Cartografias Museológicas

das resistências e dos processos museológicos em casas de acolhidas LGBT no Brasil

Autores

  • Rafael dos Santos Machado Universidade Federal da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.26512/museologia.v11i21.41792

Palavras-chave:

museologia, processos museológicos, casas de acolhida LGBT, políticas públicas culturais, protagonismo

Resumo

O presente artigo é um recorte temático da minha dissertação de mestrado intitulada Cartografias da transmusealidade: processos museológicos em casas de acolhida LGBT no Brasil, defendida em 2021 pela Universidade Federal da Bahia, no Programa de Pós-Graduação em Museologia[1] e tem por objetivo apresentar uma cartografia das Casas de Acolhida LGBT no Brasil, destacando suas configurações provisórias e buscando identificar a existência de processos museológicos nesses espaços. Para tanto, contextualizo brevemente as mudanças ocorridas ao passar dos tempos nas políticas públicas brasileiras voltadas ao setor cultural, no plano federal, a institucionalização da Museologia Social no fortalecimento e promoção da diversidade cultural e as reinvindicações pelo direito à memória da Comunidade LGBT no campo da Museologia brasileira com a criação da Rede LGBT de Memória e Museologia Social.

 

[1] A pesquisa teve financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia-Fapesb

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ANTRA. Eleições 2020. Disponível em: <https://antrabrasil.org/eleicoes2020/>. Acessado em: 12 mai. 2021.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. BOLETIM Nº 02/2020: Assassinatos contra travestis e transexuais em 2020. ANTRA, 2020. Disponível em:. Acesso em: 03 ago. 2020.

AVELAR, Luciana Figueiredo. Museus Comunitários no Brasil: O Ponto de Memória Museu do Taquaril. Dissertação de Mestrado Profissional do Programa de Pós-Graduação em História, Política e Bens Culturais, Fundação Getúlio Vargas – FGV, 2015.

BAPTISTA, Jean; BOITA, Tony William. Museologia Comunitária, Comunidades LGBT e Direitos Humanos: estratégias de superação de fobias à diversidade sexual no Brasil. Revista Eletrônica Ventilando Acervos, Florianópolis, v. especial, 2017, p.132-146.

BAPTISTA, Jean; BOITA, Tony Willian. Ode a Giuseppe Campuzano. VISIBILIDADE TRANS NOS MUSEUS E ESPAÇOS DE MEMÓRIA. Revista Memórias LGBTI+, 2014, n. 2.

BAPTISTA, Jean; BOITA, Tony Willian. Protagonismo LGBT e museologia social: uma abordagem afirmativa aplicada à identidade de gênero. Museologia Social. Cadernos do CEOM, Chapecó, 2014, v. 27, n. 41, p. 175-192.

BAPTISTA, Jean; Mello, Luiz. #SomosTodasVelhos: notas sobre grupo de risco em tempos de pandemia. Revista Memórias LGBTIQ+. Disponível em: <https://memoriaslgbt.com/2020/04/07/somostodasvelhos/>. Acesso em: 10 jun. 2020.

BAPTISTA, Jean; BOITA, Tony Boita; WICHERS, Camila Moraes. O que é Museologia LGBT?. Museus, Memória e Museologia LGBT + Feminismo. Revista Memórias LGBT. 2020, ed. 12, p. 4-8.

BOITA, Tony William. Cartografia Etnográfica de Memórias Desobedientes. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal de Goiás, 2018.

BOITA, Tony William. 5 museus (+iniciativas) travestis e trans para se visitar online. Revista Memórias LGBTQI+, 2020. Disponivel em: <https://memoriaslgbt.com/2020/04/14/5-museus-t/>. Acesso em: 23 nov. 2020.

BOITA, Tony William. Memória LGBT: Mapeamento e Muesealização em Revista. Monografia de Bacharelado em Museologia da Universidade Federal de Goiás, 2014.

BRASIL. Constituição Federativa do Brasil. Disponível em: <https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/518231/CF88_Livro_EC91_2016.pdf>. Acesso em: 4 fev. 2020.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente: Lei n.º 8.069, de 13 de julho de 1990. ECA. Disponível em: < https://www.gov.br/mdh/pt-br/centrais-de-conteudo/crianca-e-adolescente/estatuto-da-crianca-e-do-adolescente-versao-2019.pdf>. Acesso em: 06 ago. 2020.

