Viveiros florestais como forma de educação ambiental em uma escola de ensino fundamental do Distrito Federal

Autores

  • Thiago Vinicius Pereira Leite
  • Rosana de Carvalho Cristo Martins Universidade de Brasília
  • Juliana Martins de Mesquita Matos Universidade de Brasília

Palavras-chave:

Germinação de sementes. Produção de mudas. Participação comunitária.

Resumo

Realizar projetos de educação ambiental é um processo delicado que deve ser feito de forma participativa, clara e objetiva; levando em consideração todo o contexto em que a comunidade onde o projeto será desenvolvido está inserida. Assim sendo, este trabalho visa a utilizar a estrutura de um viveiro florestal como forma de educação ambiental para crianças do Ensino Fundamental da Escola Classe número 50, na EQNL 02/04, Setor L-Norte, em Taguatinga Norte, DF. O trabalho foi executado em duas etapas: a primeira foi a de reuniões, palestras e discussões com a comunidade da escola; e a segunda foi a execução propriamente dita do viveiro (de estrutura simples e econômica, de caráter permanente). Em seguida, foram efetuadas avaliações das atividades de educação realizadas, bem como documentação e feira cultural. A utilização da estrutura de um viveiro florestal, como forma de educação ambiental para crianças, mostrou-se eficiente e cumpriu os objetivos propostos para este trabalho.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Vinicius Pereira Leite

Mestre em Ciências Florestais e doutorando do departamento de Engenharia Florestal da UnB. 

Rosana de Carvalho Cristo Martins, Universidade de Brasília

Professora doutora em Silvicultura do Departamento de Engenharia Florestal da UnB. 

Juliana Martins de Mesquita Matos, Universidade de Brasília

Mestre em Ciências Florestais e doutoranda do EFL/ UnB.

Referências

BRASIL. Primeiro relatório nacional para a conservação sobre diversidade biológica: Brasil. Ministério do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos e da Amazônia Legal, Brasília, 1998. 30p.
DIAS, G. F. Educação Ambiental: princípios e práticas. 8. ed. São Paulo: Gaia LTDA. v. 1, 2003, 550p.
FELFILI, J. M.; NOGUEIRA, P. E.; SILVA JÚNIOR, M. C.; MARIMON, B. S.; DELITTI, W. B. C. Composição florística e fitossociologia do cerrado sentido restrito no município de Água Boa, MT. Acta Botanica Brasilica 16(1), p. 103-112. 2002.
IZUWA, M.; MAYUMÍ, M. F.; ROMBALDI, Z. L. A inserção do enfoque ambiental no ensino formal de Goiás. Brasília: Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. 1997. 38p.
MACEDO. A. C. Produção de Mudas em viveiros florestais: espécies nativas. São Paulo. Fundação Florestal, 1993. 17p.
NETO, G. G.; MORAIS, R. G. Recursos Medicinais de espécies do Cerrado de Mato Grosso: Um estudo Bibliográfico. Acta Botânica Brasilica, 17(4), p. 561-584. 2003.
PAIVA, P. H. V. A reserva da biosfera do cerrado: fase II. Tópicos atuais em Botânica: Palestras convidadas do 51º CONGRESSO NACIONAL DE BOTÂNICA, in CAVALCANTI, T. B.; WALTER, B. M. T. (orgs.). Anais. Brasília: Sociedade Botânica do Brasil/EmbrapaCenargen. 2000.
PDA. Manual do Viveirista. V. I. Ética Editora. Imperatriz-MA, 1999.
PLOTKIN, M. J. Traditional knowledge of medicinal plants: the search for new jungle medicines, in AKERELE, O.; HEYWOOD, V.; SYNGE, H. Conservation of medicinal plants. Cambridge University Press, Cambridge. P. 53-64, 1991.
QUINTAS, J. S. Educação no processo de gestão ambiental: uma proposta de educação ambiental transformadora e emancipatória, in LAYRARGUES, P. P. (org.). Identidades da Educação Ambiental Brasileira. MMA. Brasília, 2004. 157p.
TRISTÃO, M. As dimensões e os desafios da Educação Ambiental na Sociedade do Conhecimento, in RUSCHEINSKY, A. (org.). Educação Ambiental: abordagens múltiplas. Porto Alegre-RS: Artmed. 2002. 183p.
UNESCO. Vegetação no Distrito Federal ”“ tempo e espaço. Brasília: Unesco. 2000. 74p.

Downloads

Publicado

2011-12-21

Como Citar

LEITE, Thiago Vinicius Pereira; MARTINS, Rosana de Carvalho Cristo; MATOS, Juliana Martins de Mesquita. Viveiros florestais como forma de educação ambiental em uma escola de ensino fundamental do Distrito Federal. Participação, [S. l.], n. 16, 2011. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/participacao/article/view/24323. Acesso em: 19 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos de desenvolvimento teórico

Artigos Semelhantes

1 2 3 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.