GOSTO, IDEOLOGIA E CONSUMO ALIMENTAR: PRÁTICAS E MUDANÇAS DISCURSIVAS SOBRE PLANTAS ALIMENTÍCIAS NÃO CONVENCIONAIS - PANC.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/les.v20i2.21772

Palavras-chave:

Análise do Discurso, Prática discursiva, Mudança social, Ideologia e hegemonia, Identidade alimentar

Resumo

A pesquisa explora o fenômeno da intensa midiatização das chamadas Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC) no cenário da gastronomia brasileira contemporânea, visando apontar e discutir movimentos de mudança nas práticas discursivas relacionadas à produção e consumo desses vegetais. Para tanto, elegeu um corpus constituído por um conjunto amplo e diversificado de textos midiáticos de diferentes gêneros de discurso produzidos, postos em circulação e consumidos no país, entre os anos de 2014 e 2018, sobre o qual foram aplicados os princípios teórico-metodológicos da Análise do Discurso em seus desdobramentos e conexões com a mudança social. Foi possível observar alterações significativas tanto na lexicalização dos termos relacionados a essas plantas, quanto na constituição de novas formações discursivas transformadoras das ordens sociais do discurso, em luta pela instituição de novas hegemonias alimentares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Antonio Hélio Junqueira, Universidade Anhembi Morumbi (UAM)

Doutor em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicação e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo (2011-2014), com Estágio Pós-doutoral (bolsa CNPq) em Comunicação e Práticas de Consumo, pela Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) no biênio 2016-2017. Mestre em Comunicação e Práticas de Consumo pela Escola Superior de Propaganda e Marketing- ESPM (2007-2009). Engenheiro Agrônomo pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo - USP (1975-1978), com pós-graduação em Desenvolvimento Rural e Abastecimento Alimentar Urbano pela FAO/PNUD/IPARDES (1982) e aperfeiçoamento técnico no País, em Abastecimento Alimentar Urbano com bolsa do CNPq (1983).

Elaine Aparecida Perline, Universidade Anhembi Morumbi (UAM)

Mestre Profissional em Gestão de Alimentos e Bebidas, pela Universidade Anhembi Morumbi. Graduada em Administração de Empresa, pela Faculdade Capital e pós-graduada em Administração Escolar e Coordenação Pedagógica, pela Universidade Veiga Almeida.

 

Referências

ASCHER. F. Le mangeur hypermoderne: une figure de l’individu éclectique. Paris: Odile Jacob, 2005.

BACCEGA, M. A. Palavra e discurso: história e literatura. São Paulo: Ática, 2007.

BACCEGA, M. A.; CITELLI, A. O. Retórica da manipulação: os Sem-Terra nos jornais. Comunicações e Artes, ano 14, n. 20, p. 23-29, abr. 1989.

BAKHTIN, M. (VOLOCHÃNOV, V. N). Marxismo e filosofia da linguagem. Problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1988.

BARCELLOS, G. O banquete da psique: imaginação, cultura e psicologia da alimentação. São Paulo: Vozes, 2017.

BARTHES, R. Elementos de semiologia. São Paulo: Cultrix, 1971.

BECK, Ü. A sociedade do risco: rumo a uma outra modernidade. São Paulo, Editora 34, 2010.

BONI, A. P. Vendem-se PANCS: picão branco, cambará, capuchinha, serralha... O Estado de São Paulo, Suplemento Paladar, n. 599, p. D3, 9 a 15 mar. 2018.

BOURDIEU, P. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp, 2007.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Manual de hortaliças não convencionais. Brasília: Mapa/ACS, 2010.

BREVES, L. Somos todos Pancs: as plantas não convenciosnais dão o sabor da gastronomia moderna. O Globo, 04 de abril de 2016. Disponível em: https://oglobo.globo.com/ela/gastronomia/somos-todos-pancs-as-plantas-alimenticias-nao-convencionais-dao-sabor-da-gastronomia-moderna-19436827. Acesso em 13 de maio de 2018.

BRILLAT-SAVARIN, J. A. The Physiology of Taste: Or, Meditations on Transcendental Gastronomy. London: Penguin Books: 2011.

CAMPOS, S. A. Slow Food. Ponto de encontro da biodiversidade. Prazeres da Mesa, ano 15, n. 176, p. 20, abr. 2018.

CASTRO, N. La dictadura de los supermercados. Cómo los grandes distribuidore deciden lo que consumimos. Madrid: Ediciones Akal, 2017.

CONTRERAS-HERNANDEZ, J.; GRACIA-ARNAIZ, M. Alimentación y cultura: perspectivas antropológicas. Barcelona: Ariel. 2005.

DEAN, W. A botânica e a política imperial: a introdução e a domesticação de plantas no Brasil. Estudos Históricos, v.4, n.8, p. 216-228, 1991.

DOUGLAS, M. Pureza e perigo. São Paulo: Perspectiva, 2014.

DOUGLAS, M.; ISHERWOOD, B. O mundo dos bens: para uma antropologia do consumo. Rio de Janeiro: UFRJ, 2004.

ESTEVE, E. V. O negócio da comida: quem controla nossa alimentação? São Paulo: Expressão Popular, 2017.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 2008.

FLORES, M.B. Oktoberfest ”“ turismo, festa e cultura na estação do chopp. Florianópolis: Letras Contemporâneas, 1997.

