Política social e intersetorialidade:

consensos teóricos e desafios práticos

Autores

  • Giselle Lavinas Monnerat
  • Rosimary Gonçalves de Souza

DOI:

https://doi.org/10.26512/ser_social.v12i26.12708

Palavras-chave:

Política social, Intersetorialidade, Gestão pública

Resumo

O artigo discute os aspectos teóricos que envolvem o tema política social e intersetorialidade trazendo à cena, por meio de um estudo empírico realizado no município de Niterói-RJ, os principais desafios práticos relativos à implementação da intersetorialidade no nível local. Nesta pesquisa qualitativa, adota-se a metodologia de estudo de caso, com realização de observação participante e entrevistas com atores locais. Os resultados revelam que o município de Niterói, por meio de profissionais das Secretarias de Educação, Assistência Social e Saúde, vem desenvolvendo ações intersetoriais como forma de enfrentamento da pobreza e dos limites da lógica setorial. Entretanto, a junção de elementos como o fraco apoio do Executivo local, a ausência de articulação das ações intersetoriais com os movimentos sociais e conselhos de políticas públicas e a competitividade política partidária predatória mostram o tamanho da preocupação com a sustentabilidade de experiências de articulação intersetorial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giselle Lavinas Monnerat

Mestre e Doutora em saúde pública pela ENSP/FIOCRUZ, Professora adjunta da Faculdade de Serviço Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Rosimary Gonçalves de Souza

Mestre e Doutora em saúde pública pela ENSP/FIOCRUZ, Professora adjunta da Faculdade de Serviço Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Referências

ANDRADE, O. A saúde e o dilema da intersetorialidade. São Paulo: Hucitec, 2006.

COSTA, A. M.; PONTES, A. C. R.; ROCHA, D. G. Intersetorialidade na produção e promoção da saúde. In: CASTRO, A.; MALO, M. (Orgs.). SUS: ressignificando a promoção da saúde. São Paulo: Hucitec, 2006.

INOJOSA, R. M. Intersetorialidade e a configuração de um novo paradigma organizacional. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, v. 2, n. 32, , 1998.

JUNQUEIRA, L. A. P. Descentralização e Intersetorialidade: a construção de um modelo de gestão municipal. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, v. 2, n. 32, , 1998.

MENDES, E. V. Uma agenda para a saúde. São Paulo: Hucitec, 1996.

TEIXEIRA, C. F.; PAIM, J. S. Planejamento e programação de ações intersetoriais para a promoção de saúde e da qualidade de vida. Revista de Administração Pública, Fundação Getúlio Vargas, , Escola Brasileira de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 6, n. 34, , nov./dez., 2000.

VIANA, A. L. Novos riscos, a cidade e a intersetorialidade das políticas públicas. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, , Escola Brasileira de Administração Pública, 1998.

Downloads

Publicado

08/10/2010

Como Citar

MONNERAT, G. L.; SOUZA, R. G. de. Política social e intersetorialidade:: consensos teóricos e desafios práticos. SER Social, [S. l.], v. 12, n. 26, p. 200–220, 2010. DOI: 10.26512/ser_social.v12i26.12708. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/SER_Social/article/view/12708. Acesso em: 4 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos de Temas Livres