Relendo "O Processo" de Kafka como a Manifestação de uma Patologia Social

  • Ronaldo Filho Manzi Universidade de São Paulo
Palavras-chave: autocalúnia, confissão, tragédia, comédia, patologia social

Resumo

Esse texto busca retomar, primeiramente, a leitura de Agamben de "O processo" de Kafka. Sua proposta é que o personagem, Joseph K., realiza uma autocalúnia. Agamben sugere que tal autocalúnia é o que cada homem realiza de si – daí o interesse nesse tema. Seguindo a análise de Agamben, vemos que se trata de uma justificação do culpado perante à lei (como se o direito fosse a forma moderna de redenção de uma culpa). A proposta desse ensaio é interpretar a obra de Kafka por outra via. Pretende-se mostrar que é o social que faz com que K. assuma uma culpa (não havendo, portanto, uma autocalúnia). Nesse caso, haveria uma passagem de uma capacidade de o sujeito duvidar da legitimidade do processo à sua aceitação incondicional – como se o social o levasse a perder essa capacidade de dúvida. Daí porque se dirá de  uma patologia do social: uma sociedade que “adoece” o indivíduo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ronaldo Filho Manzi, Universidade de São Paulo

Graduado em filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (UCG) e formado em psicanálise pelo Centro de Estudos Psicanalíticos (CEP). Possui mestrado em filosofia pela Universidade de São Paulo (USP). Doutor em filosofia pela Universidade de São Paulo (USP) e pela Radboud Universiteit Nijmegen (RUN) (co-tutela). Pós-doutor em filosofia (USP). Publicou a tese de doutorado Quand les corps s'envahissent: Merleau-Ponty face à la psychanalyse (EUE). Co-organizou os livros A filosofia após Freud (Humanitas) e Paisagens da Fenomenologia francesa (UFPR). Publicou artigos em periódicos especializados, além de diversas traduções de artigos e revisões de livros. Atua principalmente nas áreas da Fenomenologia francesa, Psicanálise e da Epistemologia da Psicanálise. Participa do grupo de pesquisa do Laboratório de Estudos em Teoria Social, Filosofia e Psicanálise (USP). É membro da International Society of Psychoanalysis and Philosophy (ISPP).

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Categorias italianas – Estudos de poética e literatura. Trad. Carlos Eduardo Schmidt Capela e Vinícius Nicastro Honesko. Florianópolis: Editoda UFSC, 2014.

______. Nudez. Trad. Miguel Serras Pereira. Lisboa: Relógio D’Água, 2010.

______. Profanações. Trad. Selvino Assmann. São Paulo: Boitempo, 2007.

ARISTÓTELES; HORÁCIO; LONGINO. A poética clássica. Trad. Jaime Bruna. São Paulo: Cultrix, 1997.

FREUD, Sigmund. “Conferência 21 – O desenvolvimento da libido e as organizações sexuais (1917)”. In: Obras completas vol. 13– Conferências
introdutórias à psicanálise (1916-1917). Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das letras, 2014a.

______. “A negação (1925)”. In: Obras completas vol. 16 – O eu e o id, “Autobiografia” e outros textos (1926-1929). Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das letras, 2011.

______. “A questão da análise leiga: diálogo com um interlocutor imparcial (1926)”. In: Obras completas vol. 17 – Inibição, sintoma e angústia, O futuro de uma ilusão e outros textos (1926-1929). Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das letras, 2014b.

______. “A repressão (1915)”. In: Obras completas vol. 12 – Introdução ao narcisismo, Ensaios de metapsicologia e outros textos (1914-1916). Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das letras, 2010.

FOUCAULT, Michel. Histoire de la sexualité I – la volonté de savoir. Paris: Gallimard, 2005.

KAFKA, Franz. O processo. Trad. Modesto Carone. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

LACAN, Jacques. Le séminaire VIII – Le transfert (1960-1961). Paris: Seuil, 1991.
Publicado
2018-12-28
Como Citar
ManziR. F. Relendo "O Processo" de Kafka como a Manifestação de uma Patologia Social. Revista de Filosofia Moderna e Contemporânea, v. 6, n. 2, p. 153-180, 28 dez. 2018.