliar” in Rev. Katál. Florianópolis v. 11 n. 2 p. 225-236 jul./dez. 2008.

ROSS, Fiona. Bearing Witness: Women and the Truth and Reconciliation Commission in South Africa. London: Pluto Press, 2003.

SARTI, Cynthia. A vítima como figura contemporânea. Caderno CRH, Salvador, v. 24, n. 61, p. 51-61, 2011.

SARTI, Cynthia A.; BARBOSA, Rosana M.; SUAREZ, Marcelo M. Violência e gênero: vítimas demarcadas. In: PHYSIS: Revista de saúde coletiva, Rio de janeiro, n. 16, v. 2, 2006, p. 167-183.

SCARDUELI, Márcia Cristiane Nunes. Lei Maria da Penha e violência conjugal: análise discursiva dos efeitos de sentido nas instituições e nos sujeitos envolvidos. São Paulo: IBCCRIM, 2017.

SCOTT, Joan. El género: una categoría útil para el análisis histórico. In: LAMAS, Marta (Comp.) El género: la construcción cultural de la diferencia sexual. México: PUEG, p. 265-302, 1996.

SMART, Carol. Las teorías feministas y el discurso jurídico. In: BIRGIN, Haidée et al. El derecho en el género y el género en el derecho. Buenos Aires: Biblos, 2000.

VARGAS, Joana Domingues. O antropólogo no campo da justiça, o investigador e a testemunha ocular. In: Cadernos de Campo, São Paulo, v. 2, n. 7, 2008, p. 33-51.