Negritude e diferença no caso da imigração haitiana no sul do Brasil

Autores

Palavras-chave:

Imigração;, Identidade;, Haitianos no Brasil

Resumo

A partir da pesquisa etnográfica junto a um grupo de imigrantes haitianos instalados na região do Vale do Taquari no Rio Grande do Sul o artigo explora os processos de “construção” identitária destes imigrantes com vistas a estabelecer fronteiras que demarcam sua diferença com relação aos negros brasileiros. Questões associadas às estratégias de inserção e ao estabelecimento de redes sociais na manutenção do fluxo migratório também são privilegiadas. O uso das tecnologias de informação permite a estes migrantes permanecer em contato com o país de origem mantendo laços com sua terra natal. As ligações também são mantidas através da música, dança, culinária, a comemoração de datas nacionais do país de origem e o cultivo de uma memória positiva associada ao Haiti. Constroem-se, deste modo, identidades de contraste que reforçam os laços dos etnicamente unidos e estabelecem fronteiras com os brasileiros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Daniel Granada Ferreira, Université de Paris Ouest Nanterre La Défense / Universidade do Vale do Taquari - Univates - Brasil.

Doutor em etnologia e história pela Université de Paris Ouest Nanterre La Défesense e University of Essex. Professor de antropologia e sociologia na Universidade do Vale do Taquari - Univates - RS.

Daniel Granada Ferreira, Université de Paris Ouest Nanterre La Défense / Universidade do Vale do Taquari - Univates - Brasil.

Doutor em etnologia e história pela Université de Paris Ouest Nanterre La Défesense e University of Essex. Professor de antropologia e sociologia na Universidade do Vale do Taquari - Univates - RS.

Referências

AUDEBERT, C. (2012), La Diaspora Haïtienne. Territoires migratoires et réseaux transnationaux, Rennes: Presses Universitaires de Rennes.

BARTH, F. (1998), “Grupos Étnicos e suas Fronteiras”. In. P. Poutignat, J. Streiffe-Fenart, Teorias da Etnicidade, São Paulo: Fundação Editora UNESP.

BASCH, L., GLICK SCHILLER, N., SZANTON BLANC, C. (1994), Nations Unbound: Transnational Projects, Postcolonial Predicaments and the Deterritorialized Nation-State, New York: Gordon and Breach.

CASTELS, M. (1999), A Era da Informação: Economia, Sociedade e Cultura. Vol II ”“ O Poder da Identidade, São Paulo: Paz e Terra.

CAVALCANTI, L. (2014), “Imigração e mercado de trabalho: características e tendências”. In Cavalcanti, L., Oliveira, A., Tonhati, T. (orgs), Relatório parcial a inserção dos imigrantes no mercado de trabalho brasileiro, Brasília: Cadernos do observatório das Migrações Internacionais.

DUTRA, D., ALMEIDA, S., TONHATI, S., PALERMO, G., “Os estrangeiros no mercado de trabalho brasileiro: Perfil geral na série 2011, 2012e 2013”. In L. Cavalcanti, A. Oliveira, T. Tonhati (orgs), Relatório parcial a inserção dos imigrantes no mercado de trabalho brasileiro, Brasília: Cadernos do observatório das Migrações Internacionais.

GLICK-SCHILLER, N., ÇAGLAR, A. (2011) Introduction: Migrants and Cities. In: Glick-Schiller, N., Çaglar, A. (orgs), Locating Migration. Cornell University Press, p. 1 ”“ 19.

MARCUS, G. (1995), “Ethnography in/of the World System: The Emergence of Multi-Sited Ethnography”. Annual Review of Anthropology, 24, pp. 95-117.

_______ (2002), “Au-delà de Malinowski et après Writing Culture : à propos du futur de l’anthropologie culturelle et du malaise de l’ethnographie”. Ethnographiques.org, 1, Disponível em http://www.ethnographiques.org/2002/Marcus.html, [consultado em 13 de março de 2011].

MARGOLIS, M. (1994), Little Brazil: Imigrantes brasileiros em Nova York, Campinas: Papirus.

MARTES, A. C. B. (1999), Brasileiros nos Estados Unidos ”“ um estudo sobre imigrantes em Massachusetts, São Paulo: Paz e Terra.

PATARRA, N. L. (2005), “Migrações internacionais de e para o Brasil contemporâneo”. São Paulo em Perspectiva, 19(3), pp. 23-33.

PERUSEK, G. (1984), “Haitian Emigration in the Early Twentieth Century”. International Migration Review, 18 (I), pp. 4-18.

SCHWARCZ L. M. (1995) O Espetaculo das Raças : Cientistas, instituições e questão racial no Brasil 1870 ”“ 1930. Companhia das Letras. São Paulo.

SEYFERTH, G. (1996) Construindo a nação: hierarquias raciais e o papel do racismo na politica de imigração e colonização. Raça, ciência e sociedade. Orgs. Maio,M.C. & Santos, R.V. Rio de Janeiro, Ed Fiocruz/ Centro Cultural Banco do Brasil.

SEYFERTH, G. (2000), “As identidades dos imigrantes e o melting pot nacional”. Horizontes Antropológicos, 6 (14), pp. 143-176.

SEYFERTH, G. (2002) “Colonização, imigração e a questão racial no Brasil”. REVISTA USP, São Paulo, n.53, p. 117-149, março/maio.

SKIDMORE, T. E. (1989) Preto no Branco: Raça e nacionalidade no pensamento brasileiro. Rio de Janeiro. Paz e terra.

TARRIUS, A (2001), “Le lien social fort comme préalable à la réussite économique”. Journal des anthropologues [en ligne], 84, Disponivel em http://jda.revues.org/2592, [ consultado em 13 de março de 2011].

WEBER, M.(2001), Economia e Sociedade. Vol.1, Brasília: Editora UNB.

Downloads

Publicado

2017-10-26

Como Citar

Ferreira, D. G., & Ferreira, D. G. (2017). Negritude e diferença no caso da imigração haitiana no sul do Brasil. Périplos: Revista De Estudos Sobre Migrações, 1(1), 118–125. Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/obmigra_periplos/article/view/6556