O uso da cultura no Romantismo alemão

Main Article Content

Michel Nicolau Netto

Resumo

A diferença se torna um valor na sociedade contemporânea. Dessa forma, grupos minoritários buscam afirmar essa diferença em torno de preceitos identitários, a partir dos quais organizam suas ações e suas demandas. Embora isso seja típico de nosso tempo, elementos desse fenômeno se encontram em outras épocas. De fato, muitos autores chegam mesmo a perceber na valorização contemporânea da diferença uma correspondência com a época romântica, em que intelectuais articularam a diferença em oposição ao universalismo dos ilustrados. É evidente que há distâncias entre os dois tratamentos da diferença, mas me interessa pensar neste texto as possibilidades de relação em torno de um aspecto central: o uso que atores sociais fazem ou fizeram da diferença cultural para afirmar particularidades e, assim, empreenderem lutas contra processos percebidos com universalistas. Tendo essa constelação temporal em mente, volto-me, contudo, somente ao século XIX e ao espaço alemão. Meu foco é analisar os intelectuais daquele tempo-espaço que formam o romantismo e elementos de um discurso nacionalista alemão em oposição, especialmente, ao cosmopolitismo francês. Desejo mostrar as razões sociais e históricas para a ação desses intelectuais e seus modos de articulação da diferença.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Article Details

Como Citar
Nicolau Netto, M. (2014). O uso da cultura no Romantismo alemão. Arquivos Do CMD, 2(1). https://doi.org/10.26512/cmd.v2i1.7542
Seção
Artigos de Dossiê
Biografia do Autor

Michel Nicolau Netto, Universidade de Campinas

Professor de Sociologia do IFCH/Unicamp. Doutor em Sociologia pela Unicamp, com estágio de doutorado na
Humboldt Universität de Berlim, foi visiting scholar no ILAS/Columbia University, em Nova Iorque. É autor dos livros Música Brasileira e Identidade Nacional na Mundialização (2009) e O Discurso da Diversidade e a World Music (2014). É co-autor do livro Concerto para Duas Vozes, com Fernando Martins Lara.

Referências

Appadurai, A. (1996). Modernity at Large. Minnea-polis: University of Minnesota.

Bhabha, H. K. (1994). Location of Culture. New York, London: Routledge.

Bornheim, G. (1978). A Filosofia do Romantismo. In J. Guinsburg, O Romantismo. São Paulo: Editora Perspectiva .

Dann, O. (1993). Nation und Nationalismus in Deutschland 1770-1790. München: Beck.

DeJean, J. (2005). Antigos contra modernos: as guerras culturais e a construção de um fin de siècle. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira .

Derrida, J. (2007). Die différance. In P. Engelmann, Postmoderne und Dekonstruktion. Stuttgart: Re-clam

Duby, G. (1992). Die Zeit der Kathedralen: Kunst und Gesellschaft 980 - 1420. Frankfurt am Main: Suhrkamp.

Eagleton, T. (2005). A Idéia de Cultura. São Paulo: UNESP.

Echterkamp, J. (1998). Der Aufstieg des deutschen Nationalismus (1770-1840). Frankfurt/New York: Campus Verlag.

Fichte, J. G. (1957). Beiträge zur Berichtigung der Urteile des Publikums über die Französische Revo-lution. Leipzig: Philipp Reclam Verlag .

Fichte, J. G. (1986). Briefe. Leipzig: Philipp Reclam Verlag.

Fichte, J. G. (2013). Der geschlossene Handelsstaat. Berlin: Creat Space.

Fichte, J. G. (s/d). Reden an die Deutsche Nation. Leipzig: Philipp Reclam Verlag.

Gellner, E. (1996). Encounters with nationalism. Oxford, UK; Cambridge, USA: Blackwell.

Giddens, A. (1984). The Constitution of Society. Berkeley and Los Angeles: University of California Press.

Greenfeld, L. (1992). Nationalism: five roads to mo-dernity. Cambridge, Masschusets; London: Harvard University.

Herder, J. G. (1978). Stimmen der Völker in Liedern. Leipzig: Philipp Reclam Verlag.

Jameson, F. (2009). The Cultural Turn: Selected Writings on the Postmodern, 1983-1998. London: Verso.

Kiesewetter, H. (1989). Industrielle Revolution in Deutschland. Frankfurt am Main: Suhrkamp.

Luther, M. (1520). An den christlichen Adel deutscher Nation von des christlichen Standes Besserung. Dis-ponível em http://kw.uni-paderborn.de/fileadmin/kw/institute-einrichtungen/katholische-theologie/Personal/Fenger/Geschichte_und_Theologie_der_Reformation/An_den_christlichen_Adel_deuts-cher_Nation_von_des_christlichen_Standes_Bes-serung.pdf. Acesso em 9/10/2013.

Lyotard, J.-F. (2009). A Condição Pós-Moderna. Rio de Janeiro: José Olympio.

Mannheim, K. (1971). Essays on the Sociology of Cul-ture. London: Routledge & Kegan Paul.

McGowan, J. (1991). Portmodernism and its critics. Ithaca: Cornel University.

Minogue, K. R. (1970). Nationalismus. München: Nymphenburger Verlagshandlung.

Nicolau Netto, M. (2012). O Discurso da Diversida-de: a definição da diferença a partir da World Music. Campinas.

Parekh, B. (2000). Rethinking multiculturalism: cultural diversity and political theory. London: Mac-millan Press, 2000.

Ringer, F. K. (2000). O Declínio dos Mandarins Ale-mães: a comunidade acadêmica alemã, 1890 - 1933. São Paulo: Edusp.

Ringer, F. (2004). Max Weber: an intelectual biogra-phy. Chicago and London: The University of Chicago Press.

Safranski, R. (2007). Romantik: eine deutsche Affäre. München: Carl Hanser Verlag.

Taylor, C. (2009). Multikulturalismus und die Politik der Annerkennung. Frankfurt am Main: Suhrkamp.

Waizbort, L. (2000). As aventuras de Georg Simmel. São Paulo: Editora 34.

Winkler, H. A. (2000). Deutsche Geschichte vom Ende des Alten Reiches bis zum Untergang der Wei-marer Republik. Bonn: Bundeszentrale für politis-che Bildung.