Recusas e empréstimos da repetição na performance

Autores

  • Renan Marcondes

DOI:

https://doi.org/10.26512/museologia.v9i18.34556

Palavras-chave:

Performance. Repetição. Documentação. Arquivo. Memória.

Resumo

A partir de autores como Peggy Phelan, Philip Auslander, Amelia Jones e Rebecca Schneider, o artigo aproxima o termo performance da noção de repetição, lançando luz sobre alguns dos principais debates suscitados pela arte da performance em relação às suas possibilidades de documentação e arquivo. Busca-se deslocar a usual relação da performance com o tempo presente, justapondo posições antagônicas que evidenciem a relação complexa que a performance tem com documentos e arquivos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

AUSLANDER, Philip. A performatividade da documentação da performance. In: Hay em Portugués? nº 2, Florianópolis, 2013.

AUSTIN, John Langshaw. Quando Dizer é Fazer: Palavras e Ação, Porto Alegre: Artes Médicas, 1990.

BISHOP, Claire. Artificial hells: Participatory art and the politics of spectatorship. Londres/Nova Iorque: Verso Books, 2012.

COSTINAS, Cosmin; JAVENKSI, Ana (ed), Is the Living Body the Last Thing Left Alive? The New Performance Turn, Its Histories and Its Institutions. Belim: Sternberg Press/ Hong Kong: Para Site, 2018.

DE DUVE, Thierry. Performance here and now: Minimal art, a plea for a new genre of theatre. In: Open Letter, v. 5, p. 5-6, 1983.

DERRIDA, Jacques; FREUD, Sigmund. Mal de arquivo: uma impressão freudiana. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

FABIÃO, Eleonora. Performance y precariedade. In: KUNST, Bojana et al. In: El tiempo es lo único que tenemos: actualidad de las artes performativas. Buenos Aires: Caja Negra. 2019.

FÉRAL, Josette. Além dos limites: teoria e prática do teatro. São Paulo: Perspectiva, 2015.

JONES, Amelia; EM PARIS, Expressão Livre. Presença in Absentia: a experiência da performance como documentação. In: Revista Performatus, v. 1, n. 6, 2013.

LEPECKI, Andre. Dance, choreography and the visual: elements for a contemporary imagination. In: COSTINAS, Cosmin; JAVENKSI, Ana (ed), Is the Living Body the Last Thing Left Alive? The New Performance Turn, Its Histories and Its Institutions. Belim: Sternberg Press/Hong Kong: Para Site, 2018.

LEPECKI, André. Singularities: Dance in the age of performance. Lodres/Nova Iorque: Routledge, 2016.

MELIN, Regina. Performance nas artes visuais. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

PHELAN, Peggy. The ontology of performance: representation without reproduction. In: Unmarked: the politics of performance. Londres/Nova Iorque: Routledge, 2003. p. 155-175.

REBENTISCH, Juliana et al. Autonomia? Autonomia! Experiência estética nos dias de hoje. In: Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, v. 3, n. 30, p. 101-111, 2017.

ROACH, Joseph R. Cities of the dead: Circum-Atlantic performance. Cambridge: Columbia University Press, 1996, p. 3.

SARDO, Delfim. O Exercício Experimental da Liberdade: Dispositivos da arte no século XX. Lisboa: Orfeu Negro, 2017.

SCHECHNER, Richard. O que é performance? Tradução de R.L. Almeida, publicado sob licença creativa commons, classe3. Abril de 2011. Disponível em: <http://performancesculturais.emac.ufg.br/uploads/378/original_O_QUE_EH_PERF_ SCHECHNER.pdf>. Acesso em 21 jul. 2020.

SCHECHNER. Richard. O que é Performance. In: O percevejo, Revista de Teatro, Crítica e Estética. Estudos da Performance. Rio de Janeiro: UNIRIO, 2003. Ano 11, n.12.

SCHNEIDER, Rebecca. Performance remains. In: JONES, Amelia; HEATHFIELD, Adrian (Ed.). Perform, Repeat, Record: Live Art in History. Bristol: Intellect Books, 2012, p. 141

WOOD, Catherine. Performance in contemporary art. London: Tate, 2018.

Downloads

Publicado

2020-11-03

Como Citar

Marcondes, R. (2020). Recusas e empréstimos da repetição na performance. Museologia & Interdisciplinaridade, 9(18), 133–142. https://doi.org/10.26512/museologia.v9i18.34556

Edição

Seção

Dossiê Musealização da Performatividade em Coleções Públicas e Privadas