A Pedagogia de Exu: educar para resistir e (r)existir

Autores

  • João Augusto dos Reis Neto Universidade Federal de São João Del Rei

DOI:

https://doi.org/10.26512/revistacalundu.v3i2.27476

Palavras-chave:

Exu. Pedagogia exúlica. Decolonialidade. Epistemologias do Sul. Estudos decoloniais.

Resumo

Este texto é um ato de resistência à lógica colonial a qual fomos historicamente submetidos e trata de discutir as possibilidades de uma outra pedagogia, chamada de exúlica. Parto da noção de que vivemos sob o regime da colonialidade (Quijano, 1997; 1998) e que é no enfrentamento, na resistência a este regime que produziremos novas epistemologias, dialogando, essencialmente com as epistemologias do Sul, e, desse modo produzir outros modos de ensinar e aprender. Nesse sentido, o objetivo deste texto é apresentar, a partir de um recorte de um estudo mais amplo, as possibilidades de construção de uma pedagogia humanizadora, antirracista, contra hegemônica, a partir dos valores e princípios do pensamento afro-religioso, centrada na figura do orixá Exu. Por isso, tomamos Exu como signo da resistência epistêmica e da identidade afro-brasileira, como aquele que inaugura outras possibilidades de (r)existência e resistência no contexto de racismo e discriminação que vivemos. Ao longo do texto apresentamos elementos constituintes da chamada pedagogia exúlica. Por fim, apresentamos uma síntese do que podemos considerar como a sistematização dessa construção epistêmica para a pedagogia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AREDA, Felipe. “Exu e a reescrita do mundo”. Revista África e Africanidades - Ano I, n. 1, 2008.

ARROYO, Miguel. Outros Sujeitos, Outras Pedagogias. 1. ed. Petrópolis: Vozes, 2012.

BAKHTIN, Mikhail. Problemas da poética de Dostoiévski. (Tradução de Paulo Bezerra). Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da Criação Verbal. 6° Ed. (Tradução de Paulo Bezerra). São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BOTELHO, Denise Maria. “Educação e Orixás: processos educativos no Ilê Axé Iya Mi Agba”. 2005. 126f. Tese de doutorado (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

ARAÚJO, Patrício Carneiro. “Entre o terreiro e a escola: Lei 10639/03 e intolerância religiosa sob o olhar antropológico”. 2015. 242 p. Tese (Doutorado em Ciências Sociais - Antropologia) – Pontifícia Universidade Católica, São Paulo. 2015.

CAPUTO, Stela Guedes. Educação nos terreiros: e como a escola se relaciona com crianças de Candomblé. Rio de Janeiro: Pallas, 2012.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

GOMES, Nilma Lino. “Por uma indignação antirracista e diaspórica: negritude e afro-brasilidade em tempos de incertezas”. Revista ABPN, v.10, 2018.

GOMES, Nilma Lino. “Relações étnico-raciais, educação e descolonização dos currículos”. Currículo sem Fronteiras, v.12, n.1, Jan/Abr 2012.

HAMPATÉ BÂ, Amadou. “A tradição viva”. In: KI-ZERBO (Editor). História geral da África, I: Metodologia e pré-história da África. Brasília: UNESCO, 2010.

KAWAHALA, Edelu. “Na encruzilhada tem muitos caminhos- teoria descolonial e epistemologia de Exu na canção de Martinho da Vila”. Tese (Doutorado em Literatura) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014. 209 p.

KING, Sàlámi Síkírù.; RIBEIRO, Ronilda Iyakemi. Exu e a ordem do universo. São Paulo: Editora Oduduwa, 2° ed., 2015.

LEITE, Vanderlei Furtado. “Candomblé e educação: dos ilês às escolas oficiais de ensino”. 2006. 162 p. Dissertação (Mestrado Interdisciplinar em Educação, Comunicação e Administração) – Universidade São Marcos, São Paulo, 2006.

