Brasil, a Antessala do Golpe: reformismo fraco, crise orgânica e geopolítica mundial

  • Marcos Aurélio da Silva Universidade Federal de Santa Catarina
Palavras-chave: Crise orgânica, espacialidade, geopolítica, golpe no Brasil.

Resumo

Utilizando as categorias de análise de Antonio Gramsci em sua intrínseca espacialidade, bem como explorando as fortes conexões geográficas ligadas ao desenvolvimento desigual que toca ao processo histórico da formação social brasileira, e em especial as ligações com a geopolítica mundial e a divisão internacional do trabalho a este desenvolvimento inerentes, o artigo discute as condições que forjaram o golpe de Estado contra Dilma Rousseff no ano de 2016. A abordagem proposta volta-se para a crítica seja da explicação economicista, seja daquela que despreza as relações sociais que se enraízam na produção capitalista. Busca-se com isto uma interpretação em termos de totalidade social, que é o sentido da crise orgânica em Gramsci, pondo em evidência as relações entre estrutura, espaço e superestrutura. Do ponto de vista do processo histórico da formação social brasileira, o artigo parte de um diálogo com interpretações clássicas e atuais que fornecem elementos à definição do problema do desenvolvimento desigual em suas relações internas e internacionais. A conclusão indica que o golpe brasileiro de 2016 resultou de uma complexa imbricação entre as contradições internas da formação social nacional, elas mesmas de aberta expressão espacial, e os mais recentes interesses geopolíticos dos Estados Unidos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Aurélio da Silva, Universidade Federal de Santa Catarina

 Professor do Departamento de Geociências e do Programa de Pós-graduação em Geografia da Universidade Federal de Santa Catarina. Doutor em Geografia Humana pela FFLCH-USP, com estágio de Pós-doutorado em Filosofia Política na Univerdsità degli Studi di Urbino (Itália)

Referências

AMORIM, Celso. Breves narrativas diplomáticas. São Paulo, Benvirá, 2013.

ARCARY, Valério. Junho de 2013 a 2015: as „placas tectônicas‟ começaram a se mover? In: Crítica marxista, no. 42, 2016.

AZZARÀ, Stefano. G. Restaurazione e rivoluzione passiva postmoderna nel ciclo neoliberale: un trasformismo intellettuale di massa. In: Historical Materialism Rome Conference 2015. Roma, 17-19 settembre 2015.

BOITO Jr, Armando. Governos Lula: a nova burguesia nacional no poder. In: Boito, A. e Galvão, A. (orgs.). Política e classes sociais no Brasil dos anos 2000. São Paulo: Alameda; Fapesp, 2012.

_____. A crise política do neodesenvolvimentismo e a crise da democracia. In: Crítica marxista, no. 42, 2016a.

____. Os atores e o enredo da crise política. In: Por que gritamos golpe?: para entender o impeachment e a crise. In: Jinkings, I. Doria, K. Cleto, M. (orgs.). São Paulo: Boitempo, 2016b.

COITINHO, Rita. M. Entre duas Américas (Geografia Política da Inserção do Brasil na América Latina). Tese de Doutorado. Universidade Federal de Santa Catarina. Programa de Pós-Graduação em Geografia, Florianópolis, 2018.

COMPARATO, Fábio K. O impeachment as oligarquias. In: Carta Capital, no 1001, maio 2018. DOBB, Maurice. A evolução do capitalismo. 9 ed. Trad. M. R. Braga. Rio de Janero: LTC, 1987.

DRUMMOND, Carlos. A marinha mostra o rumo. In: Carta Capital, no. 974, out. 2017.

ESCOBAR, Pepe. Império do Caos. Vol 1. Trad. Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Revan, 2016.

FERRARI, Levi. B. Da nova guerra fria ao impeachment de Dilma. In: Proner, C., Cittadino, G., Tenenbaum, M. e Filho, W. R. (orgs.). A resistência ao golpe de 2016. Bauru-SP: Canal 6, 2016.

GALVÃO, Luís A. A crítica acrítica da razão dualista. In: Debate e Crítica, no. 3, 1974.

GRAMSCI, Antonio. Quaderni del Carcere. Edizione critica dell‟Istituto Gramsci a cura di Valentino Gerratana.Torino: Einaudi, 1977.

GRIMALDI, Fulvio. Milosevic, l‟ultima intervista. In: GIUSTI, Roberto e HÖBEL, Alexander. La NATO in Jugoslavia: dalla guerra al colpo di Stato. Napoli: La Città del Sole, 2001.

