Utopias of knowledge Forms of Representing Thinking in the Context of an Exhibition

Autores

  • Manuela Naveau

DOI:

https://doi.org/10.26512/museologia.v6i12.16329

Palavras-chave:

Ciências Sociais Aplicadas; Comunicação e Informação

Resumo

Se falamos da arte de pensar (GROYS, 2008) ou de exprimir pensamento  através das artes (MERSCH, 2015), o advento da pesquisa artística deu novo significado a processos de pensamento e pesquisa nas artes. Tais processos não só geraram novas formas de “obras” de arte; eles também exercem uma influência na apresentação, interação, mediação e reflexão, distribuição e arquivamento, e assumem assim um lugar importante em um mundo caracterizado pelo pensamento tecnocrático e processos de transformação em curso, um mundo no qual o conhecimento e o não-conhecimento parecem coexistir num estado de justaposição, com iguais valores.  Como consequência, não precisamos – de imediato, para ser bem precisa – de espaços adicionais de pensamento que vão além dos espaços convencionais de pensamento, nos quais as relações de poder persistem – o das ciências e da universidade? 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ECO, Umberto. Das offene Kunstwerk, (zweite Auflage, Originalausgabe Opera aperta, Mailand 1962), Frankfurt am Main, 1967.

GROYS, Boris. Die Kunst des Denkens. Philo Fine Arts, Hamburg, 2008.

MERSCH, Dieter. Epistemologien des Ästhetischen. diaphanes, Zürich--Berlin, 2015.

NAVEAU, Manuela. Crowd and Art – Kunst und Partizipation im Internet. transcript Verlag, Bielefeld, 2017.

TRÖNDLE, Martin und WARMERS, Julia. Kunstforschung als ästhetische Wissenschaft, transcript Verlag, Bielefeld, 2012.

Publicado

2017-09-22

Como Citar

Naveau, M. (2017). Utopias of knowledge Forms of Representing Thinking in the Context of an Exhibition. Museologia & Interdisciplinaridade, 6(12). https://doi.org/10.26512/museologia.v6i12.16329

Edição

Seção

Dossiê Museus de arte contemporânea no século 21