A musealização dos escombros

Turvações Estratigráficas entre o saque e a ruína

Autores

  • Clarissa Diniz
  • Yuri Firmeza

DOI:

https://doi.org/10.26512/museologia.v9i18.34968

Palavras-chave:

Turvações Estratigráficas. Museu de Arte do Rio. Yuri Firmeza. Morro da Providência. Porto Maravilha.

Resumo

O presente artigo analisa o processo de pesquisa e a exposição Turvações Estratigráficas (2013), ocorrida no Museu de Arte do Rio - MAR.  A partir de uma contextualização do projeto Porto Maravilha, no Rio de Janeiro, são seguidas as pistas de como os materiais arqueológicos (provenientes da região portuária do Rio) e os escombros provenientes do Morro da Providência foram agentes no espaço do Museu durante Turvações Estratigráficas. Problematiza e refuta o saque onto-epistemológico da condição de escombro para condição de obra de arte produzidos pela musealização dos escombros ao conferi-los “autoria” a Yuri Firmeza e inventariá-los como obra de arte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

BARAD, Karen. Performatividade pós-humanista: para entender como a matéria chega à matéria. Revista Vazantes, v. 1, n. 1 (2017). Disponível em: <http://periodicos.ufc.br/vazantes/article/view/20451>. Acesso em: 28 jul 2020.

BENJAMIN, Walter. Imagens de Pensamento. 2. Ed. Lisboa: Assírio e Alvim, 2018.

_________. Sobre o Conceito da História. In: Magia e Técnica, Arte e Política. Obras escolhidas. Volume 1. Trad. Sergio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BRENNER, Neil; THEODORE, Nik. Spaces of Neoliberalism: urban restructuring in North América and Western Europe. Nova Iorque: Blackwell Publishing, 2002.

CARDOSO, Rafael; DINIZ, Clarissa. Do Valongo à favela: imaginário e periferia. Rio de Janeiro: Instituto Odeon, 2015.

CHAGAS, Mário. Há uma gota de sangue em cada museu: a ótica museológica de Mário de Andrade. Cadernos de Sociomuseologia, n 13, 1999. Disponível em: <https://revistas.ulusofona.pt/index.php/cadernosociomuseologia/issue/view/30>. Acesso em: 28 jul 2020.

DELEUZE, Gilles. Lógica do sentido. Trad. Luiz R. Salinas Fortes. São Paulo: Perspectiva, 1998.

FABIAN, Johannes. O tempo e o outro: como a antropologia estabelece seu objeto. Petrópolis: Vozes, 2013.

GUIMARÃES, Luiz. “Isso vai transformar o Rio”: reflexões sobre o processo de criação do Museu de Arte do Rio - MAR. Dissertação (Mestrado do Programa de Pós-graduação em Artes da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, UERJ). Rio de Janeiro, 28 de março de 2019.

HUYSSEN, Andreas. Culturas do passado-presente: modernismos, artes visuais, políticas da memória. 1.ed. Rio de Janeiro: Contraponto: Museu de Arte do Rio, 2014.

LEMINSKI, Paulo. Caprichos & relaxos. Ed. Brasiliense, 1983. Disponível em: <https://blogdocafil.files.wordpress.com/2009/04/paulo-leminski-caprichos-e-relaxos-pdfrev.pdf>. Acesso em: 28 jul 2020.

Downloads

Publicado

2020-11-03

Como Citar

Diniz, C., & Firmeza, Y. (2020). A musealização dos escombros: Turvações Estratigráficas entre o saque e a ruína. Museologia & Interdisciplinaridade, 9(18), 281–300. https://doi.org/10.26512/museologia.v9i18.34968

Edição

Seção

Dossiê Musealização da Performatividade em Coleções Públicas e Privadas