Descolonizando o olhar em arte decorativa:

estudo da louça do cemitério Nosso Senhor dos Aflitos em Nazaré-Bahia-Brasil

Autores

  • Joseania Miranda Freitas UFBA
  • Ritta Maria Morais Correia Mota

DOI:

https://doi.org/10.26512/museologia.v8i16.25057

Palavras-chave:

descolonização do olhar, arte decorativa, fazer cerâmico, Nazaré-BA, louça portuguesa.

Resumo

Este texto, desenvolvido no âmbito do Mestrado em Museologia, da Universidade Federal da Bahia, Brasil, propõe um exercício de descolonização do olhar em arte decorativa, baseado em revisão bibliográfica que evidencia a pluralidade do fazer cerâmico, através do estudo de uma coleção de louça. Buscou-se um caminho metodológico para estimular a explicitação da pluralidade das matrizes que compõem os acervos cerâmicos, ampliando os modos de compreensão dessa prática, de forma a encorajar outras experiências que apontem para reflexões em torno do campo da arte decorativa, objetivando evidenciar memórias ausentes, silenciadas e/ou excluídas pelos processos de registros de memória hegemônicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

AMORIM, José Carlos de Costa. Crônicas de um acervo: Museu de Santa Maria de Lamas, Maio de 2016, p. 10. Disponível em http://museu.colegiodelamas.com/pdf/azulejaria.pdf. Acesso em 06/09/2018.
BRANCANTE, Eldino da Fonseca. O Brasil e a cerâmica antiga. São Paulo, 1981.
IRMANDADE da Santa Casa de Misericórdia da cidade de Nazareth; um século de evolução: contribuição histórica 1º de fevereiro de 1981 a 1º de fevereiro de 1931. 2º ed. Nazareth: E. da Bahia, 2006.
MIGNOLO, Walter D. Aiesthesis decolonial; Artículo de reflexión. CALLE 14: Revista de Investigación en el campo del arte. Bogotá, v. 4, n. 4, p. 10-25, mayo 2010. Disponível em: http://revistas.udistrital.edu.co/ojs/index.php/c14/article/view/1224/1634 /Acesso: 03/09/2018.
MONTES, Maria Lúcia. Oferenda; a arte cerâmica de Caroline Harari. Catálogo da Exposição Oferenda. Museu de Arte da Bahia. Março 2009. Também disponível em: http://www.acasa.org.br/biblioteca/texto/203 / Acesso: 28/5/2018.
MORLEY-FLETCHER, Hugo (Coord.). Tecnicas de los grandes maestros de la alferería y cerámica. Trad. Juan Manuel Ibeas. Madri: Tursen Hermann Blume. 1996.
OLIVEIRA, João Pacheco de. O retrato de um menino Bororo: narrativas sobre o destino dos índios e o horizonte político dos museus. Séculos XIX e XXI. In: Musas - Revista Brasileira de Museus e Museologia, n. 5. Brasília: Instituto Brasileiro de Museus, 2011. (p. 36-59). Disponível em: http://www.museus.gov.br/wp-content/uploads/2015/04/Musas5-web.compressed.pdf /Acesso: 28/5/2018.
PEREIRA, Carlos José da Costa. A cerâmica popular da Bahia. Salvador: Livraria Progresso, 1957.
PEREIRA, Hugo. Fábrica cerâmica do Carvalhinho; história e acção social, desportiva e cultural In: Comunicação apresentada ao 1º Encontro de História e Investigação, organizado pelo D. de História e Estudos Políticos e Internacionais da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 2007. Disponível em: https://www.academia.edu/1698899/F%C3%A1brica_Cer%C3%A2mica_do_Carvalhinho_-_Hist%C3%B3ria_e_ac%C3%A7%C3%A3o_social_desportiva_e_cultural /Acesso: 28/5/2018.
PILEGGI, Aristides. Cerâmica no Brasil e no mundo. São Paulo. 1958.
QUIJANO. Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, 2005. Disponível em: http://biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/sur-sur/20100624103322/12_Quijano.pdf / Acesso 7/9/2018.
RILEY, Noël. A arte do azulejo; a história, as técnicas, os artistas. Trad. Marisa Costa. Lisboa, 2004.
RUÍZ GARCIA, Afonso. La cerámica en vidrado verde de Museo de la Alhambra. In: Patronato de la Alhambra y Generalife (Coord.). Catálogo de la Exposición Los jarrones de la Alhambra: simbología y poder. Granada: Patronato de la Alhambra y Generalife, 2006.
RUSSELL-WOOD, A. J. R. Fidalgos e filantropos: a Santa Casa de Misericórdia da Bahia, 1551-1755. Tradução de Sergio Duarte. Brasília, 1981.
SANDÃO, Arthur de. Faiança portuguesa: séculos XVIII e XIX. Livraria civilização, 1976.
SEBASTIAN, Luís. A produção oleira de faiança em Portugal: séculos XVI-XVIII. Dissertação de doutoramento em História com especialidade de Arqueologia. Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 784 p. Julho 2010. Disponível em: https://run.unl.pt/handle/10362/5562 / Acesso em 7/8/2018.
SONDEREGUER César; MARZIALLI Mirta. Catálogo de morfologia; Ceramica precolombina, 2006.
TAVARES, Luís Henrique Dias. Nazaré; cidade do rio moreno. 2003.
VAINFAS, Ronaldo. História das mentalidades e história cultural. In: CARDOSO, Ciro Flamarion; VAINFAS, Ronaldo (Orgs.). Domínios da História; ensaio de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Campus. 1997.

Downloads

Publicado

2019-10-30

Como Citar

Freitas, J. M., & Morais Correia Mota, R. M. (2019). Descolonizando o olhar em arte decorativa:: estudo da louça do cemitério Nosso Senhor dos Aflitos em Nazaré-Bahia-Brasil. Museologia &Amp; Interdisciplinaridade, 8(16), 125–136. https://doi.org/10.26512/museologia.v8i16.25057