BRASIL. Pontos de Memória: Metodologia e Práticas em Museologia Social. Instituto Brasileiro de Museus, Organização dos Estados Ibero-Americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura. Brasília, 2016, p. 1-102.

CASA CHAMA. Disponível em: https:/www.casachama.org/category/about/>. Acesso em: 14 out. 2020.

CHAGAS, Mario; GOUVEIA, Inês. Museologia Social: Reflexões e Práticas (à guisa de apresentação). Cadernos do CEON, v. 27, n. 41, 2006, p.1 – 22. Disponível em: <https://bell.unochapeco.edu.br/revistas/index.php/rcc/article/view/2592>. Acesso em: 20 mai. 2020.

COELHO, Maria Thereza Ávila Dantas; OLIVEIRA, Jeane Freitas de; PORCINO, Carle. Travesti(s)lidades: representações sociais de universitários. Editora Appris, Curitiba, 2020, ed. 1, 101p.

CÔRTE, Beltrina; MUSSI, Luciana Helena. O significado afetivo daquilo que chamamos “casa”: Uma reflexão através do cinema. Caderno Temático Kairós Gerantologia, São Paulo, 2010, p 231- 242.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Editora 34, 1995, vol. 1.

FÉLIX, Paula; FERNANDES, Tatiane. Política Cultural. Mais Definições em Trânsito, CULT - CENTRO DE ESTUDOS MULTIDISCIPLINARES EM CULTURA, Salvador/BA, 2007. Disponível em: <http://www.cult.ufba.br/maisdefinicoes/POLITICACULTURAL.pd>. Acessado em: 15 jun. 2020.

GRUPO GAY DA BAHIA. Mortes Violentas de LGBT+ no Brasil – 2019: Relatório do Grupo Gay da Bahia. Editora Grupo Gay da Bahia, Salvador, 2020, ed. 1, p. 1-174. Disponível em: < https://grupogaydabahia.com.br/relatorios-anuais-de-morte-de-lgbti/>. Acessado em: 29 out. 2020.

IBRAM. Pontos de Memória. Disponível em: <https://www.museus.gov.br/acessoainformacao/acoes-e-programas/pontos-de-memoria/>. Acesso em: 15 jun. 2020.

KERBAUY, Maria Teresa Miceli; SOUZA, Kellcia Rezende. Abordagem quanti-qualitativa: superação da dicotomia quantitativa-qualitativa na pesquisa em educação. Educação e Filosofia, Uberlândia, 2017, v. 31, n.31, p. 21-44.

MACHADO, Rafael dos Santos. Museologia e Sexualidade: Imaginação Museal e Coletivismo LGBT na CasAmor de Aracaju/SE. Trabalho de Conclusão de Curso de Museologia pela Universidade Federal de Sergipe – Campus Laranjeiras, Sergipe, 2019.

MONTALVÃO, Marcela Teti; PRADO FILHO, Kleber. A CARTOGRAFIA COMO MÉTODO PARA AS CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS. Barbarói, Santa Cruz do Sul, 2013, n. 38, p. 45-49.

MUNIZ JR., José de Souza; BARBALHO, Alexandre Almeida. ENTRE A DIVERSIDADE E O ANTAGONISMO: PRÁTICAS ARTICULATÓRIAS DA DISCURSIVIDADE LGBT NO MINISTÉRIO DA CULTURA. Rev. bras. Ci. Soc., São Paulo, v. 35, n. 102, 2020. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69092020000100511&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 23 Jul 2020.

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO PAULO. Pesquisa Censitária da População em Situação de Rua, Caracterização Socioeconômica da População Adulta em Situação de Rua e Relatório Temático de Identificação das Necessidades desta População na Cidade de São Paulo. SMADS – Secretária de Assistência e Desenvolvimento Social, São Paulo, 2015. Disponível em: <https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/00-publicacao_de_editais/0003.pdf>. Acesso em: 02 abr. 2020.

SANTOS, Maria Celia Teixeira Moura. Processo Museológico: critérios de exclusão. Caderno de Sociomuseologia, n. 18, 2002, p. 75 -91.

Downloads

Publicado

2022-05-17

Como Citar

dos Santos Machado, R. (2022). Cartografias Museológicas: das resistências e dos processos museológicos em casas de acolhidas LGBT no Brasil. Museologia & Interdisciplinaridade, 11(21), 130–148. https://doi.org/10.26512/museologia.v11i21.41792

Edição

Seção

Dossiê Museus e Museologia LGBT