FREYRE, G. Sobrados e mucambos. Rio de Janeiro: Record, 2000.

FUTURA. O que são pancs? Disponível em: http://futura.org.br/trilhas-do-conhecimento/o-que-sao-pancs/. Acesso em 1 de maio de 2018.

GOMES, M. Embrapa estuda hortaliças não convencionais e de alto potencial. Correio Braziliense, 30 de abril de 2018. Disponível em: https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/economia/2018/04/30/internas_economia,677197/ Acesso em: 13 de maio de 2018.

HOBSBAWN, E.J.; RANGERS, T. A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

IRVING, M. The Forager Handbook: a guide to the edible plants of Britain. London: Ebury Press, 2009.

JUNQUEIRA, A. H. Territórios alimentares e reinvenção das tradições na cozinha colonial da Serra Catarinense (SC): a experiência da Associação de Agroturismo Acolhida na Colônia. Geografares, p. 216-236, jan./jun.2018.

KINUPP, V.; LORENZI, H. Plantas alimentícias não convencionais (PANC) no Brasil. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2014.

KUNKEL, G. Plants for human consumption. Koenigsten: Koeltz Scientific Books, 1984.

LEFF, E. A aposta pela vida: imaginação sociológica e imaginários sociais nos territórios ambientais do Sul. Petrópolis, RJ: Vozes, 2016.

LEVI-STRAUSS, C. Totemismo hoje. Petrópolis: Editora Vozes, 1973.

LINNÉ, C. v. L´équilibre de la nature: discours sur l’acooissement de la terre habitable (1744), L’économie de la Nature (1749), La police de la nature (1760). Paris: Vrin, 1972.

MANSO, Ú. A. Democracia vegetariana. Tati Lund cozinha com plantas alimentícias não convencionais no Mesa ao Vivo Rio. Prazeres da Mesa, ano 15, n.º 174, p. 68-69, fev. 2018.

MESQUITA, R. Você já ouviu falar em Pancs? Neide Rigo explica. O Estado de São Paulo, Paladar, p. D1, 4 a 10 de agosto de 2016.

MONTANARI, M. Comida como cultura. São Paulo: Editora Senac, 2008.

ORLANDI, E. P. Análise do discurso: princípios e procedimentos. Campinas, SP: Pontes, 2003.

ORLANDI, E. P. Terra à vista - discurso do confronto: velho e novo mundo. São Paulo: Cortez; Campinas, SP; Editora da Unicamp, 1990.

POLLAN, M. Cooked: A Natural History of Transformation. New York: Penguin Books, 2013.

POLLAN, M. The Omnivore’s Dilemma: a natural history of four meals. New York: Penguin Press, 2006.

POULAIN, J. P. (Coord.). Dictionnaire des cultures alimentaires. Paris: PUF, 2012.

POULAIN, J. P. Sociologie de l’alimentation. Paris: PUF, 2009.

PRADO, M. Evento propõe pensar comida além do prato. O Estado de São Paulo, Suplemento Paladar, n.º 629, D5, 5 a 11 de outubro de 2017.

PRESTES, M. E. B. A investigação da natureza no Brasil colônia. São Paulo: Annablume: Fapesp, 2000.

RANIERI, G. R. (Org.). Guia prático sobre PANCs: plantas alimentícias não convencionais. São Paulo: Instituto Kairós, 2017.

REINACH, F. Comer para preservar. O Estado de São Paulo, Metrópole, p. A25, 2 de set. 2017.

ROGOV, B. Mato de comer. Super Interessante, n.º 380, p. 38-43, outubro de 2017.

ROSSI, P. Comer: necesidad, deseo, obsesión. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2013.

RUDY, K. Locavores, feminism, and the question of meat. The Journal of American Culture, v.35, n.1, p. 26-36, 2012.

SÃO PAULO. Governo do Estado. A batalha da alimentação no governo Montoro. São Paulo: PW, 1987.

SINGER, P.; MASON, J. A ética da alimentação: como nossos hábitos alimentares influenciam o meio ambiente e o nosso bem-estar. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.

SMERALDI, R. O momento é PANC. O Estado de São Paulo, Suplemento Paladar, p. D1, 20 a 26 de abril de 2017.

TUCCI, N. Beleza que põe mesa. O Estado de São Paulo, Suplemento Paladar, n.º 663, p. D1, 24 a 30 de maio de 2018a.

TUCCI, N. Panc de boutique: da rua para a mesa. ]Cultura[, São Paulo, Livraria Cultura/Fnac, n.1, p. 59-61, jun. 2018b.

ULMANN, S. Semântica: uma introdução à ciência do significado. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 1973.

VILELA, D. B. L. Consumo político e ativismo vegano: dilemas da politização do consumo na vida cotidiana. Estudos Sociedade e Agricultura, v. 25, n. 2, p. 353-377, jun. 2017.

Downloads

Publicado

2019-07-24

Como Citar

Junqueira, A. H., & Perline, E. A. (2019). GOSTO, IDEOLOGIA E CONSUMO ALIMENTAR: PRÁTICAS E MUDANÇAS DISCURSIVAS SOBRE PLANTAS ALIMENTÍCIAS NÃO CONVENCIONAIS - PANC. Cadernos De Linguagem E Sociedade, 20(2), 17–35. https://doi.org/10.26512/les.v20i2.21772

Edição

Seção

Artigos