O Museu de Arte Sacra de Oeiras no Sertão do Piauí, Nordeste do Brasil

Autores

  • Áurea da Paz Pinheiro
  • Pedro Dias de Freitas Júnior

DOI:

https://doi.org/10.26512/museologia.v9i18.29228

Palavras-chave:

Museu. Participação. Função Social. Piauí

Resumo

O Plano Museológico é uma ferramenta indispensável no planejamento de programas, projetos e ações de um museu; deve ser elaborado de forma participativa, considerando missão e vocação da instituição. Neste trabalho, tomamos como referência o Museu de Arte Sacra de Oeiras ”“ PI (MAS), criado em 1983, como parte das celebrações dos 250 anos da Catedral de Nossa Senhora da Vitória. O MAS não tem um Plano Museológico, que consideramos fator preponderante para sua sustentabilidade. O museu tem como sede o Palácio capitão-mor João Nepomuceno Castelo Branco, antigo Paço Episcopal. Tem um rico e completo acervo que precisa ser documentado. A exposição de longa duração é formada por imagens de madeira policromada séculos XVII, XVIII e XIX; castiçais e coroas de prata, mobiliário das igrejas seculares de Oeiras e peças oriundas de colecionadores particulares. Com 35 anos de existência, para que a função social do MAS seja cumprida, o planejamento estratégico, materializado em um Plano Museológico se apresenta como basilar à existência futura, reafirmando sua função social - educativa e cultural

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

CARVALHO JR, Dagoberto. Passeio a Oeiras: roteiro histórico e sentimental da antiga capital do Piauí. 3.ed. Recife: Apipucos, 1985.

CORREIA, Mary Lucia Andrade. Como alcançar a sustentabilidade ambiental? Jornal da Universidade de Fortaleza, Fundação Edson Queiroz, Número 219, Fortaleza, Junho de 2012.

DUARTE CÂNDIDO, Manuelina Maria. Diagnóstico Museológico: abordagens e práticas no Museu da Imagem e do Som do Ceará. In: Cadernos do Ceon, 31, Chapecó (SC): Unochapecó, p. 69 ”“ 102, 2010.

DUARTE CÂNDIDO, Manuelina Maria. Gestão de museus, um desafio contemporâneo: diagnóstico museológico e planejamento. Porto Alegre: Medianiz, 2013.

DUARTE CÂNDIDO, Manuelina Maria. Orientações para Gestão e Planejamento de Museus. Florianípolis: FCC, 2014.

INVENTÁRIO e estudo de proteção de conjuntos urbanos do Piauí: estudo de proteção do centro histórico de Oeiras. Belo Horizonte: OP Arquitetura Ltda, 1997. V. 7. (Trabalho contratado pela Fundação Estadual de Cultura e Desporto do Piauí ”“ FUNDEC e IPHAN/3ªCR para elaborar o inventário e estudo de proteção das cidades históricas piauienses e proposição de diretrizes de intervenção em imóveis históricos).

PINHEIRO, Áurea da Paz. Celebrações. Teresina: Educar. 2009

REIS, Bianca Santos Silva. Expectativas dos professores que visitam o Museu da Vida. 2005. 106f. Dissertação (Mestrado). Departamento de Educação, Universidade Federal Fluminense, 2005.

RENDEIRO, Humberto. Museus e Sustentabilidade Financeira organizado pelo ICOM ”“ Portugal, no Museu Nacional de Soares dos Reis, Cidade do Porto, 7 de Novembro de 2011. [Documento apresentado no Encontro] STORINO, Claudia. Museus sob nova direção. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 4/4/2007.

SANTOS, Maria Cecília T. Moura. Repensando a ação Cultural e Educativa dos Museus. Salvador: Centro Editorial e Didático da UFBA, 1993.

Downloads

Publicado

2020-11-03 — Atualizado em 2020-11-21

Versões

Como Citar

da Paz Pinheiro, Áurea ., & Dias de Freitas Júnior, P. (2020). O Museu de Arte Sacra de Oeiras no Sertão do Piauí, Nordeste do Brasil. Museologia & Interdisciplinaridade, 9(18), 370–385. https://doi.org/10.26512/museologia.v9i18.29228 (Original work published 3º de novembro de 2020)