Epígrafe para o não esquecimento

memórias LGBTs negras

Autores

  • Jorge Luis Lopes Junior Universidade Federal de Ouro Preto
  • Nutyelly Cena de Oliveira Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.26512/museologia.v11i21.41268

Palavras-chave:

memória, esquecimento, identidades, LGBT, museu

Resumo

Este artigo parte da necessidade em se fazer uma revisão crítica sobre o esquecimento sistêmico das memórias LGBT’s negras nos museus, dando ênfase aos impactos das violências dirigidas a esses sujeitos. As críticas adotadas partiram de uma perspectiva interseccional, adotando a raça, orientação sexual e identidade de gênero como possibilidades de rasuras epistêmicas. Tendo em vista que os museus públicos são espaços de embate e acordos constantes para o reconhecimento das identidades, a inscrição dessas memórias é um ato político.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ANTRA - Associação Nacional de Travestis e Transexuais (ANTRA); Instituto Brasileiro Trans de Educação (IBTE). Orgs. Bruna Benevides; Sayonara Naider Bonfim. Dossiê Assassinatos e violência contra travestis e transexuais no Brasil em 2019. São Paulo: ANTRA; IBTE, 2020, p. 69. Disponível em: https://antrabrasil.files. wordpress.com/2020/01/do dossic3aa-dos- -assassinatos-e-daviolc3aancia-contra-pessoas-trans-em-20129-pdf

AKOTIRENE, Carla. O Que é Interseccionalidade. Editora Letramento. 2018.

BAPTISTA, Jean, BOITA, Tony. Memória e Esquecimento LGBT nos Museus, Patrimônios e Espaços de Memória no Brasil. Revista do Centro de Formação e Pesquisa e Formação, n. 5. 2017. Disponível em: https://www.sescsp.org.br/online/artigo/11547_JEAN+BAPTISTA+E+TONY+BOITA. Acesso em: 9 de maio. 2021.

BOITA, Tony W. Memória LGBT: Mapeamento e Musealização em Revista. 2014. 62 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Museologia) - Universidade Federal de

Goiás - UFG, Goiânia. 2014. Disponível em: https://www.cienciassociais.ufg.br/up/106/o/TCC_Tony_Museologia_UFG_2014.pdf.

Acesso em: 03 maio. 2021.

BUTLER, Judith. Vida Precária. Contemporânea – Revista de Sociologia da UFSCar, v.

, n.1. 2011. Disponível em:

http://www.contemporanea.ufscar.br/index.php/contemporanea/article/view/18

Acesso em: 13 de maio. 2021.

GADELHA, José J. Abertura para o vasto mundo: um adeus à realidade espectral e um chamado além da imaginação real. Revista Eletrônica Interações Sociais - REIS, v. 4, n.

2020: Dossiê “Estratégias Decoloniais; perspectivas antirracistas e contrahegemônicas”. Disponível em: https://periodicos.furg.br/reis/issue/view/801. Acesso em: 3 de maio. 2021.

HOOKS, bell. Olhares negros: raça e representação / bell hooks; tradução de Stephania Borges. São Paulo: Elefante. 2019.

KILOMBA, Grada. Memórias da Plantação: episódios de racismo cotidiano; traduzido por Jess Oliveira. Rio de Janeiro: Editora de livros Cobogó. 2011.

LIMA, Diana F. C. Museu, poder simbólico e diversidade cultural. Revista Museologia e Patrimônio, v. 3, n. 2. 2010. Disponível em: http://revistamuseologiaepatrimonio.mast.br/index.php/ppgpmus/article/view/167. Acesso em: 5 de maio. 2021.

MBEMBE, Achille. Necropolítica; traduzido por Renata Santini. São Paulo: n-1 edições, 2018.

MENESES, Ulpiano B. Os museus e as ambiguidades da memória: a memória traumática. 2018. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=c8J8w9aAaY&ab_channel=SISEMSP. Acesso em: 7 junho. 2021.

MOMBAÇA, Jota. Notas estratégicas quanto aos usos políticos do conceito de lugar de fala. Buala. 2017. Disponível em: https://www.buala.org/pt/corpo/notas-estrategicasquanto-aos-usos-politicos-do-conceito-de-lugar-de-fala. Acesso em: 5 de maio. 2021.

_______________. Não Vão nos Matar Agora. Editora Cobogó de Livros. 2021

MUSEU DA DIVERSIDADE SEXUAL. Home. 2012. Disponível em:

<http://www.mds.org.br/>. Acesso em: 1 maio. 2021.

MUSEU DA PESSOA. Coleção TransHistórias. 2014. Disponível em:

<http://www.museudapessoa.net/pt/conteudo/colecao/transhistorias-97477>. Acesso em: 1 maio. 2021.

MUSEU TRANSGÊNERO DE HISTÓRIA E ARTE. Disponível em: <https://mutha.com.br/>. Acesso em: 1 dezembro. 2021

NASCIMENTO, Tatiana. Da palavra queerlombo ao cuíerlombo da palavra. Disponível em: https://palavrapreta.wordpress.com/2018/03/12/cuierlombismo/. Acesso em: 1 de maio. 2021.

POLAK, Michel. Memória, Esquecimento, Silêncio. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, vol 2., n. 3, p. 3-15, 1989.

RAMOS, Alessandra. Racismo e LGBTIfobia estrutural no Brasil. Instituto Internacional sobre Raça, Igualdade e Direitos Humanos; PORTO, Isaac (org). Qual é a cor do invisível? A situação de direitos humanos da população LGBTI negra no Brasil. Instituto Internacional sobre Raça, Igualdade e Direitos Humanos, p.34-53. 2020. Acesso em: 30 maio. 2021.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. O Local do Testemunho. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 2, n. 1, p. 03-20. 2010. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/tempo/article/view/1894. Acesso em: 10 junho. 2021.

SCHUCMAN, Lia V.. Entre o “encardido”, o “branco” e o “branquíssimo”: raça, hierarquia e poder na construção da branquitude paulistana. 2012. Tese (Doutorado em Psicologia Social) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

Disponível em: 10.11606/T.47.2012.tde-21052012-154521. Acesso em: 21 de junho. 2021.

Downloads

Publicado

2022-05-17

Como Citar

Lopes, J., & Oliveira, N. . (2022). Epígrafe para o não esquecimento: memórias LGBTs negras. Museologia & Interdisciplinaridade, 11(21), 165–181. https://doi.org/10.26512/museologia.v11i21.41268

Edição

Seção

Dossiê Museus e Museologia LGBT