Patrimônio Cinematográfico: conceito, políticas e processos de patrimonialização

Autores

  • Nezi Heverton Campos de Oliveira

DOI:

https://doi.org/10.26512/museologia.v8i15.24670

Palavras-chave:

Patrimônio cinematográfico. Patrimonialização. Política cultural. Cinemateca. Historiografia.

Resumo

Este trabalho pretende discutir alguns dilemas que envolvem a definição do conceito de patrimônio cinematográfico e de seus possíveis processos de patrimonialização. Para tanto, apresenta uma trajetória histórica do conceito de patrimônio cultural e de sua institucionalização no Brasil, acompanhada de uma síntese das políticas culturais relacionadas à área cinematográfica. Em seguida, propõe uma reflexão sobre o papel da historiografia e das cinematecas como possíveis agentes desse processo de patrimonialização. Essa atribuição de valor simbólico a determinados filmes em detrimento de outros é analisada à luz da dialética entre lembranças e esquecimentos de cada momento histórico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ABREU, Regina. Patrimônio Cultural: tensões e disputas no contexto de uma nova ordem discursiva. In: LIMA FILHO, Manuel Ferreira; ECKERT, Cornélia; BELTRÃO, Jane (org). Antropologia e patrimônio cultural ”“ Diálogos e desafios con-temporâneos. Blumenau: Nova Letra, 2007.

AMÂNCIO, Tunico. Artes e manhas da Embrafilme: cinema estatal brasileiro em sua época de ouro (1977-1981). 2.ed. Niterói: EDUFF, 2000.

AUGUSTO, Sérgio. Este mundo é um pandeiro: a chanchada de Getúlio a JK. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

AUTRAN, Arthur. Panorama da historiografia do cinema brasileiro. Alceu, Rio de Janeiro, v.7, n.14, p.17-30, 2007.

AUTRAN, Arthur. Prefácio à segunda edição de Cinema brasileiro: propostas para uma história. In: BERNARDET, Jean-Claude. Cinema brasileiro: propostas para uma his-tória. 2.ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

BASTOS, Mônica Rugai. Tristezas não pagam dívidas ”“ Cinema e política nos anos da Atlântida. São Paulo: Olho d'Água, 2001.

BERNARDET, Jean-Claude. Cinema brasileiro: propostas para uma história. São Paulo: Paz e Terra, 1979.

BERNARDET, Jean-Claude. Historiografia clássica do cinema brasileiro. São Paulo: Annablume, 1995.

BEZERRA, Laura. A Preservação audiovisual no Governo Lula, 2010. Disponível em:< http://culturadigital.br/politicaculturalcasaderuibarbosa/files/2010/09/22--LAURA-BEZERRA.1.pdf >. Acesso em: 01 nov. 2018.

BEZERRA, Laura. A preservação audiovisual nas políticas do Brasil entre: 2003-2010, 2017. Disponível em:< http://www.labaudiovisual.com.br/labav/preservacao--audiovisual-nas-politicas-culturais-do-brasil-entre-2003-2010/>. Acesso em: 01 nov. 2018.

BORDE, Raymond. Les Cinémathèques. Paris: Editions L'Age d'Homme, 1983.

CALABRE, Lia. Políticas culturais no Brasil: dos anos 1930 ao século XXI. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2009.

CATANI, Afrânio Mendes; SOUZA, José Inácio de Melo. A Chanchada no cinema brasileiro. São Paulo: Brasiliense, 1983.CHOAY, Françoise. A Alegoria do patrimônio. Tradução: Luciano Vieira Machado. 4.ed. São Paulo: Estação Liberdade/Editora UNESP, 2006.

CHUVA, Márcia. Por uma história da noção de patrimônio cultural no Brasil. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro, n. 34, p. 147-165, 2012.

CORREA JÚNIOR, Fausto Douglas. A Cinemateca Brasileira: das luzes aos anos de chumbo. São Paulo: Editora UNESP, 2010.

