A Festa da bandeira haitiana em Encantado (RS), Brasil

Autores

  • Margarita Rosa Gaviria Mejía
  • Rosmari Terezinha Cazarotto Universidade do Vale do Taquari - Univates

Palavras-chave:

Festa da bandeira, Haiti, Encantado, Migração, Mobilidade

Resumo

O objetivo deste artigo é abordar os significados da celebração da Festa da bandeira haitiana para uma comunidade de migrantes haitianos estabelecida em Encantado, no Vale de Taquari, Rio Grande do Sul. Apoia-se na etnografia da festa e na análise da mobilidade haitiana na região. Perspectiva metodológica que permite analisar aspectos que configuram a experiência da comunidade migrante haitiana nessa cidade, a única das quatro comunidades migratórias do Vale de Taquari que se mobiliza desde 2014 para celebrá-la. Um evento que utiliza meios de expressão da identidade haitiana como gastronomia, teatro, danças e o relato da história do Haiti. Destacando o valor atribuído à bandeira como símbolo das lutas pela independência no Haiti.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

AUDEBERT, Cedric (2012). Territoires migratoires et réseaux transnationaux em La Diaspora Haïtienne. Rennes: Presses Universitaires.

AMARAL, Rita. (1998) . As mediações culturais da festa. Revista Mediações. Londrina, jan/jun. de 1998, Vol. 3. N. 1.p. 13- 22

BASCH, L; GLICK-SCHILLER, N; BLANC SZANTON-, C. (2005). Nations Unbound: transnational projects, postcolonial predicaments, and deterritorialised nation-states. Basel: Gordon and Breach, London, Routledge.

CAILLOIS, Roger. (1950). L'homme et le sacré. Paris: Gallimard, 1950.

CAVALCANTI, Maria Laura Viveiros de Castro. (2013). A festa em perspectiva antropológica: carnaval e os folguedos do boi no Brasil, 19 de janeiro de 2013. http://cral.in2p3.fr/artelogie/IMG/article_PDF/article_a183.pdf. Acesso em 21 de março de 2021.

CAZAROTTO, Rosmari. T.; MEJÍA, Margarita. R. G. (2018). Repercussão socioespacial da imigração haitiana numa pequena cidade: o caso de Encantado – Rio Grande do Sul – Brasil. R. Ra’eGa, Curitiba, v. 45, p. 170-186, dez. 2018.

CONEXÃO HAITI. Encantado. Rádio Encantado. 10 maio 2019. Rádio Disponível em: https://www.facebook.com/392452548229003/videos/1227468237407837. Acesso em 10 de dez. 2019.

DA MATTA, Roberto.(1978). Carnavais. malandros e heróis - Para uma sociologia do dilema brasileiro. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

DELFIM, Rodrigo Borges. (2017). Por que o dia 18 de maio é tão importante para os haitianos? Migra Mundo, 18 mai. 2017. Disponível em: https://migramundo.com/por-que-o-18-de-maio-e-tao-importante-para-os-haitianos-saiba-mais-sobre-a-festa-da-bandeira-do-haiti. Acesso em: 13 de novembro 2019.

DURKHEIM, Émile. (1978). As formas elementares da vida religiosa. Tradução de Carlos Alberto Ribeiro de Moura et al. São Paulo, Abril Cultural.

ELIADE, Mircea. (1972).EI mito del eterno retorno. Madrid: Alianza Editorial.

FERNANDES, Duval; CASTRO, Maria da Conceição. (2014). Estudos sobre a Migração Haitiana ao Brasil e Diálogo Bilateral. Relatório do Projeto. Belo Horizonte, Centro Zanmi. Disponível em:

FERABOLI, Gisele. (2018). Haitianos celebram Dia da Bandeira. Jornal A Hora, 22 maio 2018. Disponível em: https://www.jornalahora.com.br/2018/05/22/haitianos-celebram-dia-da-bandeira. Acesso em: 13 de nov. 2019.

GLICK- SCHILLER, Nina; ÇAGLAR, Ayse (Eds).(2011). Introduction: Migrants and cities. In: Locating migration: rescaling cities and migrants. New York: Cornell University Press, 2011

HANDERSON, Joseph. (2015). Diáspora, sentidos sociais e mobilidades haitianas. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 21, n. 43, p. 51-78, jan./jun. 2015.

IBGE, 2019. Cidades. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rs/encantado/panorama. Acesso em: 16 maio 2020.

MEJÍA, Margarita Rosa Gaviria; SIMON, Renel. (2015). Sonhos que mobilizam o imigrante haitiano: biografia de Renel Simon. Lajeado-RS, Univates, 2015.

BRASIL. Ministério da Economia. Relação Anual de Informações Sociais, 2019. Disponível em: http://bi.mte.gov.br/bgcaged/login.php. Acesso em: 25. mar. 2021.

MINTZ, Sidney W. (2001). Comida e antropologia. Uma breve revisão. Revista Brasileira de Ciências Sociais. Vol. 16 nº 47 out. 2001, p. 31-41.

PEREZ, Léa Freitas. (2002). Antropologia das efervescências coletivas. In: A Festa na vida: significado e imagens. Mauro Passos (organizador). Vozes,, pp: 15-58

PRADO, Emilio S. A. (2016). Para fugir da crise, haitianos trocam o Brasil pelo Chile. Folha de São Paulo. 8 mai. 2016. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2016/05/1768958-para-fugir-da-crise-haitianos-trocam-o-brasil-pelo-chile.shtml.

SANTOS, Caetano Maschio. (2018). Ayisyen kite lakay (Haitianos deixam suas casas): um estudo etnomusicológico do musicar de artistas imigrantes haitianos no estado do Rio Grande do Sul. Dissertação de Mestrado, Instituto de Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2018. 169 pag.

SALAZAR, Noel B; GLICK-SCHILLER, Nina. (2013). Regimes of mobility across the globe. Journal of Ethnic and Migration Studies. Vol. 39.

SAYAD, Abdelmalek. (1998). A Imigração ou os Paradoxos da Alteridade. Prefácio Pierre Bourdieu; tradução Cristina Murachco. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 286p.

SEGALEN, Martine. (2002). Ritos e rituais contemporâneos. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2002, 161 pp.

SHELLER, Mimi. URRY, John. (2006). The new mobilities paradigm. Environment and Planning A, 2006, p. 207-226.

WOORTMAN, Ellen. (2013). A comida como linguagem. Habitus Goiânia, vol II, N.1, p. 5-17.

ZAMBERLAM, Jurandir; CORSO, Giovane; CIMADON, João Marcos; BOCCHI, Lauro.(2014). Os Novos Rostos de imigração no Brasil – haitianos no Rio Grande do Sul. CIBAI Migrações. Pastoral da Mobilidade Humana, Brasil, 2014. 81p.

Downloads

Publicado

2021-10-01

Como Citar

Gaviria Mejía, M. R. ., & Cazarotto, R. T. (2021). A Festa da bandeira haitiana em Encantado (RS), Brasil. Périplos: Revista De Estudos Sobre Migrações, 5(2). Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/obmigra_periplos/article/view/38022