LÊNIN, Vladimir I. Prefácio à segunda edição. In: O desenvolvimento do capitalismo na Rússia. O processo de formação do mercado interno para a grande indústria. Trad. J. P. Netto. 2 ed. São Paulo: Abril Cultural, 1982. _____. Imperialismo, fase superior do capitalismo. São Paulo: Global, 1987.

LEFEBVRE, Henri. De La ciudade a La sociedad urbana. In: La revolución urbana. 4 ed. Madrid: Alianza Editorial, 1983.

LIGOURI, Guido. Berlinguer rivoluzionario. Il pensiero político di un comunista democratico. Roma: Carocci, 2014.

LOJKINE, Jean. O estado capitalista e a questão urbana. Trad. E. dos S. Abreu. São Paulo: Martisn Fontes, 1981. LOSURDO, Domenico. Esiste oggi un imperialismo europeo? L’Ernesto Rivista, set. 2004.

_____. La non-violenza. Una storia fuori dal mito. Roma-Bari: Laterza, 2010.

_____. La lotta di classe. Una stora politica e filosofica. Roma-Bari: Laterza, 2013.

_____. Il marxismo occidentale. Come nacque, come morì, come può rinascere. Bari-Roma: Laterza, 2017. MAMIGONIAN, Armen. O enigma brasileiro atual: Lula será devorado? Ciência Geográfica, Bauru, no. 10, vol. 10 (2), maio/agosto, 2004.

MARX. Karl. Contribuição à crítica da economia política. 2 ed. Trad. M. H. B. Alves. São Paulo: Martins, 1983. MORTON, Adam. Gramsci em movimento: a espacialidade da revolução passiva. Trad. D. Mussi e C. Góes. In: Gramsci: periferia e subalternidade. Del Roio, M. (org.). São Paulo: Edusp, 2017.

NASSIF, Luis. Lava Jato: tudo começou em junho de 2013 com a Primavera brasileira. In: Proner, C., Cittadino, G., Tenenbaum, M. e Filho, W. R. (orgs.). A resistência ao golpe de 2016. Bauru-SP: Canal 6, 2016.

OLIVEIRA, Francisco. A economia brasileira: crítica à razão dualista. 6 ed. Petrópolis: Vozes, 1988.

POMAR, Valter. Brasil: variáveis estratégicas. In: Crítica marxista, no. 42, 2016. RANGEL, Ignácio. A história da dualidade brasileira. In: Revista de Economia Política, vol. 1, no. 4, out.-dez. 1981.

_____. Economia: milagre e anti-milagre. 2 ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1986.

REHMANN, Jan. I nietzscheani di sinistra: Deleuze, Foulcault e il postmodernismo: una decostruzione. Trad. Azzarà, S. G. Roma: ODRADEK, 2009.

ROUSSEFF, Dilma. A segunda Torre de Dilma. Valor Econômico, 17.03.2017. Entrevista a Maria Cristina Fernandes. SAAD FILHO, Alfredo. Avanços, contradições e limites dos governos petistas. In: Crítica marxista, no. 42, 2016. SAFATLE, Vladimir. Parar de crescer. In: Carta Capital, no 784, jan. 2014. https://www.cartacapital.com.br/revista/784/parar-de-crescer-5994.html (Acesso 25.05.18) SANTOS, Milton. Por uma geografia nova. São Paulo: Edusp, 2008.

SANTOS, Wanderley G. dos. A democracia impedida: o Brasil no século XXI. Rio de Janeiro: FGV, 2017. SILVA, Marcos A. da. La crisi politica brasiliana. Gramsci Oggi, no. 2, jul. 2013a.

_____. Na senda do reformismo: o Brasil sob os governos do PT. Crítica e sociedade: revista de cultura política, vol. 3, no. 2, dez. 2013b.

_____. Imperialismo e geopolítica: a luta de classes nas eleições brasileiras. Princípios, no. 131, jun.-jul. 2014. SINGER, André. Os sentidos do lulismo. Reforma gradual e pacto conservador. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

_____. A (falta de) base política para o ensaio desenvolvimentista. In: As contradições do lulismo: a que ponto chegamos? São Paulo: Boitempo, 2016. STONE, Oliver. As entrevistas de Putin. Trad. C. Szlak, Rio de Janeiro: BestSeller, 2017.

SOUZA, Jessé. A radiografia do golpe. Rio de Janeiro: LeYa, 2016.

Publicado
2018-12-20
Seção
Artigos