CHAMADA PARA SUBMISSÃO DE ARTIGOS – Dossiê: "Quadrinhos em perspectiva histórica: temas e abordagens" (vol. 4, n. 7 de 2016)

DOSSIÊ "Quadrinhos em perspectiva histórica: temas e abordagens

DESCRIÇÃO DA PROPOSTA: Caso viéssemos a perguntar para algum leitor contemporâneo de histórias em quadrinhos quais elementos poderiam ser associados atualmente ao formato, possivelmente teríamos algumas referências a: graphic novel; manga; cinema, principalmente através das adaptações de personagens da Marvel Comics; consumo em livrarias; álbuns de luxo; leitura na internet. Todos eles apontam para um cenário completamente distinto do leitor de quadrinhos de cento e dez anos atrás, momento onde as primeiras manifestações gráficas relacionadas a eles – logo metonimicamente classificadas como comics – começaram a despontar em suplementos dominicais como estratégias editoriais para o incremento das vendas de jornais norte-americanos. Para chegarmos às publicações contemporâneas nos formatos graphic novels e virtual, foi uma longa trajetória: primeiro, no interior das páginas dos jornais, quando os quadrinhos passaram a ser veiculados diariamente; em seguida, quando ganham um suporte próprio, a revista em quadrinhos; anos depois, quando a revista se torna independente de grandes editoras, no que se tornou conhecido como comix underground; e, por fim, no interior da revista, com o surgimento de narrativas mais complexas, envolvendo temas adultos e a contestação dos próprios paradigmas relacionados aos formatos e suportes, tais como as crises das narrativas dos super-heróis presentes nas revistas dos anos 1980. Tudo isso ocorre, por vezes, de forma concomitante, e deve ser compreendida em articulação com questões de ordem técnica, estética e histórica. A profusão de temas e abordagens possíveis às histórias em quadrinhos contrasta com a aridez dos estudos históricos em torno do tema realizados no Brasil. Enquanto a historiografia francesa, referência importante para a produção historiográfica brasileira, já descobriu as histórias em quadrinhos há alguns nomes como parte da sua abertura aos “novos temas, objetos e abordagens” – vide autores como Pascal Ory, Jean-Yves Mollier, Jean-Paulo Gabilliet, Thierry Crépin, entre outros –, os historiadores brasileiros se ressentem de estudos específicos que assumam os quadrinhos como problemas históricos. Na busca por superar tal lacuna é que se propõe a organização deste dossiê. Além disso, espera-se também que o dossiê expresse, na medida do possível, o estado da arte dos estudos sobre quadrinhos no país, de forma a possibilitar o mapeamento das tendências gerais das pesquisas recentes, assim como as possibilidades para pesquisas futuras. Por fim, serão aceitos trabalhos ligados a diversas áreas do conhecimento, mas que assumam os quadrinhos a partir de problemas e questões de fundo histórico: cruzamentos e tensões entre tradições visuais distintas; transformações na linguagem ao longo do tema; recepção de quadrinhos ao longo do tempo; e relações entre quadrinhos e política, movimentos sociais, representações, entre outros temas. De forma resumida, portanto, o dossiê tem como objetivos: 1. Mapear o estado da arte da produção historiográfica sobre histórias em quadrinhos; 2. Reunir tendências quanto a temas, abordagens e orientações teórico-metodológicas; 3. Suprir lacunas na bibliografia brasileira sobre o tema, sobretudo para o campo historiográfico; 4. Apontar caminhos e questões para estudos subsequentes que assumam os quadrinhos como problema histórico.

ORGANIZADOR: Ivan Lima Gomes - UEG

PRAZO PARA ENVIO DE ARTIGOS: 30 DE SETEMBRO DE 2015.