O cotidiano de famílias brasileiras na Colômbia: entre cheiros, texturas e temperos se negociam sabores.

Autores

  • Diana Patricia Bolanos Erazo Universidade Federal de Santa Maria
  • Maria Catarina Chitolina Zanini

Palavras-chave:

Migração, Comida, Memória, Transnacionalismo, Família

Resumo

O presente artigo objetiva refletir sobre as estratégias e negociações que famílias de migrantes brasileiros na Colômbia estabelecem para produzir, distribuir e consumir comidas tidas como “tipicamente brasileiras” em suas vidas cotidianas. Assim, as autoras analisam a circulação de alimentos, formas de preparo, utensílios para cozinhar e pôr a mesa, negociações de receitas e “heresias” alimentares destes migrantes, bem como as diversas comensalidades contidas nessas negociações. Baseada em pesquisa etnográfica realizada entre 2014 e 2018 na cidade de Cali, sudoeste da Colômbia, no interior das casas de três famílias, procurou-se compreender as estratégias de produção, consumo e distribuição de alimentos considerados brasileiros. O estudo observou o quanto domesticamente refeições, rotinas e estilos de vida pré-migratórios se apresentavam para além da reivindicação de uma identidade nacional, contribuindo na evocação de memórias, vinculação afetiva com o Brasil e uma distinção entre brasileiros e colombianos na hora de apresentar e consumir os “pratos-totem”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Altoé, Isabella; Menotti, Gabriel; Azevedo, Elaine de. (2019) Comida e afeto: As releituras dos pratos-totem na culinária vegana. RBSE Revista Brasileira de Sociologia da Emoção, v. 18, n. 52, p. 129-138.ISSN 1676 8965.

Amon, Denise: Menasche, Renata. (2008) Comida como Narrativa da Memória Social. Sociedade e Cultura, v.11, n.1, jan/jun. pp 13 a 21.

Assunção, Viviane Kraieski. (2019) Comida, agência e imitação: Uma etnografia das festividades entre imigrantes brasileiros na Grande Boston. Iluminuras, Porto Alegre, v. 20, n. 51, p. 81-116.

___________________________.(2014). Etnografando o consumo alimentar: reflexões sobre trabalho de campo, viagem e afetos. Em: Goidanich, Maria Elizabeth e Mezabarba Solange (Org). Etnografias possíveis: experiências etnográficas sobre consumo no ambiente urbano (pp 45-65). Rio de Janeiro, Ponteio Editora.

Barth, Frederik. Os grupos étnicos e suas fronteiras: o guru, o iniciador e outras variações antropológicas. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2000.

Bolaños, Diana Erazo. (2019) “A comida é o de menos”: As redes sociais de migrantes brasileiros na Colômbia. (Dissertação Mestrado em Ciências Sociais) Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rios Grande do Sul, Brasil.

Brightwell, Maria das Graças S. Luiz. (2015). Sentir-se em casa longe de casa: a comida no cotidiano de migrantes brasileiros em Londres. Tessituras, Pelotas, v. 3, n. 2, p. 60-78.

Bourdieu, Pierre. (1983). Gostos de classe e estilos de vida. Em: Ortiz, Renato (org). BOURDIEU (pp. 82-121) Coleção grandes cientistas sociais, n° 39. Ática, São Paulo

Contreras, Jesús Hernández. (2005) La modernidad alimentaria: Entre la sobreabundancia y la inseguridad. Revista Internacional de Sociología (RIS) Tercera Época, N°40, Enero-abril, 2005, pp. 109-132.

_________________________. (1992) Alimentación y cultura: reflexiones desde la antropologia. Revista Chilena de Antropología (pp. 95-111).

Cunha, Manuela, Carneiro. (2009) Cultura com aspas e outros ensaios. São Paulo: Cosac Naify.

Da Matta, Roberto. (1987). Sobre o simbolismo da comida no Brasil. Correio da Unesco (pp 21-23). v 15, n. 7. (O sal da Terra – Alimentação e Culturas).

Estrada, Ochoa, Julian. (1995) Mantel de cuadros: Crónicas acerca del comer y el beber. Medellín, Colombia. Universidad de Antioquia.

Giddens, Anthony. (1991). As consequências da modernidade. São Paulo, Brasil. Editora da Universidade Estadual Paulista.

Halbwachs, Maurice. (1990). A memória coletiva. São Paulo, Brasil. Revista dos Tribunais

Lévi-Strauss, Claude. (1979). O triângulo culinário. Em: Simonis, Yvan. Introdução ao estruturalismo: Claude Lévi-Strauss ou "a paixão do incesto". Lisboa: Moraes (pp. 169-176)

Maciel, Eunice. (2004). Uma cozinha à brasileira. Revista Estudos Históricosn°33, janeiro-junho, Rio de Janeiro, (pp. 25-39).

Mintz, Sidney. (2001). Comida e antropologia. Uma breve revisão. RBCS, vol.16, n.47. São Paulo, Brasil, (pp.31-41).

___________. (1996). Dulzura y poder: el lugar del azúcar en la historia moderna. Madri, Espanha. Siglo XXI Editores.

Poulain. Jean Pierre e Proença, Rossana Pacheco da Costa. (2003). O espaço social alimentar: um instrumento para o estudo dos modelos alimentares. Revista de Nutrição., Campinas, 16(3) (pp. 245-256).

_________________. (2019) Por uma socioantropologia da alimentação. Entrevista com Jean Pierre Poulain. Revista Equatorial V. 6 Nº 11 (pp 1-15).

Santos, Miriam de Oliveira e Zanini, Maria Catarina Chitolina. (2008). Comida e simbolismo entre imigrantes italianos no Rio Grande do Sul (Brasil). Caderno Espaço Feminino, v.19, n.01, Jan./Jul (pp. 255-284).

Tambiah, Stanley. (1969). Animals are good to think and good to prohibit. Ethnology, Vol 8. 19 (pp. 423- 459).

Velho, Gilberto. (2019). Observando o familiar. Em GUBER, Rosana. Trabajo de campo en América Latina. Tomo I. Experiencias antropológicas regionales en etnografia (pp. 159-168) Bogotá, Colômbia. Campus libros.

Downloads

Publicado

2021-10-01

Como Citar

Bolanos Erazo, D. P., & Chitolina Zanini, M. C. (2021). O cotidiano de famílias brasileiras na Colômbia: entre cheiros, texturas e temperos se negociam sabores. Périplos: Revista De Estudos Sobre Migrações, 5(2). Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/obmigra_periplos/article/view/37516