Repensando a descrição de acervos museológicos e documentos associados no Museu do Instituto Histórico e Geográfico do Pará

Autores

Palavras-chave:

Tratamento Informacional, Objetos Museológicos, Descrição, Tainacan, Museu do Instituto Histórico e Geográfico do Pará

Resumo

Objetiva repensar o tratamento informacional no Museu do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, a partir da reformulação do instrumento de descrição dos objetos museológicos no ambiente virtual Tainacan. O questionamento está voltado à presença de fragilidades nos processos de organização e representação da informação da ficha catalográfica, na qual foi observada, em investigações anteriores, a ausência de metadados que associassem documentos arquivísticos junto aos objetos do Museu. Trata-se de uma pesquisa descritiva e experimental, utilizando como abordagem a observação direta. Como resultado, notou-se com a construção do instrumento de descrição que o tratamento informacional do Museu atingiu níveis satisfatórios, otimizando demais processos, possibilitando a criação de pontos de acesso para usuários e aperfeiçoando o tratamento temático, a partir da inclusão de metadados para descritores temáticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mateus da Silva Reis, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Bacharel em Museologia (UFPA), Mestre em Ciência da Informação (UFPA) e Doutorando em Ciência da Informação (UNESP).

Roberto Lopes dos Santos Junior, Universidade Federal do Pará

Doutor em Ciência da Informação pelo convênio IBICT / UFRJ. Professor da Pós-Graduação em Ciência da Informação na Universidade Federal do Pará.

Referências

ALBUQUERQUE, A. C. Tratamento temático da informação e a documentação museológica: aspectos e reflexões referentes à classificação. In: XVI Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação. 16., 2015, João Pessoa. Anais do XVI Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação. João Pessoa: UFPB, 2015. Disponível em: http://repositorios.questoesemrede.uff.br/repositorios/bitstream/handle/123456789/2808/23.%20TRATAMENTO%20TEMÁTICO%20DA%20INFORMAÇÃO.pdf?sequence=1. Acesso em: 08 abr. 2021.

ARQUIVO NACIONAL. Dicionário brasileiro de terminologia arquivística. Rio de Janeiro, 2005. 231 p.

BATISTA, Lucinéia da Silva. O redesign do sistema Access to Memory (AtoM) para a curadoria digital de acervos museológicos heterogêneos. In: XIX Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação. 2018, Londrina. Anais do XIX Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação. Londrina: UEL, 2018.

BERNARDES, Ieda Pimenta; DELATORRE, Hilda. Gestão documental aplicada. São Paulo: Arquivo Público do Estado de São Paulo, 2008.

CAMPOS, Maria Luiza de Almeida. Indexação e descrição em arquivos: a questão da representação e recuperação de informações. Arquivo & Administração, v. 5, p. 17, 2006.

CÂNDIDO, Maria Inez. Documentação Museológica. Caderno de Diretrizes Museológicas. 2ª edição. Rio de Janeiro, Iphan, 2006, p. 33-92.

CARPES, Franciele Simon; FLORES, Daniel. Instrumento de descrição arquivística em meio eletrônico: definição do quadro de padrões, normas e metadados. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 19, n. 4, p. 67-80, 2014.

CASTRO MAIA, M. R.. Museus brasileiros e a hiperconectividade: a experiência com a plataforma Tainacan no acesso ao patrimônio Afro-Digital. Revista Museu. 2018.

CERAVOLO, Suely Moraes; TÁLAMO, M. F. G. M. Tratamento e organização de informações documentárias em museus. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, v. 10, p. 241-253, 2000.

CHAGAS, M. D. S. Em busca do documento perdido: a problemática da construção teórica na área da documentação. Cadernos de Sociomuseologia, n. 2, 1994.

COMITÊ INTERNACIONAL DE DOCUMENTAÇÃO (CIDOC). CONSELHO INTERNACIONAL DE MUSEUS (ICOM). Declaração de princípios de documentação em museus e diretrizes internacionais de informação sobre objetos de museus: categorias de informação do Comitê Internacional de Documentação (CIDOC - ICOM). São Paulo : Secretaria de Estado de Cultura de São Paulo: Associação de Amigos do Museu do Café : Pinacoteca do Estado, 2014.

CONSELHO INTERNACIONAL DE ARQUIVOS. ISAAR (CPF): Norma internacional de registro de autoridade arquivística para entidades coletivas, pessoas e famílias.. 2. ed., Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2004.

CONSELHO INTERNACIONAL DE ARQUIVOS. ISAD(G): Norma geral internacional de descrição arquivística: segunda edição, adotada pelo Comitê de Normas de Descrição, Estocolmo, Suécia, 19-22 de setembro de 1999, versão final aprovada pelo CIA. – Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2000.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. Implementação de Repositórios Arquivisticos Digitais Confiáveis – RDC-Arq. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2015.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. Nobrade: norma brasileira de descrição arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2006.

DIAS, E. W. Contexto digital e tratamento da informação. DataGramaZero: Revista de Ciência da Informação, v. 2, n. 5, p. 1-10, 2001.

FERREZ, Helena Dodd. Documentação museológica: teoria para uma boa prática. In: CADERNOS de ensaios, nº 2. Estudos de museologia. Rio de Janeiro, Minc/ Iphan, 1994.

