A agenda da primeira onda dos estudos culturais europeus

Main Article Content

Resumo

A partir da orientação arqueológica, a ideia é cartografar o espaço intelectual europeu em que, em meados dos anos de 1960, por diferentes trajetórias pessoais e institucionais, foram estabelecidos esquemas teórico-analíticos e interpretativos que vieram se mostrar contribuições definitivas para o desenvolvimento da sociologia da cultura popular de massas, tal como se consolidou na América Latina. A meta está em examinar e notificar como uma agenda de pesquisas e reflexões catalisada pela primeira onda de estudos culturais, tanto na França quanto na Grã-Bretanha, é formada a partir de questões e modos de equacionamentos
surgidos em meio aos impasses socioculturais e políticos no Pós Segunda Guerra mundial, mas, intersecionados à etapa de modernização que tornara o binômio técnica e cultura um traço indissociável das dinâmicas societárias naquele continente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Article Details

Como Citar
Farias, E. (2022). A agenda da primeira onda dos estudos culturais europeus. Arquivos Do CMD, 8(2), 271–322. Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/CMD/article/view/41929
Seção
Esboço de Letras
Biografia do Autor

Edson Farias, UnB

Universidade de Brasília – (UnB), Brasília – DF – Brasil. Pprofessor adjunto do Departamento e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia.

Referências

ADORNO, Theodor W. Experiencias cientificas y Estados Unidos In: Consignas. Buenos Aires: Amorrortu, 1973.

ADORNO, Theodor W. As estrelas descem à Terra: a coluna de astrologia do Los Angeles Times: um estudo sobre superstição secundária. São Paulo: UNESP, 2008.

ADORNO, Theodor W. & HORKHEIMER, Max (1985). A dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Zahar Editor, 1985.

ALPÍZER, Iván Villalobos. La noción de intertextualidad en Kristeva y Barthes. Revista de Filosofía. Univ. Costa Rica, XLI (103), Enero-Junio 2003, pp.137-145.

ALTHUSSER, Louis. A favor de Marx. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1979.

ALTHUSSER, Louis. Materialismo histórico e materialismo dialético In: ALTHUSSER, Louis e BADIOU, Alain: Materialismo histórico e materialismo dialético. São Paulo: Global Editora, 1986.

ALTHUSSER, Louis. A filosofia, a política e a ciência In: ALTHUSSER, Louis e BADIOU, Alain: Materialismo histórico e materialismo dialético. São Paulo: Global Editora, 1986a.

BARTH, Fredrik (1998). Grupos étnicos e suas fronteiras In: POUTIGNAT, P. e STREIFF-FENART, J. (orgs.): Teorias da etnicidade. São Paulo: UNESP, 1998.

BARTHES, Roland. O grau zero da escrita. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

BARTHES, Roland. Roland Barthes – Inéditos, Vol. 1 – Teoria. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

BARTHES, Roland. As ciências humanas e a obra de Lévi-Strauss In: Inéditos, Vol I – Teoria. São Paulo: Martins Fontes, 2004a.

BARTHES, Roland. Sociedade, imaginação, publicidade In: Roland Barthes, Inéditos Vol. 3 – Imagem e Moda. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

BARTHES, Roland. Civilização da imagem In: Roland Barthes, Inéditos Vol. 3 – Imagem e moda. São Paulo: Martins Fontes, 2005a.

BARTHES, Roland. El susurro del lenguaje. Barcelona: Paidós, 1994.

BARTHES, Roland. Elementos de semiologia. São Paulo: Cultrix, s.d.

BENJAMIN, Walter. A obra de arte no tempo da sua reprodutibilidade técnica In: Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1975.

BENJAMIN, Walter. O conceito de crítica de arte no romantismo alemão. Campinas (SP): Iluminuras, 1999.

BENJAMIN, Walter A obra de arte no tempo da sua reprodutibilidade técnica In: Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1975b.

BENJAMIN, Walter. Alguns temas em Baudelaire in: Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1975c.

BENJAMIN, Walter. Paris no Segundo Império In: Walter Benjamin. Obras Escolhidas, Vol. III. São Paulo: Brasiliense, 1989.

BENJAMIN, Walter. Passagens. BH: UFMG; São Paulo: Imprensa Oficial, 2006.

BIANCHI, Françoise. O Fio das idéias: uma eco-biografia intelectual de Edgar Morin. Lisboa: Instituo Piaget, 2003.

BOLLE, Willi. Fisiognomia da metrópole moderna: representação da história em Walter Benjamin. São Paulo: EDUSP, 2000.

CEVASCO, Maria Elisa. Para ler Raymond Williams. São Paulo: Paz e Terra, 2001.

DERRIDA, Jacques. A Escritura e a diferença. São Paulo, SP: Perspectiva, 2005.

DOSSE, François. História do estruturalismo, Vol. I O Campo do Signo. Bauru (SP): EDUSC, 2007.

DUMAZEDIER, Joffre. A propos de l´etude de Michael Pollack sur ´Paul Lazarsfeld fondateur d´une multanationale scientifique. Actes de la Recherche em Sciences Sociales, n. 55, nov, 1984.

ELIOT, T. S. Notas para uma definição de cultura. SP: Perspectiva, 2008.

FARIAS, E.; COUTO, B.G.; RODRIGUES, T. A Sociologia da Cultura no Brasil em artigos (2008–2018). BIB, São Paulo, n. 92, 2020 (publicada em abril de 2020), pp. 01-36.

FILMER, Paul. A estrutura do sentimento e das formações sócio-culturais: o sentido de literatura e de experiência para a sociologia da cultura de Raymond Williams. Estudos de Sociologia, Araraquara, v.14, n.27, pp.371-396, 2009.