LUGONES, Maria. “Colonialidad y género”. Tabula Rasa, Núm.9, julio-diciembre, 2008.

OLIVEIRA, Eduardo D. “Filosofia da Ancestralidade: corpo e mito na filosofia da educação brasileira”. 2005. 353f. Tese de doutorado (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2005.

OLIVEIRA, Eduardo D. “Epistemologia da Ancestralidade”. Entrelugares: Revista de Sociopoética e Abordagens Afins, v. 1, 2009.

ORTIZ, Renato. A morte branca do feiticeiro negro: umbanda e sociedade brasileira. São Paulo: Brasiliense, 1999.

PASSOS, Mailsa Carla; CAPUTO, Stela Guedes. “Cultura e conhecimento em terreiros de candomblé: lendo e conversando com Mãe Beata de Yemonjá”. Currículo sem Fronteiras, v. 1, p. 1, 2007.

PORTUGUEZ, Anderson Pereira; BARBOSA, Iago de Paula. Contos de uma
África mítica: a educação pela oralidade nas religiões de matriz afro-brasileira. Ituiutaba: Barlavento, 2019.

PRANDI, Reginaldo. Mitologia dos orixás. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

QUIJANO, Aníbal. “Colonialidad del Poder, Cultura y Conocimiento en América Latina”. Anuário Mariateguiano, v. 9, n. 9, 1997.

QUIJANO, “Aníbal. Colonialidad del poder, cultura y conocimiento en América Latina”. Ecuador Debate, n. 44, Quito (Equador), agosto de 1998.

REIS NETO, João Augusto dos. “Exu e a descolonização da docência: religiosidade afro-brasileira, cinema e a formação de professores(as)”. 2019. 254 p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de São João Del Rei, São João Del Rei. 2019.

RUFINO JUNIOR, Luis Rodrigues. Exu e a pedagogia das encruzilhadas: Sobre conhecimentos, educações e pós-colonialismo. In: VIII Seminário Internacional As Redes Educativas e as Tecnologias: Movimentos Sociais e a Educação, 2015, Rio de Janeiro. VIII Seminário Internacional As Redes Educativas e as Tecnologias: Movimentos Sociais e a Educação, 2015.

RUFINO JUNIOR, Luis R. “Exu e a Pedagogia das Encruzilhadas”. 2017. 233f. Tese de doutorado (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.

SANTOS, Boaventura de Sousa. “Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia dos saberes”. In: SANTOS; MENESES (orgs). Epistemologias do Sul. São Paulo. Cortez, 2010, p. 23-73.

SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (Orgs.). Epistemologias do Sul. 2 ed. - São Paulo: Cortez, 2010.

SERAFIM, Vanda F; GONZAGA, Giovane M. “Exu e as Ciências Humanas no Brasil do século XX”. Caicó, v. 15, n. 34, jan./jun. 2014.

SODRÉ, Euriclesio B. “Uma poética de Exu em Mário Cravo Neto”. 2006. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais) - Escola de Belas Artes da UFBA.

SOUZA, Ellen de Lima. “Experiências de infâncias com produções de culturas no Ilê Axé Omo Oxé Ibá Latam”. 2016. 179f. Tese de doutorado (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2016.

VERGER, Pierre; CARYBÉ, Hector J. Lendas Africanas dos Orixás. 4. ed. Salvador:
Corrupio, 2011.

WALSH, Catherine (Ed.). Pedagogías decoloniales: prácticas isurgentes de resistir, (re)existir y (re)viver. Ecuador: Ediciones Abya Yala. 2013.

Publicado

2019-12-30

Como Citar

Neto, J. A. dos R. (2019). A Pedagogia de Exu: educar para resistir e (r)existir. Revista Calundu, 3(2), 25. https://doi.org/10.26512/revistacalundu.v3i2.27476

Edição

Seção

Artigos acadêmicos