Heroínas em batalha

figurações femininas em museus em tempos de centenário: Museu Paulista e Museu Histórico Nacional, 1922

Autores

  • Ana Paula Cavalcanti Simioni
  • Carlos Lima Junior

DOI:

https://doi.org/10.26512/museologia.v7i13.17754

Palavras-chave:

pintura de história, gênero, museu, Imperatriz Leopoldina, representação

Resumo

Na tradição acadêmica brasileira geralmente a condição do herói é atribuída a protagonistas masculinos, de sorte que, nos museus nacionais, em geral as figuras femininas são relegadas a um lugar inferior e alegórico. O presente artigo analisa um pequeno conjunto de 3 telas concebidas para as comemorações do centenário da Independência, em 1922, nas quais as figuras femininas são alocadas na condição de protagonistas da história nacional. Trata-se dos retratos de Maria Quitéria e Leopoldina de Habsburgo confeccionados por Domenico Failutti a pedido do diretor do Museu Paulista, Affonso Taunay, para os festejos de 1922, e, de outro lado, da tela Sessão do Conselho do Estado , elaborada por Georgina de Albuquerque e hoje presente no Museu Histórico Nacional (RJ). As imagens, produzidas em tempos de República, constituem uma verdadeira “batalha visual” sobre os lugares das mulheres na história do país, oscilando entre polaridades como a guerreira, a governante sábia e a “boa mãe republicana”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ANHEZINI, Karina. Museu Paulista e trocas intelectuais na escrita da História de Afonso Taunay. Anais do Museu Paulista, São Paulo, v. 10| 11, n. 1, p. 37-60, 2002-2003.

BATISTA, Stephanie Dahn. O corpo falante: as inscrições discursivas do corpo na pintura acadêmica do século XIX, Tese de Doutorado em História, UFPR, 2011.

BERGER, John. Modos de ver, Rio de Janeiro, Rocco, 1999.

BREFE, Ana Cláudia Fonseca. O Museu Paulista ”“Affonso de Taunay e a memória nacional, 1917-1945. São Paulo: Editora UNESP ; Museu Paulista, 2005.

CHRISTO, Maraliz de Castro Vieira. Bandeirantes na contramão da história: um estudo iconográfico. Projeto História: artes da história e outras linguagens. PUC-SP, n. 24, p. 307 ”“ 335, 2005.

DIAS, Elaine. A representação da Realeza no Brasil: uma análise dos retratos de D. João VI e D. Pedro I, de Jean-Baptiste Debret, Anais do Museu Paulista, São Paulo, v. 14, n. 1, p. 243-61, 2006.

DIAS, Elaine. Paisagem e Academia: Félix-Émile Taunay e o Brasil. Campinas: Editora da Unicamp, 2009.

Diário Oficial da União. Programa para a comemoração do Centenário da Independência. Distrito Federal, 4 de fevereiro de 1921.

Diário Oficial da União, 03/07/1921. Comissão Executiva do Centenário.

DUCAN, Carol. “Madres felices y otras nuevas ideas en el arte fracés del siglo XVIII”, in: CORDERO, Karen (org). Crítica feminista en La Teoría e Historia Del Arte. Ciudad de Mexico, Universidad Iberoamericana, 2007.

FLEIUSS, Max. A paladina da Independencia. D. Maria Leopoldina, primeira imperatriz do Brasil. 1797 ”“ 1826. Revista Illustração Brasileira. Anno IV. N. 29. Janeiro 1923a. s|.p.

FLEIUSS, Max. A paladina da Independencia. D. Maria Leopoldina, primeira imperatriz do Brasil. 1797 ”“ 1826. Anno IV. N. 30. Fevereiro 1923b. s.|p.

GARB, Tamar. Sisters of the Brush. Women´s Artistic Culture in Late Nineteenth-Century Paris, New Haven/London,Yale University Press, 1994;

GARB, Tamar. Gênero e Representação. In (Harrison, C., org), Modernidade e modernismo. A pintura francesa no século XIX, São Paulo, Cossac & Naif, 1998.

GRAHAM, Mary. Journal of a Voyage to Brazil and residence there, during part of the years 1821, 1822, 1823. London: Printed for Longman, Hurst, Rees, Orme, Brown, and Green, Paternoster-Row; and J. Murray, Albermarle-street, 1824.

GONZAGA, Guilherme G. Augustus Earle: pintor viajante. Dissertação (Mestrado em Artes). UNB, 2012.

JAMES, Daniel. Um pintor inglês no Brasil do primeiro reinado. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico. n. 12, 1955.

LAVRÃN, Asunción. Las mujeres em las Guerras de Independência. In: CODINACH, Guadalupe Jiménez (coord.) Construyendo Patrias. Iberomérica 1810 ”“ 1824.: Uma reflexión. Tomo II. México: Fomento Cultural Banamex, 2012.

LAURETIS, Teresa de.Technologies of Gender. Bloomington, Indiana University Press, 1987.

LIMA, Solange Ferraz de. & CARVALHO, Vânia Carneiro de. São Paulo Antigo, uma encomenda da modernidade: as fotografias de Militão nas pinturas do Museu Paulista. Anais do Museu Paulista. São Paulo: Universidade de São Paulo, nova série, n.1, p. 147 ”“ 178, 1993.

LIMA JUNIOR, Carlos. Um artista à s margens do Ipiranga: Oscar Pereira da Silva, o Museu Paulista e a reelaboração do passado nacional. Dissertação (Mestrado pelo Programa de Pós-Graduação em Culturas e Identidades Brasileiras). IEB-USP, 2015.

LIMA JUNIOR, Carlos. Salão de Honra: projetos e narrativas. In: PICCOLI, Valeria; PITTA, Fernanda. Coleções em diálogo: Museu Paulista e Pinacoteca do Estado. São Paulo: Pinacoteca do Estado de São Paulo, 2016.

