Um Olhar Fenomenológico sobre as Crises Existenciais na Contemporaneidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/rfmc.v8i1.28914

Palavras-chave:

estresse, ansiedade, niilismo, depressão, ser-aí

Resumo

Este trabalho consiste em uma reflexão hermenêutico-fenomenológica sobre a indigência do nosso tempo. Traz, na verdade, uma outra compreensão acerca dos malefícios que o atual momento tem causado ao ser humano ao imprimir um modelo de vida oferecido desde a modernidade e que implicou em uma série de inquietações, criando novas patologias. Trata-se de um movimento histórico, conhecido por Niilismo, que nos deu uma “nova morada”, a qual, paradoxalmente, se mostra como não morada, um não-lugar, ou seja, um lugar estranho. Nesse lugar, residem desassossegos vigentes, como cansaço, stress, ansiedade, tédio, melancolia, depressão etc. Todavia, essas crises existenciais são interpretadas pelas ciências naturais como algo exclusivamente inerente ao corpo biológico dado. Essa interpretação é amplamente questionada aqui ao compreender que tais fenômenos só serão devidamente compreendidos mediante a analítica existencial do ser-aí humano, haja vista esse ente constituir-se como um ser-no-mundo que tem como horizonte a temporalidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Rogério Holanda da Silva, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte/UERN

Atuou como professor do departamento de Filosofia da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte ”“ DFI/UERN. Formado em Filosofia, Geografia e Mestre em Ciências Sociais e Humanas. Pesquisador na área da filosofia contemporânea com ênfase na fenomenologia e existencialismo.

Ricardo Décio, Universidade Potiguar, UNP

Bacharel em Psicologia pela Universidade Potiguar ”“ UNP. Integrante do Núcleo de Estudos, Ensino e Investigações em Filosofia ”“ NEFIL/UERN. Pesquisador da abordagem Daseinsanálise: de base hermenêutica, fenomenológica e existencial.

Referências

ASSIS, Machado de. Várias histórias. Série Bom Livro. 4. ed. São Paulo: Editora Ática, 2001.

BORGES-DUARTE, Irene. Sossego e desassossego: o paradoxo do tempo vivido. In: DUTRA, Elza [org.]. O desassossego humano na contemporaneidade. Textos apresentados III Congresso Brasileiro de Psicologia & fenomenologia. 1. ed. Rio de Janeiro: Via Verita, 2018.

CASANOVA, M. A. Eternidade frágil: ensaio de temporalidade na arte. 1. ed. Rio de Janeiro; Via Verita, 2013.

CASANOVA, M. A. Mundo e historicidade: leituras fenomenológicas de ser e tempo: vol. 1: existência e mundaneidade. 1. ed. Rio de Janeiro; Via Verita, 2017.

CIORAN, Emil. Nos cumes do desespero. Disponível em: [http://lelivros.love/book/baixar-livro-nos-cumes-do-desespero-emil-cioran-em-pdf-mobi-ou-ler-online/]: acesso em [25/ 10/ 2019].

HAN, Byung-Chul Han. Sociedade do cansaço. Tradução de Enio Paulo Giachini. 2. ed. ampliada. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

HEIDEGGER, Martin. Conceitos fundamentais da metafísica: mundo, finitude, solidão. Tradução de Marco Antônio Casanova. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2015.

HEIDEGGER, Martin. El concepto de tiempo. Trad. Jesus Adrián Escudeiro. Barcelona: Herder Editorial, S. L, 2008.

HEIDEGGER, Martin. Seminários de Zollikon: protocolos, diálogos, cartas; editado por Medard Boss; tradução: Gabriela Arnhold, Maria de Fátima de Almeida Prado; revisão da tradução: Maria de Fátima de A. Prado e Renato Kirchner. 3. ed. rev. ”“ São Paulo: Escuta, 2017.

HEIDEGGER, Martin. Ser e tempo; Tradução revisada e apresentação de Marcia Sá Cavalcanti Schuback; posfácio de Emanuel Carneiro Leão. 10. ed. Petrópolis, RJ: Vozes; Bragança paulista, SP: editora Universitária São Francisco, 2015.

HUSSERL, Edmund. Investigações lógicas: prolegômenos à lógica pura. Volume 1. Tradução Diogo Ferrer. 1. ed. Rio de Janeiro, 2014.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. A gaia ciência. Tradução Paulo Cézar de Souza. 1. ed. ”“ São Paulo: companhia das letras, 2012.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Assim falou Zaratustra: um livro para todos e para ninguém. Tradução, notas e posfácio Paulo Cézar de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Humano demasiado humano: um livro para espíritos livres. Tradução, notas e posfácio Paulo Cézar de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

PASCAL, Blaise. Pensamentos. Tradução de Leonel Vallandro. Porto Alegre: Editora Globo; Brasília, INL, 1973.

PESSOA, Fernando. Livro do desassossego. Composto por Bernardo Soares, ajudante de guarda-livros na cidade de Lisboa; organização Richard Zenith. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

SÁ, Roberto Novaes de. Para além da técnica: ensaios fenomenológicos sobre psicoterapia atenção e cuidado. 1. ed. Via Verita. Rio de Janeiro: 2017.

Downloads

Publicado

2020-09-20

Como Citar

HOLANDA DA SILVA, R. .; DÉCIO, R. Um Olhar Fenomenológico sobre as Crises Existenciais na Contemporaneidade . Revista de Filosofia Moderna e Contemporânea, [S. l.], v. 8, n. 1, p. 285–305, 2020. DOI: 10.26512/rfmc.v8i1.28914. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/fmc/article/view/28914. Acesso em: 17 set. 2021.