Aspectos subjetivos da amamentação e desmame

evidências em três casos

  • Andrea Gabriela Ferrari Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Evandro de Quadros Cherer Universidade de Brasília
  • Cesar Augusto Piccinini Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Amamentação, Desmame, Mãe-criança, Maternidade, Psicanálise

Resumo

Este estudo investigou aspectos subjetivos da amamentação e desmame aos três e oito meses de vida do bebê. Utilizou-se delineamento de estudo de caso coletivo, sendo que três mães primíparas responderam a uma entrevista sobre diversos aspectos da maternidade, sobretudo, a amamentação e desmame. Análise de conteúdo qualitativa das respostas, baseada na psicanálise, revelou que a amamentação pode ser índice da relação incestuosa mãe-bebê, na qual esse pode ser tomado como objeto de desejo materno. As mães também relataram experiências de prazer e desprazer associadas à amamentação, evidenciando ambivalências e dificuldades presentes. Compreendeu-se que a amamentação e o desmame abarcaram significados e implicações para além do biológico, remetendo-se à relação mãe-filho, bem como à história constitutiva da própria mãe.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andrea Gabriela Ferrari, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Psicóloga, Psicanalista. Doutora em Psicologia do Desenvolvimento pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Docente do Departamento de Psicanálise e Psicopatologia do Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Evandro de Quadros Cherer, Universidade de Brasília

Doutorando em Psicologia Clínica e Cultura pela Universidade de Brasília. Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande Sul. Psicólogo pela Universidade Federal de Santa Maria.

Cesar Augusto Piccinini, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Psicólogo. Doutor em Psicologia pela University of London (Inglaterra), com Pós-Doutorado na mesma Instituição, pesquisador do CNPq e docente do PPG Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). 

Referências

Brazelton, T.,& Cramer, B. (1992). As primeiras relações. São Paulo: Martins Fontes.

Campagnolo, P. D. B., Louzada, M. L. D. C., Silveira, E. L., & Vitolo, M. R. (2012). Práticas alimentares no primeiro ano de vida e fatores associados em amostra representativa da cidade de Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Revista de Nutrição, 25(4), 431-439.

Carrascoza, K.C., Costa Junior, Á.L., & Moraes, A. B.A. D. (2005). Fatores que influenciam o desmame precoce e a extensão do aleitamento materno. Estudos de Piscologia (Campinas), 22(4), 433-440.

Cotrim, L. C., Venancio, S. I., & Escuder, M. M. L. (2002). Uso de chupeta e amamentação em crianças menores de quatro meses no estado de São Paulo. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 2(3) 245-252.

Dolto, F. (2004). A imagem inconsciente do corpo. São Paulo: Perspectiva.

Feliciano, D. S., & Souza, A. S. L. (2011). Para além do seio: Uma proposta de intervenção psicanalítica pais-bebê a partir de dificuldades na amamentação. Jornal de Psicanálise, 44(81), 145-161.

Fleck, A.,& Piccinini, C. A. (2013). O bebê imaginário e o bebê real no contexto da prematuridade: Do nascimento ao 3º mês após a alta. Aletheia, 40, 14-30.

Freud, S. (2004). À guisa de introdução ao narcisismo. Em Escritos sobre a psicologia do inconsciente. (vol. 1, pp. 95-131). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1914)

Grupo de Interação Social, Desenvolvimento e Psicopatologia – GIDEP. (1998a). Entrevista de dados demográficos do casal (Instrumento não publicado). Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Grupo de Interação Social, Desenvolvimento e Psicopatologia – GIDEP. (1998b). Entrevista sobre a Experiência da Maternidade - primeiro trimestre do bebê (Instrumento não publicado). Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Grupo de Interação Social, Desenvolvimento e Psicopatologia – GIDEP. (1998c). Entrevista sobre o temperamento do bebê - primeiro trimestre do bebê (Instrumento não publicado). Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Grupo de Interação Social, Desenvolvimento e Psicopatologia – GIDEP. (1998d). Entrevista sobre a Experiência da Maternidade – oitavo mês do bebê (Instrumento não publicado). Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Grupo de Interação Social, Desenvolvimento e Psicopatologia – GIDEP. (1998e). Entrevista sobre o temperamento do bebê – oitavo mês do bebê (Instrumento não publicado). Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Lacan, J. (1995). O seminário, livro 4: A relação de objeto. Rio de Janeiro: Zahar. (Original publicado em 1957)

Lacan, J. (1998). O estádio do espelho como formador da função do Eu. Em Escritos (pp. 96-103). Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Original publicado em 1949)

Lacan, J. (1999). Seminário Livro 5: As formações do inconsciente. Rio de Janeiro: Zahar. (Original publicado em 1958)

Lebovici, S. (1987). O bebê, a mãe e o psicanalista. Porto Alegre: Artes médicas.