CORREA JÚNIOR, Fausto Douglas. Entre ladeiras de nitrato: notas históricas sobre o fórum da ABPA na Mostra de Cinema de Ouro Preto. In: HEFFNER, Hernani; D'ANGELO, Raquel Hallak; D'ANGELO, Fernanda Hallak. Reflexões sobre a preservação audiovisual 2006-2015: 10 anos de CineOP. Belo Horizonte: Universo, 2015.

DIAS, Rosângela de Oliveira. Chanchada ”“ Cinema e imaginário das classes po-pulares na década de 50. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1993.

EDMONDSON, Ray. Arquivística audiovisual: filosofia e princípios. Tradução: Car-los Roberto Rodrigues de Souza. Brasília: UNESCO, 2017.

FERREIRA, Suzana Cristina de Souza. Cinema carioca nos anos 30 e 40 ”“ Os fil-mes musicais nas telas da cidade. São Paulo: Annablume; Belo Horizonte, PPGH--UFMG, 2003.

FERRO, Marc. Cinema e história. . Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

FONSECA, Maria Cecília Londres. O Patrimônio em processo: trajetória da polí-tica federal de preservação no Brasil. Rio de Janeiro: UFRJ/Minc/IPHAN, 2005.

FONSECA, Maria Cecília Londres. Para além da pedra e cal: por uma concepção ampla de patrimônio cultural. In: ABREU, Regina; CHAGAS, Mário (org). Memória e patrimônio: ensaios contemporâneos. Rio de Janeiro: Lamparina, 2009.

FREIRE, Rafael de Luna. A ideia de gênero nacional no cinema brasileiro: a chan-chada e a pornochanchada. In: FABRIS, Mariarosaria; SOUZA, Gustavo; FERRA-RAZ, Rogério (org). Estudos de cinema e audiovisual ”“ Socine. São Paulo: Socine, 2010.

FREIRE, Rafael de Luna. Descascando o abacaxi carnavalesco da chanchada: a invenção de um gênero cinematográfico nacional. Revista Contracampo, Niterói: UFF, n. 23, p.66-85, 2011.

GALVÃO, Maria Rita. Burguesia e cinema: o caso Vera Cruz. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira/Embrafilme, 1981.

GOMES, Paulo Emílio Salles; GONZAGA, Adhemar. 70 anos de cinema brasileiro. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura, 1966.

GONÇALVES, José Reginaldo Santos. A Retórica da perda: os discursos do patri-mônio cultural no Brasil. Rio de Janeiro: Editora UFRJ/IPHAN, 1996.

HALBWACHS, Maurice. A Memória coletiva. 2.ed. São Paulo: Centauro, 2013.

IKEDA, Marcelo. Cinema brasileiro a partir da retomada. São Paulo: Editora Summus, 2015.

LE GOFF, Jacques. História e Memória. Campinas: Editora Unicamp, 2013.

LEITE, Sidney Ferreira. Cinema brasileiro, das origens à retomada. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2005.

LINDNER, Maria Laura Souza Alves Bezerra. Políticas para a preservação audiovi-sual no Brasil (1995-2010) ou “Para que eles continuem vivos através do modo de vê-los”. Tese de doutorado. Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Professor Milton Santos. Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2013.

LYRA, Bernadette. Fotogramas do Brasil: as chanchadas. São Paulo: A lápis, 2015.

MARSON, Melina Izar. Cinema e políticas de Estado: da Embrafilme à Ancine. São Paulo: Escrituras, 2009.

NOBRE, Francisco Silva. Pequena história do cinema brasileiro. Rio de Janeiro: Associação Atlética do Banco do Brasil, 1955. 2v.

NÚÑEZ, Fabian. A política e as políticas de preservação audiovisual no Brasil, ou sua ausência. In: In: HEFFNER, Hernani; D'ANGELO, Raquel Hallak; D'ANGELO, Fernanda Hallak. Reflexões sobre a preservação audiovisual 2006-2015:10 anos de CineOP. Belo Horizonte: Universo, 2015.