MACEDO, Joaquim Manuel de. Cornelia ”“ Mãe dos Gracchos. In: Mulheres celebres. Rio de Janeiro: B. L. Garnier, 1878.

MARINS, Paulo Cesar Garcez. Nas matas com pose de reis: a representação de bandeirantes e a tradição da retratística monárquica européia. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros da USP, n. 14, p. 77 ”“ 104, 2007.

MARINS, Paulo Cesar Garcez O museu da paz - Sobre a pintura histórica no Museu Paulista durante a gestão Taunay. In: OLIVEIRA, Cecília Helena de Salles (coord.). O Museu Paulista e a gestão de Afonso Taunay: escrita da história e historiografia, séculos XIX e XX. São Paulo: Museu Paulista da USP, 2017 (no prelo)

MATTOS, Claudia Valladão de. Da palavra à imagem: sobre o programa decorativo de Affonso Taunay para o Museu Paulista. Anais do Museu Paulista, ano 6, vol. 7, n. 007. p. 123-148, 2003.

MENESES, Ulpiano T. de. O Salão de Honra do Museu Paulista e o Teatro da Memória. In: Às margens do Ipiranga: 1890 ”“ 1990. São Paulo: Museu Paulista da USP, 1990.

MENESES, Ulpiano Bezerra de. O Salão Nobre do Museu Paulista e o Teatro da História. In: MENESES, Ulpiano Bezerra de (org.). Como explorar um museu histórico. São Paulo: Museu Paulista da USP, 1992.

MOTT, Maria Lúcia. Maternalismo, políticas públicas e benemerência no Brasil (1930-1945). Cadernos Pagu. Campinas, Núcleo de Estudos de Gênero/UNICAMP, 16, 2001.

MYIOSHI, Alex G. Moema é morta. Campinas, Tese de Doutorado em História da Arte, UNICAMP, 2010.

NOCHLIN, Linda. Why there been no great women artists? In: Art and Sexual Politics, New York: Macmillan Publishinbg Co, 1971.

OLIVEIRA, Cecilia H & MATTOS, Cláudia Valladão de. O brado do Ipiranga. São Paulo, EDUSP, 1999.

PRADO, Maria Lígia Coelho. A participação das mulheres nas lutas pela Independência política da América Latina. In: América Latina no século XIX: tramas, telas, textos. São Paulo: EDUSC, 1999.

SAUER, M. L ´entrée des femmes à l´Ecole des Beaux Arts, Paris, ESNBA, 1990.

SCHWARCZ, Lilia.As barbas do Imperador: Dom Pedro II, um monarca nos trópicos.São Paulo, Cia das Letras, 1998.

SIMIONI, Ana Paula Cavalcanti. Profissão artista: pintoras e escultoras acadêmicas brasileiras, 1884-1922. São Paulo: EDUSP/FAPESP, 2008.

SIMIONI, Ana Paula Cavalcanti. Les portraits de l’Impératrice. Genre et politique dans la peinture d’histoire du Brésil. Nuevo Mundo-Mundos Nuevos, p. si-si, 2014.

SOFIO, S. “La vocation comme subversion. Artistes femmes et anti-académisme dans la France révolutionnaire”. Actes de la Recherche en Sciences Sociales, n. 168, juin 2007.

TAUNAY, Affonso. Relatório Referente ao anno de 1920 apresentado a 18 de Janeiro de 1921, ao Ex. Snr. Secretario do Interior, dr. Alarico Silveira, pelo Director, em Commissão, do Museu Paulista, Affonso d’ Escragnolle Taunay. Biblioteca do Museu Paulista. AET|FH 207.

TAUNAY, Affonso. Grandes vultos da Independência brasileira. Publicação commemorativa do Primeiro Centenário da Independência nacional. São Paulo ”“ Cayeiras ”“ Rio de Janeiro: Companhia Melhoramentos de São Paulo, 1922.

TAUNAY, Affonso d’ Escragnolle. Relatório referente ao anno de 1921 apresentado ao Secretário do Interior. Revista do Museu Paulista. Tomo XIII. 1926.

TAUNAY, Affonso d’ Escragnolle. Relatório referente ao anno de 1922 apresentado a 23 de Janeiro de 1923, ao excellentissimo senhor secretário do interior, doutor Alarico Silveira, pelo director em comissão, do Museu Paulista, Affonso d’ Escragnolle Taunay. In: Revista do Museu Paulista. Tomo XIII. 1926.

TAUNAY, Affonso d’ E. Do Reino ao Império. Annaes do Museu Paulista, 3, 1927.

TAUNAY, Affonso De E. Guia da secção historica do Museu Paulista. São Paulo: Imprensa Official do Estado, 1937.

VALIM, Patricia. Maria Quitéria vai a Guerra. In: FIGUEIREDO, Luciano. História do Brasil para ocupados. São Paulo: Casa das Palavras, 2013.

VESENTINI, Carlos Alberto. Maria Quitéria de Jesus: história e cinema. Anais do Museu Paulista. Universidade de São Paulo. Tomo XXIX, 1979.

YEDHAM, C. Women Artists in Nineteenth-Century France and England. New York/London, Garland Publishing, 1984.

Downloads

Publicado

2018-05-28

Como Citar

Simioni, A. P. C., & Lima Junior, C. (2018). Heroínas em batalha: figurações femininas em museus em tempos de centenário: Museu Paulista e Museu Histórico Nacional, 1922. Museologia & Interdisciplinaridade, 7(13), 31–54. https://doi.org/10.26512/museologia.v7i13.17754

Edição

Seção

Dossiê Estudos de Museologia e Gênero