Levin, E. (2005). Cenas e cenários no ato de amamentar. Em L. Sales (Org.), Pra que essa boca tão grande? Questões acerca da oralidade (pp. 87-114). Salvador: Ágalma.

Lighezzolo, J., Boubou, F., Souillot,C., & Tychey, C. (2005). Allaitement prolongé et ratés du sevrage : Réflexions psychodynamiques. Cliniques Méditerranéennes, 72(2), 265-280.

Middlemore. M.P. (1974). Mãe e filho na amamentação: Uma analista observa a dupla amamentar. São Paulo: Inbrex.

Nakano, A.M.S., & Mamede, M.V. (1999). A prática do aleitamento materno em um grupo de mulheres brasileiras: Movimento de acomodação e resistência. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 7(3), 69-76.

O’brien, M., Buikstra, E., & Hegney, D. (2008). The influence of psychological factors on breastfeeding duration. Journal of Advanced Nursing, 63, 397–408.

Organização Mundial da Saúde. (2001). Evidências científicas dos dez passos para o sucesso no aleitamento materno. Brasília: Organização Pan-Americana de Saúde.

Piccinini, C. A., Tudge, J., Lopes, R. S., & Sperb, T. M. (1998-2012). Estudo longitudinal de Porto Alegre: Da gestação à escola (Projeto não publicado). Instituto de Psicologia, Universidade

Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Queiroz, T. C. N. (2005). Do desmame ao sujeito. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Ramos, C.V., & Almeida, J.A.G. (2003). Alegações maternas para o desmame: Estudo qualitativo. Jornal de Pediatria, 79(5), 385-390.

Rodulfo, R. (1990). O brincar e o significante: Um estudo psicanalítico sobre a constituição precoce. Porto Alegre: Artes Médicas.

Sales, L. M. (2005). Preocupações acerca dos efeitos psíquicos do aleitamento materno exclusivo sobre a função materna e sobre o bebê. Em L. Sales (Org.), Pra que essa boca tão grande? Questões acerca da oralidade (pp. 115-132). Salvador: Ágalma.

Sampaio, M. A., Falbo, A.R., Camarotti, M.C., Vasconcelos, M.G.L., Echeverria, A., Lima, G., ... Prado, J.V.Z. (2010). Psicodinâmica interativa mãe-criança e desmame. Psicologia Teoria e Pesquisa, 26(4), 613-621.

Stake, R. E. (1994). Case Studies. Em N. Denzin & Y. Lincoln (Eds.), Handbook of qualitative research (pp. 236-247). Londres: Sage.

Stern, D. (1997). A constelação da maternidade. Porto Alegre: Artes Médicas.

Winnicott, D. (1967). La familia y el desarrollo del individuo. Buenos Aires: Paidós.

Winnicott, D. W. (1977). Alimentação do Bebê. Em A criança e o seu mundo (4ª ed., pp. 31-36). Rio de Janeiro: Zahar. (Originalmente publicado em 1945a)

Winnicott, D. W. (1977). O Desmame. EmA criança e o seu mundo (4ª ed., pp. 89-94). Rio de Janeiro: Zahar. (Originalmente publicado em 1945b)

Winnicott., D.W. (2006). A amamentação como forma de comunicação (J. L. Camargo, Trad.) Em Os bebês e suas mães. (pp. 19-27) São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em 1968)

Publicado
2017-08-29
Como Citar
Ferrari, A., de Quadros Cherer, E., & Piccinini, C. (2017). Aspectos subjetivos da amamentação e desmame. Psicologia: Teoria E Pesquisa, 33(1). Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/revistaptp/article/view/19470
Seção
Estudos Empíricos

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##