Conceitos Matemáticos como Tipos Naturais

Palavras-chave: definições matemáticas, tipos naturais, essência, estrutura

Resumo

Este artigo apresenta uma abordagem de termos matemáticos semelhante à abordagem desenvolvida por Kripke para lidar com termos de tipo natural; na verdade, eu defendo que termos matemáticos são termos de tipo natural no sentido de Kripke. Assim, sugiro que, a partir de uma perspectiva semântica, tais termos devem ser vistos principalmente como termos referentes, e, de uma perspectiva metafísica, que boas definições de tais termos devem incorporar informações estruturais sobre os exemplares do tipo em questão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Arvage Nagase, Universidade de São Paulo

Mestre, e doutorando em filosofia pela USP. Tem experiência na área de Filosofia, com ênfase em Lógica, Metafísica e Filosofia da Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: filosofia da lógica, logicalidade, teoria de Galois abstrata, mereologia, filosofia da essência, grounding e neo-abstracionismo matemático.

Referências

FINE, Kit. "Essence and Modality". Philosophical Perspectives 8, 1994, pp. 1-16

__________. "Senses of Essence". Modality, Morality, and Belief: Essays in Honor of Ruth Barcan-Marcus.

__________. "The Logic of Essence". Journal of Philosophical Logic 24, 1995, pp. 241-273.

__________. "Things and Their Parts". Midwest Studies in Philosophy 23, 1999, pp. 61-74.

__________. "Semantics for the Logic of Essence". Journal of Philosophical Logic 29, 2000, pp. 543-584.

KRIPKE, Saul A. Naming and Necessity. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press, 1980.

SHELAH, Saharon. Classification Theory and the Number of Non-Isomorphic Models. 2nd edition. Amsterdam: North-Holland, 1990.

Publicado
2018-12-28
Como Citar
NagaseD. A. Conceitos Matemáticos como Tipos Naturais. Revista de Filosofia Moderna e Contemporânea, v. 6, n. 2, p. 07-13, 28 dez. 2018.