GUIMARÃES, J. A. C. Abordagens teóricas de tratamento temático da informação (TTI): catalogação de assunto, indexação e análise documental. Ibersid: revista de sistemas de información y documentación, v. 3, p. 105-117, 2009. Disponível em: https://www.ibersid.eu/ojs/index.php/ibersid/article/view/3730. Acesso em: 08 abr. 2021.

GUIMARÂES, J. A. C.; FERREIRA, G. M.; FREITAS, M. F. M. Correntes teóricas do tratamento temático da informação: uma análise de domínio da presença da catalogação de assunto e da indexação nos congressos de ISKO-España. In: Actas del X Congreso de ISKO-España. 2013. Disponível em: https://ruc.udc.es/dspace/handle/2183/11647. Acesso em: 08 abr. 2021.

HAGEN, Acácia Maria Maduro. Algumas considerações a partir do processo de padronização da descrição arquivística. Ciência da Informação, v. 27, n. 3, 1998.

LIMA, Eliseu dos Santos; FLORES, Daniel. A utilização do Ica-Atom como plataforma de acesso, difusão e descrição dos documentos arquivísticos de instituições públicas. Informação & Informação, v. 21, n. 3, p. 207-227, 2016.

LIMA, Fábio Rogério Batista; SANTOS, Plácida Leopoldina VAC; SEGUNDO, José Eduardo Santarém. Padrão de metadados no domínio museológico. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 21, n. 3, p. 50-69, 2016.

LUCCA, Giana; CHARÃO, Andrea Schwertner; STEIN, Benhur de Oliveira. Metadados para um sistema de gestão eletrônica de documentos arquivísticos. Arquivística.net, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, p. 70-84, 2006.

MARTINS, D. L.; CARMO, D.; GERMANI, L. B. Museu do índio: estudo de caso do processo de migração e abertura dos dados ligados semânticos do acervo museológico com o software livre tainacan. Informação & Tecnologia, v. 5, n. 2, p. 142-162, 2018.

MARTINS, D. L.; SEGUNDO, J. E. S.; SILVA, M. F.; SIQUEIRA, J. Repositório digital com o software livre tainacan: revisão da ferramenta e exemplo de implantação na área cultural com a revista filme cultura. In: XVIII Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação, 2017, Marília. Anais XVIII Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação. Marília: UNESP, 2017. Disponível em: http://hdl.handle.net/20.500.11959/brapci/105154. Acesso em: 25 jan. 2020.

MEDEIROS, Nilcéia Lage de; AMARAL, Cléia Márcia Gomes do. A representação do ciclo vital dos documentos: uma discussão sob a ótica da gestão de documentos. Em Questão, v. 16, n. 2, p. 297-310, 2010.

MENSCH, Peter Van. El Objeto como Portador de Datos. In: Cuadernos de Museologia. Lima, Museo de Arte Popular. 1989, p. 53-62.

NEGREIROS, Leandro Ribeiro; DIAS, Eduardo José Wense. A prática arquivística: os métodos da disciplina e os documentos tradicionais e contemporâneos. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 13, n. 3, p. 2-19, 2008.

OTLET, Paul. Traité de Documentation: le livre sur le livre. Bruxelas: Mundaneum, 1934.

RODRIGUES, Ana Marcia Lutterbach. A teoria dos arquivos e a gestão de documentos. Perspectivas em ciência da informação, v. 11, n. 1, 2006.

SANTOS, Vanderlei Batista dos. Preservação de documentos arquivísticos digitais. Ciência da Informação, v. 41, n. 1, 2012.

SAYÃO, Luís Fernando. Uma outra face dos metadados: informações para a gestão da preservação digital. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, v. 15, n. 30, p. 1-31, 2010.

SOUSA, Ana Paula de Moura et al. Princípios da descrição arquivística: do suporte convencional ao eletrônico. Arquivística. net, v. 2, n. 2, p. 38-51, 2006.

SOUSA, Dulce Elizabeth Lima de; BANDEIRA, Pablo Matias; SILVA, Márcio Bezerra. A representação temática em documentos arquivísticos: o caso da indexação documental realizada pelos alunos de Arquivologia da UFPB. InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, v. 3, n. 2, p. 124-141, 2012.

STRANSKY, Zbynek Z. Muséologie. Introduction aux études, Brno, Université Masaryk, 1995.

TANUS, Gabrielle Francinne; RENAULT, Leonardo Vasconcelos; ARAÚJO, Carlos Alberto Ávila. O conceito de documento na Arquivologia, Biblioteconomia e Museologia. RBBD. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, v. 8, n. 2, p. 158-174, 2012.

YASSUDA, Sílvia Nathaly. Documentação museológica: uma reflexão sobre o tratamento descritivo do objeto no Museu Paulista. 2009. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista.

Downloads

Publicado

2022-09-05

Como Citar

da Silva Reis, M., & Lopes dos Santos Junior, R. (2022). Repensando a descrição de acervos museológicos e documentos associados no Museu do Instituto Histórico e Geográfico do Pará. Museologia & Interdisciplinaridade, 11(Especial), 251–273. Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/museologia/article/view/38910

Edição

Seção

Dossiê Perspectivas de Documentação Museológica: Competências, Formações, Experi