FOUCAULT, Michel. A Arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000.

FOUCAULT, Michel. As Palavras e as coisas. São Paulo: Martins Fontes, 2000a.

FOUCAULT, Michel. Linguagem e literatura In: Roberto Machado: Foucault, Filosofia e a Literatura. RJ: Jorge Zahar Editor, 2001.

GRAMSCI, Antônio. Maquiavel, o príncipe e o estado moderno. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980.

GRAMSCI, Antônio. Os intelectuais e a organização da cultura. SP: Civilização Brasileira, s.d.

HABERMAS, Jürgen. “Técnica e Ciência como Ideologia” in: Os Pensadores (Benjamin, Adorno, Horkheimer, Marcuse e Habermas). SP: Abril Cultural 1975.

HABERMAS, Jürgen. O discurso filosófico da modernidade. Lisboa, Edições D’Quixote, 1990.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: UFMG; Brasília: Unesco, 2003.

HOBSBAWN, Eric. A era dos extremos. SP: Cia das Letras, 1996.

HOGGART, Richard. As utilizações da cultura: aspectos da vida da classe trabalhadora, com especiais referências a publicações e divertimentos. Lisboa: Editorial Presença, 1973.

HORKHEIMER, Max. Eclipse da razão. São Paulo: Editora Unesp, 2015.

HORKHEIMER, Max. Teoria crítica e teoria tradicional. In: Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1975.

IONESCO, Eugène. Os rinocerontes. São Paulo: Abril, 1976.

KRISTEVA, Julia. Bajtín, la palabra, el diálogo y la novela In: Navarro, Desiderio (selecc. y trad.): lntertextualité. La Habana: UNEAC, Casa de las Américas, 1997.

LAZARSFELD, Paul. Remarks on administrative on critical communications research In: Studies in philosophy and Social Sciences. 1941.

LE BON, Gustav. Psicologia das multidões. São Paulo: Martins Fontes, 2019.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O Pensamento selvagem. São Paulo: Cia Editora Nacional, 1976.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Antropologia estrutural. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1975.

LUKÁCS. Georg. A Alma e as formas. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

LUKÁCS, Georg. História e consciência de classe. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

MARCUSE, Herbert. Cultura e sociedade, Vol. 1 (Sobre o caráter afirmativo da cultura para a crítica do hedonismo). RJ: Paz e Terra, 1997.

MARX, Karl. Fragmento da versão primitiva da contribuição à crítica da economia política (1858) In: Contribuição à crítica da economia política. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

MARX, Karl. O Capital: Livro 1 – O processo de produção do capital (Vol. 2). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1998.

MATOS, Olgária. Os Arcanos do inteiramente outro: a escola de Frankfurt, a melancolia, a revolução. São Paulo: Editora Brasiliense, 1995.

MERLEAU-PONTY, Maurice. De Mauss a Claude Lévi-Strauss In: Os Pensadores (Merleau-Ponty). São Paulo: Abril Cultural, 1980.

MORIN, Edgar. Culturas de massas no século XX: o “espírito do tempo”, Vol. I – a neurose. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1990.

NOBRE, Marcos. A Teoria crítica. Jorge Zahar, Rio de Janeiro 2004,

NIETZSCHE, Friedrich. Origem da tragédia. Lisboa: Guimarães, 1978.

ORTEGA y GASSET, José. A rebelião das massas. Campinas: Vide, 2015.

POLLAK, Michael. Paul F. Lazersfeld fondateur d´une multinationale scientifique. Actes de la Recherche em Sciences Sociales, n. 55, nov, 1984a.

POLLAK, Michael. Projet scientifique carriere profissionnelle et estrategie politique. Actes de la Recherche em Sciences Sociales, n. 55, nov, 1984b.

PROKOP, Dieter. Fascinação e tédio na comunicação: produtos de monopólio e consciência; A estrutura monopolística internacional da produção cinematográfica In: MARCONDES FILHO, Ciro (Org.): Dieter Prokop. São Paulo: Ática, 1986.

PRADO JÚNIOR, Caio. O estruturalismo de Lévi-Strauss. O marxismo de Louis Althusser. São Paulo: Brasiliense, 1971.

RIESMAN, David. A multidão solitária. São Paulo: Perspectiva, 1995.

ROCHLITZ, Rainer. A filosofia de Walter Benjamin. Bauru (SP): EDUSC, 2003.

SAFRANSKI, Rüdiger. Romantismo: uma questão alemã. São Paulo: Estação Liberdade, 2010.

SONTAG, Susan. Questão de ênfase: ensaios. São Paulo: Cia das Letras, 2005.

THOMPSON, E. P. A miséria da teoria, ou um planetário de erros: uma Crítica ao Pensamento de Althusser. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1981.

TOURAINE, Alain. Crítica da modernidade. Petrópolis (RJ): Vozes, 1994.

WILLIAMS, Raymond. Cultura e sociedade. São Paulo: Cia Nacional, 1969.

WILLIAMS, Raymond. Television: technology and cultural form. New York: Schocken Books, 1974.

WILLIAMS, Raymond. You´re a Marxist, aren´t you? In: Resources of hoppe, 1975.

WILLIAMS, Raymond. Marxismo e literatura. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1979.

WILLIAMS, Raymond. Campo e cidade: na história e na literatura. São Paulo: Cia das Letras, 1989.

WILLIAMS, Raymond. On television: selected writings. Edited by Alan O´Connor, London – New York: Routledge, 1989.

WILLIAMS, Raymond. Cultura. Rio de Janeiro: Paz e Terra,1992.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>