O PENSAMENTO RELIGIOSO EM ROSENZWEIG E HEIDEGGER

SIMILITUDES E CONTRAPOSIÇÔES

Autores

  • Christianne Silva Pereira Thomes Viana Faculdade Jesuíta de Teologia e Filosofia - FAJE

Resumo

Não é recente a discussão e reflexão sobre o pensamento religioso em Rosenzweig e em Heidegger. Inclusive as possíveis semelhanças e diferenças entre os autores. Rosenzweig partirá do pressuposto que a religião se dá na experiência concreta, e, Heidegger, na Facticidade. Neste espaço analisaremos alguns dos aspectos análogos e contraditórios acerca dos pensamentos religiosos desses filósofos alemães, seja por assimilação ou nacionalismo pátrio; e ainda, como estes se estenderiam no campo do ensino religioso. Para Rosenzweig, esse caminho, permitiria a transformação possível de uma teoria da religião em uma pedagogia da religião, pois, para ele, compreender judaísmo é praticar judaísmo, mas não enquanto uma religião em si mesma. Para ele, é a experiência pessoal que funda seu pensamento e esta experiência é expressa na linguagem do judaísmo, braço este que justifica o seu existencialismo. Em Heidegger, a tarefa da filosofia postula, por conseguinte, a superação da referida matriz epistemológica, a qual deverá por meio da tarefa do pensamento voltar-se para a temporalidade das épocas do ser através de sua vida fática. Em ambos o caminho da linguagem promove o lugar do ser.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

CARUSO, M. “A Religião sem Deus: contribuição do jovem Heidegger para a filosofia

da religião”. Revista dos Alunos do Programa de Pós-graduação em Ciência da Religião

– UFJF. 2013. Disponível em:

Acesso em: 15 junho 2019.

HEIDEGGER, M. Fenomenologia da Vida Religiosa. Trad. Paulo Giachini et al. Editora

Vozes. São Paulo, 2010.

HEIDEGGER, M. Ser e tempo (SZ [= Sein und Zeit]). Edição em alemão e português.

Tradução organização, nota prévia, anexos e notas por Fausto Castilho. São Paulo;

Petrópolis: Editora Unicamp; Vozes, 2012b.

HEIDEGGER, M. Phänomenologie des religiösen Lebens. Frankfurt: Klostermann,

GUARNIERI, M.C.M. “O ensino religioso em Franz Rosenzweig”. Revista Lusófona de

Ciência das Religiões, n. 12, nov. 2013. ISSN 2183-3737. Disponível em:

<http://revistas.ulusofona.pt/index.php/cienciareligioes/article/view/4009>. Acesso em:

junho 2019.

GUTTMANN, J. A filosofia do judaísmo: a história da filosofia judaica desde os

tempos bíblicos até Franz Rosenzweig. Trad. J. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 2003.

ROSENZWEIG, F. La Estrella de la Redención. Trad. Miguel Garcia-Barò. Ediciones

Sigueme: Salamanca, 2006, 2ª ed.

HENRIQUES, M. C. Franz Rosenzweig e o Pensamento Dialógico. Universidade

Católica Editora. Lisboa. PT. E-book disponível pela KOBO:2017.

MAC DOWELL, J. A. A gênese da ontologia fundamental de M. Heidegger: ensaio de

caracterização do modo de pensar de Sein und Zeit. São Paulo: Loyola, 1993.

SILVEIRA, F. C. Dasein e linguagem em Heidegger: do discurso ao monólogo. 2007.

f. Universidade Federal do Ceará, Programa de Pós-graduação em Filosofia, Fortaleza

(CE), 2007. Disponível:

http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UFC_2457e45bbaa5707dc0901a34d2a2559e Acesso

em: 15 jun. 2019.

Downloads

Publicado

2021-09-01

Como Citar

Thomes Viana, C. S. P. (2021). O PENSAMENTO RELIGIOSO EM ROSENZWEIG E HEIDEGGER: SIMILITUDES E CONTRAPOSIÇÔES. Revista Brasileira De Filosofia Da Religião, 7(2), 157–169. Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/rbfr/article/view/31213

Edição

Seção

Artigos (temática geral)