ORTIZ, Carlos. O Romance do gato preto: história breve do cinema. Rio de Janeiro: Casa do Estudante do Brasil, 1950.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, v.2, n.3, p.3-15, 1989.

QUENTAL, José Luiz de Araújo. A Preservação cinematográfica no Brasil e a construção de uma cinemateca na Belacap: a Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Dissertação de Mestrado em Comunicação, Instituto de Arte e Comunicação Social, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2010.

QUENTAL, José Luiz de Araújo. O audiovisual como patrimônio: questões. In: HEFFNER, Hernani; D'ANGELO, Raquel Hallak; D'ANGELO, Fernanda Hallak. Reflexões sobre a pre-servação audiovisual 2006-2015: 10 anos de CineOP. Belo Horizonte: Universo, 2015.

RAMOS, Alcides Freire. Canibalismo dos fracos: cinema e história do Brasil. Bauru: Edusc, 2002.

ROCHA, Glauber. Revisão crítica do cinema brasileiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1963.

RUBIM, Antonio Albino Canelas. Políticas culturais no Brasil: tristes tradições, enormes desafios. In: BARBALHO, Alexandre; RUBIM, Antonio Albino Canelas. Políticas culturais no Brasil. Salvador: EDUFBA, 2007.

RUBINO, Silvana. A memória de Mário. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro, n. 30, p. 139-154, 2002.

SANTILI, Juliana. Patrimônio imaterial e direitos intelectuais coletivos. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n.32, p.62-80, 2005.

SCHVARZMAN, Sheila. Humberto Mauro e as imagens do Brasil. São Paulo: Edi-tora UNESP, 2004.

SIMIS, Anita. Estado e cinema no Brasil. São Paulo: Editora Unesp, 2015.

SOUZA, Carlos Roberto de. Nossa aventura na tela ”“ A trajetória fascinante do cinema brasileiro da primeira filmagem a Central do Brasil. São Paulo: Cultura, 1998.

SOUZA, Carlos Roberto de. Cinema em tempos de Capanema. In: BOMENY, Helena (org). Constelação Capanema: intelectuais e políticas. Rio de Janeiro: Editora FGV; Bragança Paulista: Editora Universidade de São Francisco, 2001.

SOUZA, Carlos Roberto de. A Cinemateca Brasileira e a preservação de filmes no Brasil. Tese de Doutorado - ECA, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

SOUZA, José Inácio de Melo. Imagens do passado: São Paulo e Rio de Janeiro nos primórdios do cinema. São Paulo: Editora Senac, 2004.

VIANY, Alex. Introdução ao cinema brasileiro. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1959.

VIEIRA, João Luiz. Este é meu, é seu, é nosso ”“ Introdução à paródia no cinema brasileiro. Filme Cultura. Rio de Janeiro, n.41-42, p.22-29, 1983.

VIEIRA, João Luiz. A chanchada e o cinema carioca (1930-1955). In: RAMOS, Fernão (org). História do cinema brasileiro. São Paulo: Art Editora, 1987.

VIEIRA, João Luiz. O corpo popular, a chanchada revisitada, ou a comédia carioca por excelência. Acervo, Rio de Janeiro, v.16, n.1, p.45-62, 2003.

XAVIER, Ismail Norberto. O olhar e a voz: a narração multifocal do cinema e a cifra da história em São Bernado. Literatura e Sociedade. São Paulo, n.2, p.126-138, 1997.

Downloads

Publicado

2019-05-14

Como Citar

Oliveira, N. H. C. de. (2019). Patrimônio Cinematográfico: conceito, políticas e processos de patrimonialização. Museologia &Amp; Interdisciplinaridade, 8(15), 105–121. https://doi.org/10.26512/museologia.v8i15.24670

Edição

Seção

Dossiê Cinema, Museu e Patrimônio